O que fazer com as 1.049 ossadas descobertas na vala de Perus?

03/02/2022

Remanescentes ósseos que foram ocultados pela ditadura nos anos 1970 e que estão em processo de análise na Unifesp correm o risco de ser despejados. Mais uma vez.

Passaram-se 50 anos desde que o aparato repressivo assassinou Dimas Casemiro, Dênis Casemiro, Flávio Molina e Aluísio Palhano, três deles sob tortura e um fuzilado numa emboscada, todos em 1971. No próximo dia 23 de fevereiro, será a vez de a morte de Frederico Mayr, torturado e executado com três tiros no DOI-Codi de São Paulo, completar meio século. Incluídos nas principais listas de mortos e desaparecidos políticos elaboradas desde o golpe civil-militar de 1964, Dimas, Dênis, Flávio, Aluísio e Frederico têm em comum o histórico de militância na resistência à ditadura e o fato de terem pagado por sua ousadia com a mais severa das penas, a capital, sem que nenhum juiz ou desembargador a tenha sentenciado. Dá-se o nome a isso de extermínio.

Os cinco também têm em comum o fato de seus corpos, sepultados na surdina num cemitério municipal recém-inaugurado na periferia de São Paulo, terem sido deliberadamente ocultados pelas autoridades, jogados sem identificação numa vala clandestina, escavada na terra em 1976, para que sumissem do mapa.

O plano extraoficial das autoridades municipais era construir um forno crematório para que esses e outros corpos fossem incinerados em sigilo. Como o forno nunca foi feito, a saída foi improvisar um buraco de trinta metros por cinquenta centímetros, aberto com uma retroescavadeira numa madrugada. O local permaneceu em segredo por catorze anos, até sua descoberta, em 1990. Em 4 de setembro daquele ano, funcionários da prefeitura deflagraram a vala clandestina, de onde foram retirados 1.049 sacos plásticos com ossos humanos.

Até hoje, das 1.049 ossadas, apenas cinco foram identificadas. Dimas, Dênis, Flávio, Aluísio e Frederico são exceções num cenário marcado pela truculência, pela repressão, pela desfaçatez e pela violência institucional.

Somente naquela vala, naquele cemitério, foram escamoteados os restos mortais de pelo menos 1.044 cidadãos e cidadãs que, mortos entre 1971 e 1974, permanecem desaparecidos até hoje. Ao longo de 50 anos, seus ossos cumpriram um itinerário digno de um road movie macabro. Foram de uma vala comum para uma vala clandestina, da vala clandestina para a Unicamp, da Unicamp para a USP, da USP para o ossário geral do cemitério do Araçá e, dali, para um sobrado na Vila Mariana, onde os trabalhos de identificação foram retomados, em 2015, após mais de vinte anos de leviano desprezo.

Menos aventurados dos que os familiares de Dimas, Dênis, Flávio, Aluísio e Frederico, mais de mil famílias estão, até hoje, sem uma explicação, um paradeiro, um relato, uma pista, um documento ou uma reparação. A maioria já não espera por nada, talvez nunca tenha esperado. Há, neste grupo, presumidamente, indigentes, pedintes, andarilhos, moradores em situação de rua, desajustados e retirantes recém-chegados a São Paulo, sem nenhum parente em condição de sentir sua falta ou buscar seu corpo. Há, também, operários que saíram de casa para trabalhar e nunca mais voltaram, derrubados num atropelamento prosaico ou abatidos a bala. Há as vítimas do crime organizado e também do terrorismo de Estado, gente preta, pobre e periférica fuzilada pela Rota (a tropa de elite da polícia paulista) ou por grupos de extermínio como o Esquadrão da Morte (organização paramilitar formada para tocar o terror nos subúrbios e que foi liderada, nos anos 1970, pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury, também chefe do Dops).

De uma forma ou de outra, são todos desaparecidos políticos, mesmo os que não desempenhavam atividade política. Desapareceram por força de uma política de Estado que acoberta e promove a morte e o desaparecimento e da qual a vala clandestina no cemitério municipal Dom Bosco, em Perus, é símbolo e elemento constitutivo.

O fantasma permanece. O assombro, a dúvida... Se você tem um parente que desapareceu em São Paulo na primeira metade dos anos 1970, ele pode estar entre as 1.044 ossadas da vala de Perus jamais identificadas. Será do meu pai uma dessas ossadas? Será da minha mãe?

