Qual será o futuro do trabalho?

06/07/2021

Em um contexto de enorme crise do capital a partir da Pandemia pelo novo coronavírus, a importância da classe trabalhadora nunca foi tão evidente

André Kertész (1894–1985), Poughkeepsie, 1937.

Por NIRSAN GRILLO GOMES DAMBRÓS*

Com o desenvolvimento tecnológico, o que podemos esperar do futuro do trabalho? Os trabalhadores perderão seus postos de trabalho? Algumas profissões se tornarão obsoletas? Os operários deixarão as fábricas porque serão substituídos por robôs? Será que isso faz sentido mesmo ou existe interesse do capital na difusão dessas ideias?

Todos esses questionamentos giram em torno de uma possível eliminação do trabalho vivo – aquele desempenhado por força de trabalho humano, pelo trabalho morto – o desempenhado por máquinas, com a substituição de trabalhadores por tecnologia maquínica. Ou, de outra sorte, máquinas exigindo dos vivos, um trabalho também maquínico, numa espécie de “desantropomorfização do trabalho” que faz morrer aos poucos a possibilidade de resistência, de organização e de confrontação a esse vigoroso processo de precarização estrutural do trabalho a partir da inserção tecnológica no modo de produção capitalista.

A despeito da acepção fim do trabalho com a inserção tecnológica no modo de produção capitalista, a temática sobre o trabalho e suas derivações são prementes. Em verdade, o que vemos hoje, ao invés do fim do trabalho é uma ampliação do trabalho precário a partir das novas tecnologias. Sobretudo se considerarmos o vigoroso processo de reestruturação produtiva em curso com o desenvolvimento da chamada Quarta Revolução Tecnológica, fenômeno recente que teve seu início a partir de 2011 na Alemanha, com o propósito inicial de gerar um profundo e significativo salto tecnológico nos processos produtivos a partir de novas TICs (ANTUNES, 2020). Além disso, é preciso considerar, conforme Ricardo Antunes, o emblemático surgimento de um novo proletariado do setor de serviços que ascende na nova morfologia do trabalho.

Com os desenvolvimentos tecnológicos, combinados com robotização, automação de tarefas, internet das coisas, impressão 3D, etc., surgidos a partir da Indústria 4.0, irrompe um cenário de grande transformação no mundo do trabalho a nível global, no qual o mundo produtivo passa a viger sob uma nova lógica de integração digital de todos os processos: design, manufatura e administração e, dessa forma, apresentando ganhos em produtividade, confiabilidade, adaptação às necessidades e velocidade do cliente (industriAll, 2015, apud DEGRYSE, 2016). Todos esses recursos aplicados a partir de inteligência artificial, em conjunto com a internet, com todo o maquinário conectado entre si e interligado, de forma mais robotizada e automatizada em toda a cadeia de valor, com toda a logística empresarial controlada digitalmente através de inteligência artificial com os vários setores produtivos, em uma velocidade nunca antes experimentada no mundo do labor, faz transformar não apenas o trabalho, mas a sociedade como um todo (ANTUNES, 2020).

Tudo isso vem acompanhado do aumento da velocidade da internet (que tem relação com as novas tecnologias 5G) e sua disseminação, na medida em que possibilita melhor interação na internet e mais velocidade em uma série de processos no mundo do trabalho. A revolução tecnológica sai da esfera industrial e passa a influenciar o setor de serviços e o mercado de trabalho em amplitude global.

No entanto, conforme demonstrado por DEGRYSE (2019),  a expansão tecnológica apresenta algumas ambivalências ou contradições: ao passo que permite que o trabalho seja menos pesado, seja mais eficiente e aumente a produção, ao mesmo tempo, tende a aumentar a intensidade e a deteriorar a qualidade do trabalho, criando empregos “líquidos”, reduzindo o trabalho qualificado e aumentando sua intensidade, sem regulamentação de local de trabalho, de horários, tampouco organização coletiva.

Um enorme contingente internacional de trabalhadores estão inseridos nessas transformações. Isso não significa que algumas áreas não estejam se transformando. De fato, há um processo de transformação estrutural, com mudança em vários empregos. Mesmo assim, isso não significa a perda de força da classe trabalhadora, muito pelo contrário. A classe trabalhadora nunca foi tão expressiva nas sociedades capitalistas quanto na contemporaneidade. Segundo a OIT[i], existem 3,3 bilhões de trabalhadores no mundo, sendo 2 bilhões na economia informal, representando a fatia mais vulnerável do mercado de trabalho.

