Sábado Resistente - Orgulho e Resistências: LGBT na ditadura

30/10/2020

 

Realizada no último dia 24/10 mais uma edição do Sábado Resistente, em conjunto com o Memorial da Resistência de São Paulo. O tema desta edição foi o mesmo da exposição que inaugurou recentemente no Memorial - “Orgulho e Resistências: LGBT na ditadura”. Os convidados para debater o tema foram Renan Quinalha, professor de Direito na Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da UNIFESP; James Green, estadunidense e historiador brasilianista, militante e pesquisador de referência nos Estados Unidos e no Brasil devido ao seu ativismo na área LGBT e professor de História na Universidade de Brown (EUA); Renata Carvalho, atriz, diretora, dramaturga e transpóloga (antropóloga trans) e fundadora do MONART (Movimento Nacional de Artistas Trans); Julia Gumieri, pesquisadora do MRSP possui mestrado em História Social pela USP; Leonardo Arouca, historiador, documentalista do Museu da Diversidade Sexual e membro fundador da Rede Latino-americana de Arquivos, Museus, Acervos e Investigadores LGBTQIA+; Bruno Oliveira, educador, artista visual e doutorando em Artes Visuais pela UFMG. A abertura desta importante mesa coube a Ana Pato, coordenadora do Memorial da Resistência de São Paulo, enquanto a mediação contou com a participação de Katia Felipini, atual diretora de museologia, ações educativas e culturais do Núcleo Memória.

A primeira a fazer a apresentação foi Julia Gumieri, que comentou sobre o processo de construção da exposição. “Em nome do Memorial é uma honra enorme poder inaugurar esta exposição, que não só reúne acervos incríveis que contam parte da trajetória de existência de produção cultural e intelectual de uma camada inteira negligenciada por tanto tempo em nossa sociedade que é a cultura LGBT”. Julia disse que a exposição denuncia a permanente e sistemática perseguição que essa parcela enorme da sociedade sofre da polícia desde pelo menos a profissionalização da categoria em fins do século XIX, que passou a definir, vigiar, perseguir e controlar as existências de quem não era definido como normal. Finalizou dizendo que, para o Memorial, fazer esta exposição no atual momento é proporcionar um lugar seguro para quem já sentiu medo de ser quem é, por ser quem é. Segundo Julia, “lugares seguros em sociedades que cultuam o medo tem a possibilidade de aproximar ideais, de aproximar pessoas que não só querem pensar, mas querem construir uma sociedade mais justa, mais acolhedora”.

Em seguida, o professor Renan Quinalha falou sobre como a exposição foi pensada, concebida, e que ela é fruto de reflexões já engendradas em 2014 a partir de um Sábado Resistente realizado no Memorial da Resistência no âmbito da rememoração dos 50 anos do Golpe e no contexto da Comissão da Verdade. Disse que além de trazer a violência exercida durante a ditadura, o foco da mostra tem a dimensão da resistência. Mostrar que mesmo com tantas adversidades, a organização da população LGBT conseguiu realizar tarefas históricas, como por exemplo a geração do SOMOS. Depois de explicar como a exposição e seus módulos estão organizados, Renan lembrou que trazer à tona episódios de luta no passado dizem muito respeito ao que é vivenciado hoje, uma vez que o governo federal trouxe de volta termos desse passado ditatorial, como o AI-5, a intervenção militar constitucional, e outros. Em sua fala final, Renan disse que o legado e a continuidade dos padrões de opressão da ditadura brasileira e a violência contra a população LGBT precisam ser resolvidas para que possamos viver, plenamente, algo que chamemos verdadeiramente de democracia.

