Os crimes cometidos pela Volkswagen na ditadura, segundo relatório do Ministério Público

01/04/2021

Registros da atuação da empresa alemã revelam "uma persistente e consistente colaboração ativa" com o regime.

Prédio da Volkswagen em Wolfsburg, na Alemanha. Foto: Ronny Hartmann/AFP

Financiamento e disponibilização de veículos a operações de repressão, fornecimento aos militares de dossiês sobre funcionários “subversivos”, detenções ilícitas nas dependências da empresa e ocultação de paradeiro de presos políticos a familiares. Foi intensa a colaboração da Volkswagen com a ditadura brasileira de 1964 a 1985, apontou relatório divulgado nesta quarta-feira 31, de autoria do Ministério Público Federal, Ministério Público de São Paulo e Ministério Público do Trabalho (veja na íntegra).

O documento é baseado em anos de pesquisas realizadas pelo cientista político Guaracy Mingardi, da Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo, e pelo historiador alemão Christopher Kopper. Mingardi foi indicado pelo MP, e Kopper, contratado pela Volkswagen.

O trabalho começou em 2015, quando dez centrais sindicais e demais entidades civis entraram com uma representação no MP contra a Volkswagen, com base em levantamentos da Comissão Nacional da Verdade que indicaram cumplicidade da empresa alemã nas repressões do regime militar. A partir disso, o MP instaurou três inquéritos em que realizou coleta de documentos, análise de provas, reuniões e audiências.

Em 2018, o MP iniciou negociações com a Volkswagen para a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta, documento que firmava um acordo para recompor os danos causados às vítimas da repressão. O tratado foi assinado em setembro de 2020 sob controvérsias, conforme bastidores reportados por CartaCapital. O procedimento livrou a companhia de virar alvo de processos judiciais, mas estabeleceu duas condições: a publicação de uma declaração sobre os fatos na edição de domingo em dois jornais; e o pagamento de 36 milhões de reais para iniciativas de promoção de direitos humanos e para ex-trabalhadores de suas fábricas que foram perseguidos.

Em 14 de março deste ano, a Volkswagen publicou um comunicado em jornais brasileiros, conforme o combinado. No texto, defendeu o Estado Democrático de Direito, disse que “lamenta profundamente” as violações de direitos humanos “ocorridas” naquele período e afirmou que “se solidariza por eventuais episódios” que envolveram seus ex-empregados e seus familiares, “em total desacordo com os valores da empresa”. O relatório do MP, no entanto, mostra que as atividades de repressão foram mais que “eventuais episódios” e estavam em total acordo com a cúpula da Volkswagen.

Fundada em 1937, a Volkswagen chegou ao Brasil em 1955 como a primeira fábrica da marca a produzir fora da Alemanha. Foram necessários, portanto, diversos incentivos financeiros do governo para a companhia permanecer no País. A partir de 1964, a Volkswagen tornou-se líder estrangeira no Brasil, por uma conjuntura econômica muito favorável aos seus negócios durante a ditadura, diz o relatório.

“É nítido que a VW tinha interesse na manutenção do regime de exceção no Brasil, pois a restrição de direitos fundamentais limitava a organização dos trabalhadores e favorecia as margens de lucro e, por outro lado, a sua proximidade com o governo lhe garantia vantagens econômicas e financeiras”, afirma o documento.

 Houve um contexto de lealdade da empresa alemã ao governo militar e, nos anos que se seguiram ao golpe de Estado, a VW não mediu esforços para colaborar para que o regime repressor se mantivesse forte, diz o relatório

O controle ideológico de funcionários era uma diretriz política da direção da Volkswagen no Brasil, diz o relatório. Os pesquisadores rejeitam a suposição de que a colaboração da empresa à ditadura tenha sido “eventual” ou “fruto de pressões insuportáveis”. Ao contrário: os fatos reportados deixam claro que a Volkswagen estabeleceu “por disposição própria” uma “intensa relação” com os órgãos de repressão da ditadura, diz o documento.

