Virada para “Qual democracia?”

06/07/2020

O título utilizado por Bobbio vale como bom gancho para refletir sobre a Virada pela Democracia deste final de semana. Nasce mais uma articulação buscando passos adiante na rota das dezenas de frentes e manifestos que se multiplicam conforme a sociedade brasileira vai reconhecendo o enorme perigo que representaria a consolidação do projeto neofascista do atual presidente da República.

Por Paulo Vannuchi

Após os múltiplos descaminhos que levaram à vitória de Bolsonaro nas urnas de 2018 – felizmente sub judice –, a cada mês novos segmentos despertam para reconhecer a catástrofe política que já nos envolvia antes da catástrofe sanitária imposta em 2020.

As 70 entidades que se reuniram inicialmente para organizar o movimento #BrasilpelaDemocracia#BrasilpelaVida estão conscientes dos traumas recentes que cindiram gravemente aquilo que costumávamos chamar campo democrático. São conscientes de que uma unidade ampla não será facilmente construída.

Registro positivo para conhecer a nova articulação é informar que ninguém foi alijado por seu engajamento em movimentos populares apresentados na mídia como radicais. Outro é perceber que a iniciativa não se estrutura em torno de atos esporádicos ou de um manifesto, que sempre gera infinitas interpretações subjetivas sobre o significado de cada palavra ou frase.

Foi redigido um termo de referência absorvendo contribuições pluralistas. Ali estão as linhas mestras para textos compactos de alcance amplo. A preocupação central é multiplicar ações, rompendo esquemas dogmáticos e doutrinários. Valerá por dois meses. Ao final desse prazo será decidido o que fazer. Por enquanto, somente organismos da sociedade civil. Em algum momento, virá o diálogo obrigatório com os partidos políticos.

Brilhante foi a síntese atingida no clip de 60 segundos lançado como release. Alguns não gostarão da presença de Lula na imagem selecionada ao lado de Ulysses e Brizola na campanha das Diretas Já. Outros lamentarão a falta de referências ao Golpe de 2016. Assim é a vida. Assim são os desafios de quem se atira a construir alianças com quem pensa diferente.

No mesmo vídeo, a unidade necessária se expressa em frases lapidares como A vida e a democracia são nossos bens mais valiosos; Resistência e luta são a base do nosso Estado Democrático de Direito; É hora de focar no que nos une e não no que nos separa.

Esta última evoca a saga cultural da reconstrução democrática do final dos anos 1970, cheia de mobilizações sindicais, populares ou estudantis. Lembro a música de Paulo Cesar Pinheiro e Eduardo Gudin, varrendo de ponta a ponta as universidades brasileiras em levante democrático a partir de 1977. Os artistas começavam admitindo: Tudo o que mais nos uniu, separou…. Mas o desânimo se transforma em astral de vitória nos versos: e de repente o furor volta, o interior todo se revolta e faz nossa força se agigantar.

Em 2020, a Virada é mais uma tentativa de fazer nossa força se agigantar.

Força de quem, cara-pálida?.

De todos os que decidirem se juntar na defesa da vida e para barrar agressões neofascistas. Empresários também? É o que se perguntam sindicalistas envolvidos. Uma resposta possível seria: sim, serão muito bem-vindos todos aqueles que se dispuserem a renovar atitudes corajosas como as de Teotônio Vilela, Severo Gomes, Claudio Bardella, Kurt Rudolf Mirow, Einar Kok, José Mindlin, Ricardo Semler no final da ditadura de 1964, inspiradores de Oded Grajew na construção do Instituto Ethos de Responsabilidade Social das Empresas.

Entre os atores decisivos para que nascesse a nova articulação merecem registro o empenho do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, que conversou individualmente com todos os ex-presidentes da República, sem exceção; as centrais sindicais responsáveis pelo 1º de Maio mais unificado das últimas décadas; e também o Pacto pela Democracia, onde se alinham algumas das raras lideranças empresariais que não mergulharam na onda neofascista vitoriosa em 2018 sob a fraude de se evitar dois extremos.

Representantes das 70 entidades foram convidados a gravar vídeos de 1 minuto sob o mote que democracia queremos.

Se gravasse o meu, cuidaria de dizer: uma democracia onde a igualdade seja tão importante quanto a liberdade. E não um ingrediente desejável, mas impossível.

Democracia no Brasil significa: os mais pobres em primeiro lugar; a maioria negra; as mulheres oprimidas pelo machismo; a classe trabalhadora; os desempregados ou jogados na informalidade; os povos indígenas ameaçados de genocídio; as crianças que ainda vivem nas ruas.

Paulo Vannuchi é integrante da Comissão Arns e Conselheiro do Núcleo Memória, jornalista, foi ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos.


Veja outros textos

Veja mais

Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018