A terceira pessoa a falar no evento foi o historiador Leonardo Arouca que, após fazer seus agradecimentos, disse que a exposição é realizada em um momento muito importante do cenário político brasileiro em que revisita a memória da ditadura militar e se nega sobretudo a violência cometida durante aquele período. Assim como Renan, Leonardo disse que a mostra vem para não só mostrar esse passado de violência, mas sobretudo a história não contada da diversidade sexual, dos homossexuais e transexuais e que a exposição busca visibilizar isso de uma maneira muito qualificada. Afirmou também, que a inserção deste tema enquanto memória coletiva faz parte de uma disputa pela memória da ditadura, que tem privilegiado contar a história de outros grupos que sofreram repressão e que é necessário requalificar essa disputa. Finalizou enaltecendo a salvaguarda praticada por pessoas e instituições públicas, reafirmando a importância dessa prática, que possibilita o estudo e a disseminação desses acervos em exposições como esta.

O professor e brasilianista James Green falou em seguida sobre como deu início aos trabalhos de militância no movimento LGBT durante a ditadura, sobretudo no Brasil. Após passar um breve trecho de uma conversa entre o ex-presidente Lula e o ex-deputado federal Jean Willys, Green fez apontamentos sobre a inserção da pauta LGBT em manifestações de trabalhadoras e trabalhadores em fins dos anos 70 e início dos anos 80. As dificuldades impostas, seja pelo controle dos corpos e repressão advindas da ditadura, seja pela dificuldade de inserção da pauta do movimento dentro das organizações progressistas, só valorizam a iniciativa pioneira da organização deste movimento. Neste sentido, trouxe o exemplo de um evento ocorrido na USP em fins dos anos 70, em que André Singer organizou um ciclo de debates sobre as chamadas “minorias”, termo que Green fez questão de problematizar, uma vez que se sabe que as mulheres e os negros são a maioria da população no país. Neste ciclo, houve debates em que setores da esquerda defendiam a inserção destes grupos para fortalecer uma frente única contra a ditadura, enquanto outros setores defendiam que discutir temas como racismo, sexismo e homofobia ia dividir e enfraquecer qualquer tipo de luta contra o regime autoritário. Este debate, segundo Green, ainda perpassa nossa sociedade hoje quando setores da esquerda entendem não ser favorável incluir estas pautas, pois poderia afugentar ainda mais os grupos religiosos da sociedade, e a ideia seria recuperá-los. Ainda assim, o professor acredita que o caminho é a luta de uma frente única, mas diversa, dentro do campo progressista, que aponte os equívocos do passado, mas que se volte para o futuro, em busca de igualdade.

Logo após, o educador Bruno falou sobre o trabalho realizado na Casa 1, que é um espaço de acolhimento de jovens LGBT que foram expulsos de casa, uma clínica social e um centro cultural aberto a todes. Em sua essência, a Casa 1 se insere como um lugar de exercício cotidiano e político e de disputa de outros imaginários e outras formas de pensar, e não só de assistência de saúde, mas de produção cultural e educacional sensível. Ao falar da exposição, Bruno afirma que ela parte de várias pesquisas que apresentam uma diversidade de resistências e de formas de vida. Apresentou reflexões sobre como podemos encarar a importância do tema ser exposto no Memorial da Resistência: “Quais são os corpos que ainda não estão nesta exposição? Quais corpos ainda precisam lutar para que a sua memória não esteja somente em exposições temporárias, mas também nas permanentes?”. O educador também falou que o tema da democracia, que perpassa tanto a exposição quanto o próprio Memorial, é uma agenda em disputa e que devemos exercitar a reflexão quando falamos sobre temas como liberdade e direitos.

Por fim, a atriz, dramaturga e transpóloga Renata Carvalho iniciou sua fala ressaltando a importância dos museus enquanto agentes de reflexão sobre o passado para que não repitamos os erros de outrora. Falou que o ato de resistir, para quem é da comunidade LGBT, é constante e presente. Ressaltou a importância de Jane de Castro, a “traviarca” que faleceu um dia antes desta mesa, como personagem de resistência para as travestis no período da ditadura. Lembrou que esta parcela da sociedade foi duramente reprimida ontem, mas que também o é hoje. Para exemplificar, trouxe o dado que em média uma trans vive até os 35 anos, o que é diferente para um homem gay e para uma lésbica. Renata apontou a importância da interseccional idade para uma luta que só pode ser feita de forma coletiva. Afirma que o orgulho é necessário para ser uma travesti, para ser um homem gay, para ser uma lésbica, pois exercitar esse orgulho traz humanidade. E termina sua exposição apontando a ausência de um corpo negro entre os palestrantes pois não há como falar de resistência sem falar do povo negro.