“A empresa demonstrou vontade de participar do sistema repressivo, sabendo que submetia seus funcionários a risco de prisões ilegais e tortura”, escrevem os pesquisadores

Carros para a ditadura

Uma das formas de colaboração da Volkswagen foi a doação ou o empréstimo de veículos para a Operação Bandeirantes, projeto piloto de atividades de perseguição, de 1969. Posteriormente, concluem os pesquisadores, os veículos foram incorporados ao Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna, o principal órgão de repressão da ditadura.

A Operação Bandeirantes utilizava veículos da Volkswagen e da Ford para levar oficiais e suas equipes às operações. Também transportava detidos ao centro de interrogatório em São Paulo, onde muitos eram torturados.

Uma vez que não há dossiês disponíveis da Operação, diz o pesquisador Christopher Kopper, o apoio material por parte da empresa só poderia ser comprovado através de testemunhos de membros da repressão. O professor cita como exemplo o depoimento do Sargento Marival Chaves Dias do Canto, em 1992, ao Jornal do Brasil, em que afirmou que as montadoras forneciam veículos gratuitos à Operação.

Já Guaracy Mingardi reporta levantamento do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, da Fundação Getúlio Vargas, que cita nominalmente as empresas Volkswagen e Ford no fornecimento de carros. As duas empresas também foram citadas em depoimento à Comissão Nacional da Verdade por um autor que trabalhou com documentos de militares de alto escalão, diz o pesquisador.

Perseguição a funcionários

Os pesquisadores mostraram que a Volkswagen delatava funcionários “suspeitos de atividades consideradas subversivas”. Havia um departamento de segurança industrial responsável pela vigilância e até mesmo pela prisão dos trabalhadores dentro das fábricas.

Kopper cita o caso do eletricista José Miguel, demitido pela Volkswagen por distribuir um jornal entre funcionários. A empresa não só registrou a atividade como entregou à polícia o nome, fotos e informações sobre Miguel e mais três suspeitos: Genezio Floriano Alves, André Inamorato Pardo e Idalecio Custodio da Silva.

A VW também tinha relatórios de espionagem sobre congressos de trabalhadores, como no caso de uma reunião do Sindicato dos Metalúrgicos, em 1974, afirma Mingardi. Posteriormente, um documento da Aeronáutica esclarece as consequências das atividades sindicais: a demissão de 320 operários e o registro de nomes na polícia.

Os pesquisadores também registram reunião pessoal de mais de 50 encarregados da VW com o Coronel Adhemar Rudge, para tratar sobre movimentos sindicalistas. A empresa inclusive realizava diligências para levantar dados e registrava boletins de ocorrência internos.

Prisões pela polícia chegaram a ocorrer dentro das fábricas, como apontou o diretor do DOPS, Delegado Lucio Vieira, na ocasião de uma “célula” do Partido Comunista formada por trabalhadores de São Bernardo do Campo, em São Paulo. A primeira vítima dessa prática foi Amauri Danhone, em 1972. Em seguida, a polícia prendeu Lúcio Bellentani, Heinrich Plagge e Annemarie Buschel.

Plagge foi preso nas dependências da fábrica depois de ser chamado à gerência do seu departamento pelo seu próprio chefe Ruy Luiz Giometti. Lá, recebeu voz de prisão e foi levado para a sede do DOPS, onde foi vítima de tortura física e moral, tendo sido inclusive ameaçado de ter seus filhos sequestrados, diz o relatório.

“A ação da empresa nesse episódio é de elevada gravidade”, afirma o MP.

“Inicialmente, ela colaborou com as autoridades repressivas para a efetivação da prisão dentro da fábrica. Como não havia mandado judicial ou ordem escrita de autoridade administrativa, essa prisão era manifestamente ilegal. Lembre-se, ademais, que a alta direção da empresa tinha pleno conhecimento de que a entrega do trabalhador aos órgãos de segurança resultaria inelutavelmente em sua submissão à tortura.”

Ocultação de paradeiro

A Volkswagen tentou ocultar o paradeiro de Plagge aos seus familiares, mesmo tendo acompanhado e facilitado a sua prisão, aponta o relatório. A empresa informou à esposa uma “fantasiosa versão” de que o funcionário não voltaria para casa porque tinha viajado a serviço. A mentira foi apresentada pessoalmente pelo chefe do operário, que foi à sua casa e lhe disse para não se preocupar.