Em um contexto de enorme crise do capital a partir da Pandemia pelo novo coronavírus, a importância da classe trabalhadora nunca foi tão evidente. Muitos trabalhos tidos como essenciais são desempenhados por força de trabalho humano. E mesmo se pensarmos nos dispositivos móveis, recursos tecnológicos, robôs, etc., todos são produto do desenvolvimento do trabalho humano, “ainda que seja imaterial, intelectual e científico” (TONELO, 2021). Atualmente, conforme Iuri Tonelo, podemos considerar que a força de trabalho fabril é menor que no início do século XX, mas mesmo assim, ainda mantém uma força incontestável, ao passo que a revolução tecnológica e reestruturação produtiva foram combinadas com transformações na divisão internacional do trabalho, criando nichos de robotização e automação do trabalho, mas também mantendo enormes polos industriais concentrados em alguns países, de modo que o capital continua a necessitar de imenso trabalho vivo, de forma intensiva, sobretudo na periferia do capital.

Se pensarmos nas recentes transformações no mundo do trabalho, o que vemos é um crescente processo de superexploração e precarização laboral a partir das novas tecnologias. Portanto, para além de trazer benefícios a sociedade em diversos aspectos, o desenvolvimento tecnológico tem servido aos interesses capitalistas na medida em que impulsiona e acelera o processo de exploração da classe trabalhadora, sobretudo a partir do controle (de processos e do trabalho). Ricardo Antunes ressalta que as principais características do novo mundo do trabalho (digitalizado e inserido no setor de serviços) é de precarização total, flexibilização total, disponibilidade total e encobrimento da modalidade de trabalho pela prestação de serviços. A novidade, portanto, é a precarização por meio da uberização do trabalho, na medida em que camufla a relação capital-trabalho a partir do discurso ideológico do empreendedorismo.

Nas novas dinâmicas das relações capital-trabalho que surgem a partir dessa reestruturação produtiva e reconfiguração do trabalho na contemporaneidade, ter um trabalho em situação de superexploração pode ser considerado uma espécie de privilégio. Isso reflete, de certa forma, o novo espírito do capitalismo em curso, no qual uma massa de trabalhadores e trabalhadoras se submetem ao novo “normal” nas sociedades capitalistas: o trabalho terceirizado, o “freela fixo”, a informalização, a uberização, etc. e o total desamparo das leis protetivas do trabalho. Tudo isso, tendo em conta uma imensa massa de força de trabalho sobrante em escala global que, agora com a internet, plataformas digitais e dispositivos móveis, pode acessar trabalhadores de qualquer parte do globo. O conceito de trabalho imigrante parece assumir novos contornos a partir desse contexto laboral.

Nesse sentido, qual o futuro do trabalho? O que podemos esperar diante desse cenário extremamente pesaroso a partir da inserção tecnológica com exploração laboral intensificada em seus ritmos, tempos e movimentos, com redução do estado de bem estar social e intensificação do ideário e da pragmática neoliberal no mercado de trabalho? Ao que parece, as novas tendências se tornarão irreversíveis se não houver confrontação e intensa mobilização por parte da classe trabalhadora. Isso porque a ambição desmedida e avidez capitalista por mais lucros direciona o capital à intensificação da extração do mais-valor e, para que isso se viabilize, somente através da superexploração da força de trabalho.

Nas sociedades capitalistas, a distância é abissal entre empregador e empregado, capitalista e proletário, rico e pobre. Seus interesses são diametralmente opostos, sendo necessário, portanto, movimentos de resistência por parte da classe trabalhadora (de forma coletiva, com ou sem representação sindical) para que a corrosão dos direitos do trabalho possa se desvanecer ou, possa impedir que aberrações jurídicas, sob o manto de atender às demandas dos trabalhadores, sejam implementadas ao encontro dos interesses empresariais. Para exemplificar, tem-se a recente “Lei Uber” em Portugal que desmancha a relação triangular existente (plataforma digital, motorista ou estafeta e cliente), criando um quarto elemento que, na realidade, é o próprio trabalhador transformado em empresário. Dessa forma, desresponsabiliza quem de fato explora o negócio, tem poder e exerce sobre os trabalhadores com diversas formas de controle (inclusive, algorítmico): as organizações de plataformas digitais, tais como Uber, Glovo e outras.

De toda sorte, é determinante ressaltar que a transformação do trabalho a partir do desenvolvimento tecnológico pode ser positiva, na medida em que traz algumas comodidades e benesses para as sociedades e para os próprios trabalhadores, melhorando alguns aspectos relacionados ao trabalho. As novas tecnologias não são exatamente o problema, mas sim a instrumentalização que se faz dessas tecnologias no sentido de pautar agendas de precarização laboral. Ademais, o desenvolvimento tecnológico e sua respectiva inserção no mundo produtivo transforma estruturalmente o capitalismo e o próprio trabalho. Assim, a onda de inovações tecnológicas e automatização, acompanhada de inteligência artificial e vários outros recursos tecnológicos, ao passo que cria novos empregos – direcionado a trabalhadores com determinados skills e recursos necessários para acompanhar as demandas dos novos trabalhos -, em contrapartida, extermina diversos outros, nomeadamente os de trabalhadores menos qualificados, empurrando-os para a marginalidade do capital, ou seja, para o desemprego ou, na melhor das hipóteses, para a informalização, flexibilização e total precarização do trabalho.