Após as falas, o historiador César Rodrigues trouxe questões que o público fez para serem discutidas entre os palestrantes.


A íntegra deste Sábado Resistente pode ser assistida aqui: https://youtu.be/v3ZajsxB7b4

 

Veja mais

Webinário Memória e Verdade “Lugares de Memória em São Paulo”


Editorial Boletim de Novembro 2020


Jornada do Patrimônio 2020


Sábado Resistente - “Racismo e Resistência”


XIII Encontro Anual RESLAC


Live “Conhecendo Lugares de Memória: I Batalhão de Infantaria Blindada - BIB” Barra Mansa, RJ (19/11)


Seminário Internacional | O mundo do trabalho e as lutas por justiça


Live “Conhecendo Lugares de Memória: DOPS-RJ: Rua da Relação, 40”


Editorial de outubro de 2020 | Núcleo Memória


Núcleo Memória em aula sobre Avanços e Retrocessos da Justiça de Transição no Brasil


Sábado Resistente - Orgulho e Resistências: LGBT na ditadura


Núcleo Memória participa do Ciclo de Conferências “Negacionismo y relativismo en América Latina y el Caribe”


Sábado Resistente - Inauguração da exposição “Orgulho e Resistências: LGBT na Ditadura”


Trabalhadores visitam o Memorial da Luta Pela Justiça


“Conhecendo Lugares de Memória: Recife/PE”


Comunicados RESLAC – Bolívia e Chile


“Conhecendo Lugares de Memória: Casa da Morte - Petrópolis/RJ”


Projeto de Pesquisa do Memorial da Luta Pela Justiça 2020


Comunicados RESLAC – Bolívia e Chile


NM e OAB-SP estão retomando as visitas mediadas ao Memorial Da Luta Pela Justiça


Sábado Resistente | Experiências de enfrentamento à pandemia e solidariedade social nos territórios desiguais


Live Movimento Vozes do Silêncio marca o Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimento Forçado.


EDITORIAL | SETEMBRO DE 2020


Projeto “Conhecendo Lugares de Memória”


Nota RESLAC – OEA


Ciclo de Lives - Conhecendo Lugares de Memória


Participação de Maurice Politi na formação de professores da rede estadual (18/08)


Ciclo de Lives


EDITORIAL | JULHO DE 2020


Curso Intensivo de Educação em Direitos Humanos


Sábados Resistentes - Retomadas as atividades


Diálogos ao vivo sobre História e Memória


Curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil


Sábados Resistentes são retomados na modalidade virtual e ao vivo


Programa de Pesquisa


Golpe civil-militar de 1964: uma breve introdução


Entrevista com Mario Magalhães: Jornalismo investigativo


Direitos dos anistiados


Curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil - 2020


EDITORIAL


Retomada dos Sábados Resistentes


Vigília pela Democracia


Capacitação em comunicações estratégicas


Participação do Núcleo Memória em atividades diversas


Veto à História


Resultado da seleção para o curso Lugares de memória e Direitos Humanos - edição 1 - 2020


COMUNICADO À COMUNIDADE


Visita Mediada ao antigo DOI-Codi


Reunião com a OAK Foudation


Testemunho do professor Will Schmaltz


Sábado Resistente: Mulheres em Resistência


56 anos do golpe civil-militar que nos afeta até hoje


Debate Vigília Pela Democracia


24 de março - Dia Internacional do Direito à Verdade


Vigília pela Democracia e pelas Vítimas da Violência de Estado, de ontem e de hoje.