Cinquenta anos... É tempo demais para chamar de novela. Os capítulos, no entanto, ainda se sucedem, numa trama interminável de suspense e drama, recheada de solavancos e detalhes sórdidos. Quando se firmou o convênio que garantiria a retomada das análises das ossadas, em 2014, graças a uma oportuna conjunção astral que alinhou Governo Federal (Dilma Rousseff), governo municipal (Fernando Haddad) e a Unifesp (reitora Soraya Smaili), uma lufada de esperança pareceu varrer o que havia de resignação e descrença entre as famílias que esperam respostas. O entusiasmo atingiu o ápice em 2018, quando foi feita a identificação de Dimas e Aluísio. O que se viu em seguida foi o boicote, o desmonte, na esteira do retrocesso que se apoderou do país a partir de 1º de janeiro de 2019.

Desde então, os servidores e colaboradores do Centro de Antropologia e Arqueologia Forense da Unifesp (CAAF), constituído em 2014 para assumir a guarda do material e conduzir os trabalhos pertinentes à análise dos remanescentes ósseos, conforme convênio firmado com os governos federal e municipal e mediado pela Justiça, resistem como podem, matando um leão por dia - e desviando das antas.

A lista de ingerências inclui a nomeação de um entusiasta da ditadura como presidente da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, atrasos nos repasses e nas contratações, morosidade administrativa (por parte da União), uma inaceitável intervenção do MEC na Unifesp (resultando na exoneração do procurador-chefe da universidade sem o aval da reitoria) e até a ameaça de cancelar (unilateralmente) o convênio com a Unifesp a fim de remeter as ossadas para a Polícia Civil do Distrito Federal.

Hoje, o triste roteiro da vala de Perus se apoia em reviravoltas frequentes, pontuadas por intervalos de pasmaceira e ansiedade. O mais recente capítulo vem a público como um teaser trágico, na forma de uma improvável ordem de despejo. Exatamente. As mais de mil ossadas exumadas em 1990, e que voltaram a ser estudadas a partir de 2014, podem ir para o olho da rua a partir de junho.

A notificação chegou por e-mail ao departamento jurídico da Unifesp no dia 3 de dezembro. Na carta, sucinta, digitalizada em papel timbrado da construtora Adolpho Lindenberg, reitera-se um dos tópicos incluídos num dos termos aditivos ao contrato de locação do imóvel, segundo o qual o sobrado em que as análises estão sendo feitas deverá ser desocupado até o dia 25 de junho, uma vez que o imóvel foi vendido e já tem novo proprietário. (...) informamos que a referida Escritura de Venda e Compra foi lavrada dia 25 de novembro de 2021, perante o 20º Tabelionato de Notas da Comarca de São Paulo, no livro 1709, fls. 085/092, diz o comunicado. Posto isso, vigente o Contrato de Comodato celebrado entre as Partes, ratificamos que o Imóvel deverá ser desocupado até 25/06/2022, para a entrega livre e desimpedido de pessoas e coisas.

A crise, neste caso, pode representar um desfecho valioso, ao menos parcial, nesta novela aparentemente sem fim. Em um ofício encaminhado ao juiz federal Eurico Zecchin Maiolino em 28 de janeiro, a vice-reitora da Unifesp, Raiane Assumpção, e o coordenador do CAAF, Edson Teles, afirmam que os trabalhos conduzidos pela universidade estão em fase de conclusão. Os trabalhos previstos se encerrarão no próximo mês de fevereiro de 2022, dizem. Assim, a partir de março, os remanescentes ósseos já poderão ser destinados a um repositório (ossário/memorial), respeitando a decisão judicial de ser um armazenamento com acesso ao material para eventuais atividades futuras de análise e identificação.