Assim, a resistência por parte de trabalhadores e sindicatos é crucial, sendo o único obstáculo à generalização da precarização e destruição de direitos sociais do trabalho tão duramente conquistados através de lutas sociais.

*Nirsan Grillo Gomes Dambrós é mestranda em Sociologia das Organizações e do Trabalho no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa.

Referências


Antunes, R. (2018). O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo, Boitempo.

Antunes, R. (2020). Uberização, trabalho digital e Indústria 4.0. São Paulo, Boitempo.

Degryse, C. (2016). Digitalisation of the economy and its impact on labour markets. ETUI research paper-working paper.

Degryse, C. (2019). Disrupción tecnológica,¿ abandono social?. El trimestre económico, 86 (344), 1115-1147. https://doi.org/10.20430/ete.v86i344.995

Tonelo, I. (2021). No entanto, ela se move: a crise de 2008 e a nova dinâmica do capitalismo. São Paulo, Boitempo.

ONU News. Perspectiva Global Reportagens Humanas. Quase metade da força de trabalho global sob risco com aumento de desemprego gerado por pandemia. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2020/04/1711972, acesso em: 29 de junho de 2021

 

fonte: A terra é redonda


Veja outros textos

Veja mais

Paulo Freire - o combate ao analfabetismo social


Brasil se cala em reunião na ONU sobre justiça para vítimas da ditadura


Justiça condena União, Funai e MG por violações a indígenas na ditadura


HÁ 50 ANOS ENTRAVAM PARA A ETERNIDADE CARLOS LAMARCA E ZEQUINHA BARRETO, HERÓIS BRASILEIROS.


NÚCLEO MEMORIA É ACEITO COMO “Litisconsorte ativo” na Ação Civil Pública do DOI-Codi em São Paulo


O que fazer com o maior centro de tortura da ditadura?


Sábado Resistente: Direitos Humanos em Foco “A questão migratória e o fenômeno da xenofobia”


Pela criação de um Memorial no antigo DOI-CODI São Paulo


O viagra do Bozo


Jamil Chade - Lei de Anistia perpetua `cultura da impunidade` e será questionada na ONU


A destruição como estratégia


Contra deboche bolsonarista, juiz vai fazer audiência no DOI-Codi


A institucionalização do deboche


Entrego minha vida à minha classe, para que continuem a minha história


MPF oferece nova denúncia contra Major Curió, comandante de repressão à Guerrilha do Araguaia no PA durante a ditadura


A liberação do passado


Os índios não têm alma?


Circulação de armas aumenta e homicídios no Brasil voltam a crescer


Em defesa da democracia, Comissão Arns se posiciona sobre nota das Forças Armadas e reitera seu apoio à CPI da Covid, em curso no Senado


Camilo Vannuchi: A mentira está no DNA das Forças Armadas no Brasil


A Coalisão Internacional de Sítios de Consciência e a Rede Latino-Americana e Caribenha de Lugares de Memória exigem a proteção de civis no Haiti e o respeito ao Estado de Direito


Qual será o futuro do trabalho?


ONU tenta frear onda ultraconservadora liderada por Brasil


Pela reinterpretação da Lei de Anistia!


Mesa Redonda sobre comunidades indígenas e justiça transicional organizada pela Iniciativa Global para Justiça, Verdade e Reconciliação. (GITJR)


MPF obtém sentença histórica contra ex-agente da repressão por crime político na ditadura


Promotor Eduardo Valério vai à Justiça para transformar local de tortura de herói de Bolsonaro em Museu da Democracia


Barbárie, golpe e guerra civil


Carta aberta aos governadores


Da tortura à loucura: ditadura internou 24 presos políticos em manicômios


Na era bolsonarista, expor horrores da ditadura é tarefa cívica


RJ: Justiça destina à reforma agrária usina onde corpos foram incinerados na ditadura


MPF pede responsabilização civil de ex-agentes militares que atuaram na “Casa da Morte”


Brasil: Investigue Comando da Polícia do Rio por operação no Jacarezinho


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco - “Vitória da Classe Trabalhadora: A longa luta operária na VW Brasil”


Um retrato perturbador


Pela graça de Deus


Renunciar à Convenção 169 da OIT é condenar indígenas ao extermínio


O vírus mais contagiante


No limite


O que torna o filme Marighella tão atual e urgente no Brasil de 2021?