Adiamento da II Caminhada do Silêncio pelas Vítimas da Violência de Estado e do Ato Unificado Ditadura Nunca Mais


Mulheres em Resistência


Programa Visita Mediada ao antigo DOI-Codi de São Paulo


RAPHAEL MARTINELLI


Falecimento do Companheiro Raphael Martinelli


Final de semana da Memória e Resistência Política


Afiliação suspendida do Centro Nacional de Memoria Histórica de Colombia


Visita Mediada ao antigo DOI-Codi de São Paulo


Bilionários têm mais riqueza que 60% da população mundial, indica relatório da Oxfam


Visita mediada ao antigo prédio do DOI-Codi de São Paulo


Visita ao futuro Memorial da Luta pela Justiça


10 episódios de violação à liberdade de expressão em 2019


Sábados Resistentes: Balanço da aplicabilidade das recomendações da Comissão Nacional da Verdade


Homenagem a Carlos Marighella


Ato na homenagem a Marighella na camara de São Paulo


Sábado Resistente discute os retrocessos em áreas de Direitos Humanos


Profunda rejeição à militarização da América Latina e Caribe


O Memorial da Resistência em parceria com o Núcleo Memória debate na programação dos SR os retrocessos em áreas sensíveis dos Direitos Humanos no país


Caos, massacre e miséria no Haiti


Debate: [IN]VISÍVEIS – POLACAS


Roda de Conversa com o diretor do Nucleo memória Maurice Politi


XII Encontro Anual da Rede Latino-Americana e Caribenha de Lugares de Memória


A RESLAC exige a retirada das forças armadasa e a vigência das garantias básico no Chile


Encerramento do curso `Lugares de Memória e Direitos Humanos No Brasil`


Projeto `Visita Mediada ao antigo DOI-Codi de São Paulo`


Novas aulas do curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil


INSCRIÇÕES ENCERRADAS - Visita Mediada ao antigo DOI-Codi de São Paulo


A Resistência da Sociedade Civil e a luta por democracia no Brasil


Sábado Resistente - Tributo ao Dom Paulo Evaristo Arns


Nota de Repúdio


Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados


Primeira aula do curso “Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil”


SELECIONADOS - Curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil


Nascida em 08 de março. Elza Joana, presente


Sábado Resistente: 50 anos do DOI-Codi


Núcleo memória participou do Projeto Dossiê História em Cruzeiro SP


30 de agosto, Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados


Luta e Verdade - Bolsonaro e o esquecimento forçado


Por Elas: memória e resistência. Entrevista com Maurice Politi


Sábado Resistente: DOI-CODI 50 anos


18 de julho - Dia Internacional de Nelson Mandela


Inscrições para o curso `Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil`


Em breve abrirá o período para inscrição no curso “LUGARES DE MEMÓRIA E DIREITOS HUMANOS NO BRASIL


Morre Clemente, da ALN e sucessor de Marighella


Impunidade faz com que Estado brasileiro ainda faça uso da tortura


Vozes do Silêncio Contra a violência do Estado


Sábado Resistente debateu o filme `Nostalgia da Luz`


Sábado Resistente: Debate o filme `Nostalgia da Luz`


Seja um amigo e amiga do Núcleo Memória - Friends of the Núcleo Memória


Memorial das Lutas e Ligas Camponesas é o mais novo membro da RESLAC


Sábado Resistente: “As lutas sociais e o movimento da infância”


Assista ao vídeo da I Caminhada do Silêncio em São Paulo


Sábado Resistente: Cativeiro Sem Fim


Núcleo Memória participa da IV Semana `Conhecendo a Realidade Brasileira`


NM vê com preocupação o encerramento do grupo de trabalho de ossadas de Perus


17 Abril |Dia Internacional de Luta Camponesa


Sábado Resistente: Lançamento do Livro Cativeiro Sem Fim


Novos membros da Rede Latino Americana e Caribenha de Sítios de Memória (RESLAC)


Cortes no orçamento de museus e programas culturais em São Paulo


Núcleo Memória participa de Roda de Conversa em Petrópolis


Curso Memória, Movimentos Sociais e Direitos Humanos


Núcleo Memória participa de eventos sobre Direitos Humanos no Rio de Janeiro


Mais de 500 pessoas no 6º Ato Ditadura Nunca Mais


Ato Ditadura Nunca Mais


Primeiro Sábado Resistente de 2019: O papel dos coletivos culturais na São Paulo de hoje