O trecho é ao mesmo tempo alvissareiro e preocupante. Ele demonstra a conclusão de uma etapa e o início de outra. Por um lado, é gratificante saber que os trabalhos de análise das ossadas foram concluídos, pelo menos aqueles orientados pelo termo de conciliação firmado entre União e Ministério Público, muito embora ainda não tenha sido dada a devida publicidade às conclusões finais. Caso essa análise tenha sido de fato terminada sem que nenhum outro desaparecido político tenha sido identificado, lamenta-se o resultado, reconhecendo as limitações impostas pela ação do tempo - cinquenta anos! -, as péssimas condições de armazenamento desses materiais em períodos anteriores e as possibilidades tecnológicas atuais. Vem daí a importância de armazenar todo esse material de forma adequada, para que novas investigações possam ser feitas daqui a dez ou vinte anos, conforme os métodos de identificação avançarem (lembre-se que, trinta anos atrás, não havia sequer identificação por DNA no Brasil).

Por outro lado, a mensagem escancara o necessário e urgente debate sobre o futuro desse material. Para onde encaminhá-lo?

Acreditamos que o local de destinação tanto deve servir a armazenamento e eventuais retomadas de análises quanto a um lugar de memória da sociedade brasileira, em especial dos familiares de mortos e desaparecidos políticos da Ditadura e da comunidade do bairro Perus, acrescentam Raiane e Edson no ofício enviado ao juiz federal.

A proposta defendida pela Unifesp é que seja construído um marco de memória, um monumento, preferencialmente no próprio cemitério de Perus, que seja ao mesmo tempo local de homenagem e um repositório adequado à boa conservação desses restos mortais. Existem outras possibilidades. Qualquer que seja a opção escolhida, ela precisará ser pactuada pela Prefeitura de São Paulo (responsável pelos corpos sepultados nos cemitérios municipais), pela União (condenada pela Justiça), pelo Ministério Público (autor da ação) e por entidades representativas da sociedade civil voltadas aos temas da memória, justiça e justiça de transição, entre as quais as comissões de familiares de mortos e desaparecidos políticos.

A próxima audiência está marcada para 11 de fevereiro, sexta-feira. Na ocasião, será primordial discutir essa destinação. Antes que as ossadas recebam uma ordem de despejo.

Fonte:  Camilo Vannuchi - UOL


Veja outros textos

Veja mais

50 Anos da Primeira Greve de Fome de presos e presas políticos em São Paulo


Ditadura tentou censurar na Itália denúncias de tortura no Brasil


Os áudios do STM e a luta por verdade, justiça e memória no Brasil


Curta-metragem sobre Heleny Guariba recebe menção honrosa no festival “É Tudo Verdade”


Dra. Patrícia Vanzolini, presidente da OAB-SP, fala sobre o Memorial da Luta pela Justiça no programa “Entre Vistas”


Núcleo Memória lamenta morte do jurista Dalmo Dallari


Maurice Politi é convidado especial em diálogo com espectadores da peça “E nós que amávamos tanto a Revolução”


Jornalista Jamil Chade publica carta aberta ao Deputado Eduardo Bolsonaro


“Herança da ditadura tem de ser combatida com reforma no ensino militar”, diz Vannuchi


Golpe é golpe, tanto em 1964 quanto em 2016. Nada a comemorar


No Dia do Direito à Verdade, ONU fala da importância de reparar vítimas


Heleny Guariba, presente! Hoje e sempre!


RESLAC rejeita o cancelamento da concessão do Parque Cultural Valparaíso pelo governo cessante


`Não toquem em arquivos da Ditadura`: servidores relatam censura no Arquivo Nacional


Raphael Martinelli Presente


Em ação eleitoreira, governo Bolsonaro desfere um golpe baixo contra o setor cultural


O que fazer com as 1.049 ossadas descobertas na vala de Perus?


Múltiplos espancamentos de Moïse


Quer saber?


Opinião: Comissão Arns - Eny, coragem e doçura


Um novo bilionário surgiu a cada 26 horas desde o início da pandemia, aponta Oxfam


NOTA DE FALECIMENTO Dra. Eny Raimundo Moreira (1946 - 2022)


Caos, esperança e luz


Derrotar o fascismo e a política do ódio


A vitória de Gabriel Boric


Crime da ditadura brasileira é investigado na Argentina


Prefeitura celebra o Dia Internacional dos Direitos Humanos com entrega de prêmios


Em São Paulo, uma jornada cheia de armadilhas para o Memorial da Tortura


Maurice Politi recebe Prêmio Alceri Maria Gomes 2021 por defesa dos Direitos Humanos


Ato Solene na ALESP: Um Memorial pela Democracia


Ato Solene na Assembleia Legislativa de SP tem como objetivo transformar o antigo DOI-Codi em centro de memória e memorial às vítimas da ditadura