Neide Rosa Plagge não confiou na informação e procurou seu marido no DOPS mais de uma vez. Após cinco dias sem notícias, descobriu que ele estava preso. Retomou o contato com o esposo somente quatro meses depois.

No caso de Lúcio Bellentani, a Volkswagen não só facilitou sua prisão dentro da própria fábrica, como permitiu a prática de tortura dentro de suas instalações e ainda se recusou a informar o seu paradeiro à família.

Durante sua prisão por 48 dias, sua esposa compareceu todos os dias à fábrica para obter notícias, mas a Volkswagen só dizia que não tinha conhecimento sobre o que havia acontecido. Ela só soube da prisão no DOPS quando recebeu o formulário do seguro de vida. Em depoimento ao MP, Bellentani afirmou que “várias prisões ocorriam dentro da fábrica”. Pelo menos 13, segundo ele.

O MP considera a postura da empresa como “grave violação aos direitos humanos”, por consistir em “tomar parte em atos executórios de um crime internacional: o desaparecimento forçado de pessoas”.

Outros relatos do MP apontam para a elaboração de “listas negras” para evitar a contratação de funcionários “subversivos”, compartilhadas entre as empresas e com o DOPS. Também havia repressão direta a greves, com interrogatórios e infiltração de seguranças em eventos sindicais.

Justiça segue como responsável por impunidade

Questionado se as punições à Volkswagen foram suficientes, o procurador da República Marlon Alberto Weichert, envolvido no trabalho do MP sobre a Volkswagen, disse a CartaCapital que o reparação obtida foi um “marco histórico”. Isso porque nenhuma pessoa jurídica ou física foi condenada judicialmente por cumplicidade ou participação nas violações aos direitos humanos na ditadura militar, argumenta.

Weichert diz que houve “reconhecimento tácito” da empresa em relação a sua responsabilidade e foi garantida reparação a trabalhadores atingidos. Além disso, os fatos foram investigados e revelados. O acordo também garantirá recursos para novas investigações – outros projetos de pesquisa já estão em andamento. As memórias devem ser reunidas em um espaço na sede da antiga Justiça Militar.

A permissividade com que a Justiça trata crimes contra a humanidade cometidos durante a ditadura contribui para o cenário atual, diz procurador

Segundo Weichert, do ponto de vista civil, não houve penalização o suficiente. Ao mesmo tempo, pondera, é preciso levar em consideração o cenário de “impunidade” promovido pelo Supremo Tribunal Federal e pela Justiça Federal.

Atualmente, afirma, a Justiça brasileira segue permissiva à apologia a crimes contra a humanidade, como no caso da autorização judicial para a celebração da ditadura militar em plena plataforma do governo, de acordo com decisão de março deste ano, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

“A decisão do TRF-5 desrespeita as referidas sentenças da Corte Internacional de Direitos Humanos”, acusa Weichert. “Não tenho dúvidas em afirmar que a Justiça brasileira é um ator interno responsável pelo descumprimento de obrigações internacionais assumidas pelo Estado brasileiro.”

Fonte Carta Capital


Veja outros textos

Veja mais

RJ: Justiça destina à reforma agrária usina onde corpos foram incinerados na ditadura


MPF pede responsabilização civil de ex-agentes militares que atuaram na “Casa da Morte”


Brasil: Investigue Comando da Polícia do Rio por operação no Jacarezinho


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco - “Vitória da Classe Trabalhadora: A longa luta operária na VW Brasil”


Um retrato perturbador


Pela graça de Deus


Renunciar à Convenção 169 da OIT é condenar indígenas ao extermínio


O vírus mais contagiante


No limite


O que torna o filme Marighella tão atual e urgente no Brasil de 2021?