Criação da Rede Brasileira de Lugares de Memória - REBRALUME


Núcleo Memória envia representante a audiência da CIDH sobre lugares de memória


Novo site do Ministério Público sobre Justiça de Transição


Simpósio em SP marca 20 anos do Ministério Público Federal na promoção da justiça de transição


`Casa da morte` é declarada imóvel de utilidade pública


Vandalismo ao Monumento Marighella


Nota de Falecimento: Eunice Paiva


Memorial de direitos humanos é inaugurado em Minas Gerais


No dia 13 de dezembro de 1968, o presidente militar Arthur da Costa e Silva decreta o Ato Institucional n° 5


Nota de falecimento: Virgílio Lopes Enei


Comissão da Verdade na Colômbia é instaurada


Ivan Seixas lança livro em São Paulo


Dia Internacional dos Direitos Humanos


Último Sábado Resistente de 2018 lança o livro Hiatus: Arte, Memória e Direitos Humanos na América Latina


Livro Migração e Exílio é lançado no Museu da Imigração


Membros brasileiros da RESLAC entregam documento à Comissão Interamericana de Direitos Humanos


RESLAC lança nota sobre a visita da Comissão Interamericana de Direitos Humanos


Sábado Resistente lança o novo livro da jornalista Jan Rocha: Solidariedade não tem Fronteiras


Estudantes de Relações Internacionais da UNIFESP visitam o futuro Memoria da Luta por Justiça


Núcleo Memória participa do Seminário “Espaços de Exclusão: História e Memória” na USP


Maurice Politi é entrevistado pelo Canal Plus


RESLAC manifesta o seu apoio ao tombamento da Casa da Morte em Petrópolis, Rio de Janeiro


Pela primeira vez, Ministério Público Federal (MPF) denuncia membros da Justiça e do Ministério Público Militar por crime contra os direitos humanos cometidos durante a ditadura militar


Ato Herzog Vive


Roda de Conversa na EMEF Casa Blanca


SANTO DIAS, PRESENTE!


RESLAC saúda a anulação de perdão a Alberto Fujimori


Sábado Resistente comemora os 94 anos de Raphael Martinelli


Núcleo Memória participa do encontro internacional promovido pela RESLAC


Alunos da Escola Paulista de Sociologia visitam o futuro Memorial da Luta por Justiça


Pesquisadoras finalizam mais uma fase do projeto História Oral


Em dia de protestos em São Paulo, Núcleo Memória debate os 30 anos da Constituinte


Seminário na Universidade Presbiteriana Mackenzie conta com a participação do Núcleo Memória


4 anos do Massacre de Ayotzinapa


Roda de conversa no Colégio Santa Cruz


Memorial da Resistência debate os 30 anos da Assembleia Constituinte e os seus efeitos nos dias de hoje


Caso Vladimir Herzog: as implicações da condenação do Estado brasileiro na Corte Interamericana


Ativistas pelos Direitos Humanos do Rio de Janeiro lançam documento exigindo compromissos públicos dos candidatos à eleições de Outubro


Sábado Resistente debate sobre a abertura dos arquivos no Brasil e Paraguai e sua contribuição para o cumprimento das recomendações das Comissões da Verdade


47 anos da execução do Comandante Lamarca no Sertão da Bahia


Nota de empenho pelo cumprimento das resoluções da Comissão Nacional da Verdade


45 anos do golpe militar chileno


Incêndio no Museu Nacional: perda enorme para a história brasileira


Revolucionário e Gay: a vida extraordinária de Hebert Daniel.