TRF-3 confirma decisão que mandou Secom se retratar por homenagem a Major Curió


Nota emitida pelo Relator Especial das Nações Unidas dirigida à Presidência da República sobre o ex DOI-Codi em São Paulo


Três culpas


Aos 52 anos do assassinato de Carlos Marighella, seu filho Carlinhos Marighella fala do filme que estreia hoje em todo o país


Parlamento do Mercosul condena Bolsonaro por apoio às ditaduras na região


Rua em São Paulo troca nome de torturador por nome de torturado


O pior negacionismo


Pesquisa revela como a necropolítica e a pandemia afetam as favelas do Rio


Anistia Internacional Brasil aponta perda de direitos ao longo dos 1000 dias do governo Bolsonaro - Anistia Internacional


Paulo Freire - o combate ao analfabetismo social


Brasil se cala em reunião na ONU sobre justiça para vítimas da ditadura


Justiça condena União, Funai e MG por violações a indígenas na ditadura


HÁ 50 ANOS ENTRAVAM PARA A ETERNIDADE CARLOS LAMARCA E ZEQUINHA BARRETO, HERÓIS BRASILEIROS.


NÚCLEO MEMORIA É ACEITO COMO “Litisconsorte ativo” na Ação Civil Pública do DOI-Codi em São Paulo


O que fazer com o maior centro de tortura da ditadura?


Sábado Resistente: Direitos Humanos em Foco “A questão migratória e o fenômeno da xenofobia”


Pela criação de um Memorial no antigo DOI-CODI São Paulo


O viagra do Bozo


Jamil Chade - Lei de Anistia perpetua `cultura da impunidade` e será questionada na ONU


A destruição como estratégia


Contra deboche bolsonarista, juiz vai fazer audiência no DOI-Codi


A institucionalização do deboche


Entrego minha vida à minha classe, para que continuem a minha história


MPF oferece nova denúncia contra Major Curió, comandante de repressão à Guerrilha do Araguaia no PA durante a ditadura


A liberação do passado


Os índios não têm alma?


Circulação de armas aumenta e homicídios no Brasil voltam a crescer


Em defesa da democracia, Comissão Arns se posiciona sobre nota das Forças Armadas e reitera seu apoio à CPI da Covid, em curso no Senado


Camilo Vannuchi: A mentira está no DNA das Forças Armadas no Brasil


A Coalisão Internacional de Sítios de Consciência e a Rede Latino-Americana e Caribenha de Lugares de Memória exigem a proteção de civis no Haiti e o respeito ao Estado de Direito


Qual será o futuro do trabalho?


ONU tenta frear onda ultraconservadora liderada por Brasil


Pela reinterpretação da Lei de Anistia!


Mesa Redonda sobre comunidades indígenas e justiça transicional organizada pela Iniciativa Global para Justiça, Verdade e Reconciliação. (GITJR)


MPF obtém sentença histórica contra ex-agente da repressão por crime político na ditadura


Promotor Eduardo Valério vai à Justiça para transformar local de tortura de herói de Bolsonaro em Museu da Democracia


Barbárie, golpe e guerra civil


Carta aberta aos governadores


Da tortura à loucura: ditadura internou 24 presos políticos em manicômios


Na era bolsonarista, expor horrores da ditadura é tarefa cívica


RJ: Justiça destina à reforma agrária usina onde corpos foram incinerados na ditadura


MPF pede responsabilização civil de ex-agentes militares que atuaram na “Casa da Morte”


Brasil: Investigue Comando da Polícia do Rio por operação no Jacarezinho


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco - “Vitória da Classe Trabalhadora: A longa luta operária na VW Brasil”


Um retrato perturbador


Pela graça de Deus


Renunciar à Convenção 169 da OIT é condenar indígenas ao extermínio


O vírus mais contagiante


No limite


O que torna o filme Marighella tão atual e urgente no Brasil de 2021?