A fúria transborda na Colômbia


Audiência Pública – Memorial da Luta pela Justiça


Live Conhecendo Lugares de Memória: Navio Raul Soares


Atentado do Riocentro golpeou autoridade de Figueiredo e completa 40 anos sem culpados


MPF ajuíza ação regressiva contra ex-delegado que matou militante político durante a ditadura militar


Pilha foi espancado e torturado na prisão


Homenagem a Alípio Freire


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco: Memória, Verdade e Justiça


Morre Alípio Raimundo Vianna Freire


Liberar as patentes para evitar uma catástrofe


Camilo Vannuchi - O dia em que a Lei de Segurança Nacional foi condenada


Morre aos 89 anos Dr. Mario Sergio Duarte Garcia


Dois anos de desgoverno – como chegamos até aqui


Ato virtual Movimento Vozes do Silêncio | Denúncia do golpe civil militar de 1964


EUA sabiam da tortura na ditadura brasileira e poderiam intervir se quisessem


SR - Direitos humanos em foco


Os crimes cometidos pela Volkswagen na ditadura, segundo relatório do Ministério Público


Memória, impunidade e negacionismo: um país em busca de si próprio


31 de março/1º de abril de 1964


Live “Conhecendo Lugares de Memória: o Memorial da Luta Pela Justiça”


Reinterpreta Já STF


MPF recorre de acórdão do TRF3 que negou indenização à viúva de preso pela ditadura


O escândalo político acabou?


Nota sobre a decisão da Justiça em permitir a comemoração do golpe pelo Governo Federal


Justiça autoriza exército a comemorar o golpe militar de 64


Volks publica comunicado reconhecendo participação em prisões e torturas durante a ditadura


O povo não pode pagar com a própria vida!


A anulação das decisões de Moro e a sua suspeição no caso Lula: Savonarola vai a Roma.


A CIDH publica seu relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil e destaca os impactos dos processos históricos de discriminação e desigualdade estrutural no país


A consciência feminista


Intelectuais escrevem “carta aberta à humanidade” contra Bolsonaro


Democracia e estado de direito vivem `retrocessos` no Brasil, alerta CID


Indigência mental e falência moral


COMISSÃO ARNS | NOTA PÚBLICA #30


Já pode chamar de regime militar?


Ministra Damares não calará a sociedade civil


DEMOCRACIA SITIADA


Os outros Daniéis Silveiras que ignoramos


Dois anos de maior acesso a armas reduziu violência como dizem bolsonaristas?


Raphael Martinelli


STF demora, e 3 acusados de assassinar Rubens Paiva morrem sem julgamento


Exonerado e perseguido por Bolsonaro, Ricardo Galvão ganha prêmio internacional de liberdade científica


NÚCLEO MEMÓRIA ingressa como “amicus curiae “ na ação popular contra a UNIÃO FEDERAL e o Ministro do Estado da Defesa Fernando Azevedo e Silva


MPF pede que STF rediscuta se Lei da Anistia é compatível com a Constituição, em ação sobre assassinato de deputado


A elite do atraso e suas mazelas


Especialistas em Direitos Humanos e Meio Ambiente dos EUA urgem Biden a se Posicionar em Prol da Justiça Social e Climática, do Estado de Direito, ao tratar de questões sobre o Brasil de Bolsonaro


Livro desfaz mito e revela ação efetiva do Itamaraty para derrubar Allende


Fachin: não aceitação do resultado eleitoral pode resultar em mortes e ditadura


Corte dos Direitos Humanos aceita como amicus curiae ação que denuncia Bolsonaro por descumprir sentença sobre Guerrilha do Araguaia


Denúncia à novos ataques ao Estado de Direito na Guatemala


Assassinatos de pessoas trans aumentaram 41% em 2020


BASTA!


A financeirização em números


Dois anos de desgoverno – três vezes destruição


Governo Bolsonaro é denunciado novamente à Corte Interamericana por insultar vítimas da ditadura


Um governo insano e genocida


Invasão do Capitólio – a face obscura da América


Pronunciamento público da Coalizão Internacional de Sítios de Consciência sobre os acontecimentos do dia 6 de janeiro em Washington


Tortura Nunca Mais Tortura é Crime


Democracia e desigualdade devem ocupar lugar central no debate político pós-pandemia


A força do autoritarismo


Anivaldo Padilha, integrante do Conselho de Administração do Núcleo Memória, recebe o Prêmio de Direito à Memória e à Verdade Alceri Maria Gomes da Silva.


Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018