Retomada das pesquisas nos arquivos da Justiça Militar


“Revolucionário e Gay”, novo livro de James Green é lançado em São Paulo


‘‘Acho fundamental que tenhamos referências históricas de pessoas que resistem aos golpes’’, diz James N. Green


Jornada do Patrimônio


Gegê Lemos visita o Núcleo Memória


Sábado Resistente: Movimento Custo de Vida


Visita escolar no futuro Memorial da Luta por Justiça


Memorial da Luta pela Justiça


Sábado Resistente: 50 anos de tropicalismo


26 de julho é dia de Combate a Tortura


Encerramento do curso Lugares de Memória


Exposição fotográfica: Ocupação Dom Paulo Evaristo Arns


Sexta aula do curso Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil


Lançamento brasileiro do livro “A experiência Tupamara`


Lançamento de livro sobre movimento dos Tupamaros no Sábado Resistente


Terceiro encontro do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Segunda aula do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Alunos da UNIFESP Visitam Memorial da Luta Pela Justiça


Primeira aula do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Alunos da UNIFESP visitam Memorial da Luta


Primeira aula publica no patio do antigo DOI-CODI


Sábado Resistente é palco da memória viva da luta operária contra ditadura


50 anos depois, “1968 operário” é lembrado em Sábado Resistente


Memorial da Luta sedia lançamento de livro sobre Paulo Fonteles


Papel de religião na resistência é lembrado em homenagem a Martin Luther King


Pesquisas para MLPJ são retomadas com entrevista com Marcia Bassetto


Nos 50 anos da morte de Martin Luther King, resistência negra é debatida em SR


Núcleo Memória participa do Global Reparations Summit, na Sérvia


Mais de 500 pessoas se reúnem para reivindicar a transformação do DOI-Codi em lugar de memória


Mulheres discutem as diferentes lutas feministas em Sábado Resistente


RESLAC manifesta sua preocupação com o assassinato da defensora dos DH do Rio e a crescente violência nessa cidade


5º Ato Unificado Ditadura Nunca Mais acontece no antigo DOI-Codi


Militantes se reúnem para debater resistência feminina intergeracional em SR


Amigos e companheiros de luta compartilham memórias de Honestino Guimarães em SR


Núcleo Memória participa de reunião sobre tombamento da Casa da Morte


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Atividades


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Núcleo


Primeiro Sábado Resistente do ano lança livro sobre Honestino Guimarães


Nota de apoio ao Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP)


Secretaria de Direitos Humanos lança livro sobre lugares de memória de São Paulo em Sábado Resistente


Sábado Resistente reúne especialistas para debater retrocessos nos direitos humanos


Militantes de ontem e hoje se reúnem para homenagear Marighella


Núcleo Memória participa de conferência internacional em Lisboa


Sábado Resistente homenageia Fidel Castro no marco de um ano de sua morte


Vozes da Defesa tem duração estendida até 10 de novembro


Instituições se reúnem para I Seminário do Centro de Memória Sul Fluminense


RESLAC divulga informe a CIDH, com contribuição do Núcleo Memória


Sábado Resistente reúne artistas e militantes em debate sobre arte e memória


Para homenagear Guevara, Sábado Resistente fala sobre revolução nos dias de hoje


Núcleo Memória participa de reunião da CIDH


Memorial da Resistência debate Arte e Memória para marcar abertura da exposição “Hiatus”


Ivan Seixas concede entrevista ao NM sobre a fundação da instituição


Núcleo Memória realiza palestra em seminário de direitos humanos no Chile


`Ruas da Vergonha` ganha prêmio de publicidade mais importante da América Latina


Nos 50 anos da morte de Che Guevara, Sábado Resistente presta homenagem ao revolucionário


Núcleo Memória realiza primeiras entrevistas para construção de memória institucional


Colônia japonesa emociona com histórias de luta por justiça para seus desaparecidos


Com participação do Núcleo Memória, RESLAC elabora plano estratégico


Sábado Resistente lança livros com temática da ditadura civil-militar


Memorial da Resistência promove tarde de lançamento de livros


Levante Popular lota Sábado Resistente em lançamento de livro sobre escrachos realizados pelo grupo


Memorial da Luta pela Justiça abriga exposição “Vozes da Defesa”


Núcleo Memória participa da Jornada do Patrimônio 2017


Comunicado sobre aprobación unánime en el Bundestag y el rol del Estado chileno


Núcleo Memória, OAB/SP e STM inauguram exposição Vozes da Defesa


Perseguição à colônia japonesa nas ditaduras argentina e brasileira em debate no Memorial da Resistência