A fúria transborda na Colômbia


Audiência Pública – Memorial da Luta pela Justiça


Live Conhecendo Lugares de Memória: Navio Raul Soares


Atentado do Riocentro golpeou autoridade de Figueiredo e completa 40 anos sem culpados


MPF ajuíza ação regressiva contra ex-delegado que matou militante político durante a ditadura militar


Pilha foi espancado e torturado na prisão


Homenagem a Alípio Freire


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco: Memória, Verdade e Justiça


Morre Alípio Raimundo Vianna Freire


Liberar as patentes para evitar uma catástrofe


Camilo Vannuchi - O dia em que a Lei de Segurança Nacional foi condenada


Morre aos 89 anos Dr. Mario Sergio Duarte Garcia


Dois anos de desgoverno – como chegamos até aqui


Ato virtual Movimento Vozes do Silêncio | Denúncia do golpe civil militar de 1964


EUA sabiam da tortura na ditadura brasileira e poderiam intervir se quisessem


SR - Direitos humanos em foco


Os crimes cometidos pela Volkswagen na ditadura, segundo relatório do Ministério Público


Memória, impunidade e negacionismo: um país em busca de si próprio


31 de março/1º de abril de 1964


Live “Conhecendo Lugares de Memória: o Memorial da Luta Pela Justiça”


Reinterpreta Já STF


MPF recorre de acórdão do TRF3 que negou indenização à viúva de preso pela ditadura


O escândalo político acabou?


Nota sobre a decisão da Justiça em permitir a comemoração do golpe pelo Governo Federal


Justiça autoriza exército a comemorar o golpe militar de 64


Volks publica comunicado reconhecendo participação em prisões e torturas durante a ditadura


O povo não pode pagar com a própria vida!


A anulação das decisões de Moro e a sua suspeição no caso Lula: Savonarola vai a Roma.


A CIDH publica seu relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil e destaca os impactos dos processos históricos de discriminação e desigualdade estrutural no país


A consciência feminista


Intelectuais escrevem “carta aberta à humanidade” contra Bolsonaro


Democracia e estado de direito vivem `retrocessos` no Brasil, alerta CID


Indigência mental e falência moral


COMISSÃO ARNS | NOTA PÚBLICA #30


Já pode chamar de regime militar?


Ministra Damares não calará a sociedade civil


DEMOCRACIA SITIADA


Os outros Daniéis Silveiras que ignoramos


Dois anos de maior acesso a armas reduziu violência como dizem bolsonaristas?


Raphael Martinelli


STF demora, e 3 acusados de assassinar Rubens Paiva morrem sem julgamento


Exonerado e perseguido por Bolsonaro, Ricardo Galvão ganha prêmio internacional de liberdade científica


NÚCLEO MEMÓRIA ingressa como “amicus curiae “ na ação popular contra a UNIÃO FEDERAL e o Ministro do Estado da Defesa Fernando Azevedo e Silva


MPF pede que STF rediscuta se Lei da Anistia é compatível com a Constituição, em ação sobre assassinato de deputado


A elite do atraso e suas mazelas


Especialistas em Direitos Humanos e Meio Ambiente dos EUA urgem Biden a se Posicionar em Prol da Justiça Social e Climática, do Estado de Direito, ao tratar de questões sobre o Brasil de Bolsonaro


Livro desfaz mito e revela ação efetiva do Itamaraty para derrubar Allende


Fachin: não aceitação do resultado eleitoral pode resultar em mortes e ditadura


Corte dos Direitos Humanos aceita como amicus curiae ação que denuncia Bolsonaro por descumprir sentença sobre Guerrilha do Araguaia


Denúncia à novos ataques ao Estado de Direito na Guatemala


Assassinatos de pessoas trans aumentaram 41% em 2020


BASTA!


A financeirização em números


Dois anos de desgoverno – três vezes destruição


Governo Bolsonaro é denunciado novamente à Corte Interamericana por insultar vítimas da ditadura


Um governo insano e genocida


Invasão do Capitólio – a face obscura da América


Pronunciamento público da Coalizão Internacional de Sítios de Consciência sobre os acontecimentos do dia 6 de janeiro em Washington


Tortura Nunca Mais Tortura é Crime


Democracia e desigualdade devem ocupar lugar central no debate político pós-pandemia


A força do autoritarismo


Anivaldo Padilha, integrante do Conselho de Administração do Núcleo Memória, recebe o Prêmio de Direito à Memória e à Verdade Alceri Maria Gomes da Silva.


Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018
icone do whatsapp, quando clicar ira iniciar o atendimento por whatsapp