A fúria transborda na Colômbia


Audiência Pública – Memorial da Luta pela Justiça


Live Conhecendo Lugares de Memória: Navio Raul Soares


Atentado do Riocentro golpeou autoridade de Figueiredo e completa 40 anos sem culpados


MPF ajuíza ação regressiva contra ex-delegado que matou militante político durante a ditadura militar


Pilha foi espancado e torturado na prisão


Homenagem a Alípio Freire


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco: Memória, Verdade e Justiça


Morre Alípio Raimundo Vianna Freire


Liberar as patentes para evitar uma catástrofe


Camilo Vannuchi - O dia em que a Lei de Segurança Nacional foi condenada


Morre aos 89 anos Dr. Mario Sergio Duarte Garcia


Dois anos de desgoverno – como chegamos até aqui


Ato virtual Movimento Vozes do Silêncio | Denúncia do golpe civil militar de 1964


EUA sabiam da tortura na ditadura brasileira e poderiam intervir se quisessem


SR - Direitos humanos em foco


Os crimes cometidos pela Volkswagen na ditadura, segundo relatório do Ministério Público


Memória, impunidade e negacionismo: um país em busca de si próprio


31 de março/1º de abril de 1964


Live “Conhecendo Lugares de Memória: o Memorial da Luta Pela Justiça”


Reinterpreta Já STF


MPF recorre de acórdão do TRF3 que negou indenização à viúva de preso pela ditadura


O escândalo político acabou?


Nota sobre a decisão da Justiça em permitir a comemoração do golpe pelo Governo Federal


Justiça autoriza exército a comemorar o golpe militar de 64


Volks publica comunicado reconhecendo participação em prisões e torturas durante a ditadura


O povo não pode pagar com a própria vida!


A anulação das decisões de Moro e a sua suspeição no caso Lula: Savonarola vai a Roma.


A CIDH publica seu relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil e destaca os impactos dos processos históricos de discriminação e desigualdade estrutural no país


A consciência feminista


Intelectuais escrevem “carta aberta à humanidade” contra Bolsonaro


Democracia e estado de direito vivem `retrocessos` no Brasil, alerta CID


Indigência mental e falência moral


COMISSÃO ARNS | NOTA PÚBLICA #30


Já pode chamar de regime militar?


Ministra Damares não calará a sociedade civil


DEMOCRACIA SITIADA


Os outros Daniéis Silveiras que ignoramos


Dois anos de maior acesso a armas reduziu violência como dizem bolsonaristas?


Raphael Martinelli


STF demora, e 3 acusados de assassinar Rubens Paiva morrem sem julgamento


Exonerado e perseguido por Bolsonaro, Ricardo Galvão ganha prêmio internacional de liberdade científica


NÚCLEO MEMÓRIA ingressa como “amicus curiae “ na ação popular contra a UNIÃO FEDERAL e o Ministro do Estado da Defesa Fernando Azevedo e Silva


MPF pede que STF rediscuta se Lei da Anistia é compatível com a Constituição, em ação sobre assassinato de deputado


A elite do atraso e suas mazelas


Especialistas em Direitos Humanos e Meio Ambiente dos EUA urgem Biden a se Posicionar em Prol da Justiça Social e Climática, do Estado de Direito, ao tratar de questões sobre o Brasil de Bolsonaro


Livro desfaz mito e revela ação efetiva do Itamaraty para derrubar Allende


Fachin: não aceitação do resultado eleitoral pode resultar em mortes e ditadura


Corte dos Direitos Humanos aceita como amicus curiae ação que denuncia Bolsonaro por descumprir sentença sobre Guerrilha do Araguaia


Denúncia à novos ataques ao Estado de Direito na Guatemala


Assassinatos de pessoas trans aumentaram 41% em 2020


BASTA!


A financeirização em números


Dois anos de desgoverno – três vezes destruição


Governo Bolsonaro é denunciado novamente à Corte Interamericana por insultar vítimas da ditadura


Um governo insano e genocida


Invasão do Capitólio – a face obscura da América


Pronunciamento público da Coalizão Internacional de Sítios de Consciência sobre os acontecimentos do dia 6 de janeiro em Washington


Tortura Nunca Mais Tortura é Crime


Democracia e desigualdade devem ocupar lugar central no debate político pós-pandemia


A força do autoritarismo


Anivaldo Padilha, integrante do Conselho de Administração do Núcleo Memória, recebe o Prêmio de Direito à Memória e à Verdade Alceri Maria Gomes da Silva.


Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018
icone do whatsapp, quando clicar ira iniciar o atendimento por whatsapp