Sábado Resistente lança livro sobre escrachos aos torturadores da ditadura


Núcleo Memória entrega assinaturas da campanha Ruas da Vergonha à Prefeitura


Núcleo de Pesquisa recebe Leila Tavares que compartilha sua busca pelos arquivos da Justiça Militar


Sábado Resistente debate a Justiça no Brasil em lançamento de livro do MPF


Pesquisa no arquivo do STM - Jornal da Justiça


Sábado Resistente homenageia Dulce Maia de Souza, combatente da Resistência


Sábado Resistente lembra importância dos lugares de memória em lançamento de livro


Núcleo Memória convida todos para Assembleia Geral


Memorial da Resistência lança livro sobre a história do imóvel que abriga o museu


Colóquio de Direitos Humanos debate mudanças na segurança pública e no cárcere


MPF lança livro sobre crimes da ditadura civil-militar


Em maio, o Memorial da Resistência realiza debate sobre questão de gênero e violência contra a mulher no Sábado Resistente


Segurança pública e situação penitenciária em pauta no 2º dia do Colóquio de Direitos Humanos


No lançamento de “Calabouço”, um encontro entre os militantes de ontem e hoje


4º Ato Unificado Ditadura Nunca Mais


Dia Internacional pelo Direito à Verdade


Primeiro dia do Colóquio de Direitos Humanos discute fundamentos da intolerância religiosa no Brasil


Sábado Resistente estreia temporada de 2017 com plateia cheia para discutir resistência juvenil


Memorial da Luta pela Justiça promove debate sobre Intolerância Religiosa


RESLAC abre convocatória para consultores ou empresas de consultoria


Diretor do Núcleo Memória realiza visita com professores no Memorial da Resistência


Contra o desmonte da coordenadoria por Memória e Verdade do Rio de Janeiro


Apoio à atuação do Ministério Público Federal


Curso Ditadura: História Memória encerra sua 4ª edição, destinada a educadores populares


No Dia Internacional dos Direitos Humanos, II Ciclo de Cinema tem encerramento com debate sobre o tema


Último Sábado Resistente do ano recebe 90 pessoas para homenagear Sergio Motta


II Ciclo de Cinema recebe Manoel Cyrillo e Martim Sampaio


Às vésperas do dia da Consciência Negra, Sábado Resistente reúne especialistas para debater o tema


Diretor do Núcleo Memória da aula na Unifesp


Sábado Resistente emociona com homenagem ao militante Farid Helou


II Ciclo de Cinema exibe documentário sobre atuação de advogados na ditadura


Especialistas discutem a segurança pública durante e depois da ditadura em Sábado Resistente


Diretor do Núcleo fala à 80 alunos do fundamental sobre o golpe e a ditadura


Sábado Resistente tem exibição de curtas e debate sobre a tortura


II Ciclo de Cinema estreia com filme sobre a participação dos EUA na ditadura brasileira


II Ciclo de Cinema traz discussão sobre violações do Estado nos dias atuais


Antonio Espinosa participa de debate em Sábado Resistente


Núcleo Memória participa de encontro da regional de sítios de consciência


Com mais de cem pessoas, Sábado Resistente discute o papel das empresas na ditadura


Encerramento do Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Luis Nassif sobre Liberdade de Imprensa - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Sábado Resistente discute a tortura no passado e no presente


Padre Gianfranco Grazioloa sobre Cárcere - Projeto ocupe os Direitos Humanos


Jacqueline Sinhoretto sobre violência policial - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Memorial da Luta pela Justiça recebe visita da Clínica de Direitos Humanos da PUC


Franklin Felix sobre Comunidade LGBT - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Leonardo Duarte e Direito da Criança e do Adolescente - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Maurice Politi participa do Fórum Latino-Americano de Fotografia


Anivaldo Padilha sobre Justiça de Transição - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Sábado Resistente discute a importância dos lugares de memória


Núcleo marca presença na Mostra de Cinema e Direitos Humanos no Mundo da Universidade Metodista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018