O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações

07/07/2020

Monumento em homenagem aos mortos e desaparecidos da Ditadura Civil-Militar no Brasil (Parque do Ibirapuera / São Paulo). Foto: Oswaldo Santos-Junior | NM

 

Oswaldo de Oliveira Santos Junior

Ao abordar o tema do “negacionismo”, compreendemos que não se trata de um fenômeno recente ou mesmo circunscrito a um único lugar ou região. Negar fatos históricos e procurar “apagar”, distorcer e criar mecanismos de esquecimentos têm sido uma prática sistemática na história da humanidade, e os modos de se perpetrar este apagamento / esquecimento tem sido os mais variados.

O negacionismo (négationnisme) consiste nesta prática de negar realidades desconfortáveis a um grupo ou setor da sociedade, que abandona a verdade dos fatos, criando uma realidade à parte dos consensos científicos, históricos, políticos, econômicos e sociais. Há inclusive um conceito teórico, que expressa de modo mais preciso este processo: raciocínio motivado (motivated reasoning[1]), isto é, um processo interno que elimina as contradições e dissonâncias, descartando aquilo que incomoda e não se adequa à ideia de mundo que o indivíduo compartilha.

Assim, se o mundo real, os fatos históricos, científicos, políticos e até religiosos não colaboram para a “visão de mundo” do indivíduo, ele “simplesmente” nega estes fatos, construindo uma “realidade paralela”, realidade sua (confirmada por outros indivíduos de seu grupo), de terras planas, enfermidades que não existem, e fatos históricos igualmente enganosos.

Tem sido assim com o negacionismo do Shoah (שואה – calamidade, catástrofe[2], do escravismo africano nas Américas, das mudanças climáticas, de inúmeras doenças que acometem a humanidade e com inúmeros outros fatos históricos comprovados e fartamente verificados.

O fenômeno negacionista encontra-se com a Pós-Verdade

Na pós-verdade estamos diante de “circunstâncias em que os fatos objetivos são menos influentes em formar opinião pública do que os apelos à emoção e à crença pessoal”[3]

A verdade dos fatos pouco importa, o que importa é satisfazer os interesses pessoais, e confirmar as convicções ideológicas da tribo, e nesta direção o indivíduo opta pela versão que mais agrada e satisfaz, e a verdade objetiva dos fatos históricos torna-se irrelevante e até mesmo incomoda demais[4].

O período das ditaduras na América Latina também encontra o fenômeno negacionista em todos os países da região. Grupos que insistem em uma narrativa que acoberta e silencia a realidade violenta, antidemocrática e violadora dos direitos humanos, realidades que impediram o avanço da cidadania e que ainda perduram em muitas sociedades em toda a América Latina.

Esse fenômeno negacionista da história das ditaduras em toda a América Latina, não é fruto do desconhecimento, a ignorância pode até funcionar como uma caixa de ressonância, mas não é sua base. Seu fundamento está na polarização política e na debilidade dos argumentos usados nos debates.

O fenômeno do negacionismo histórico, sobre as ditaduras da América Latina,  é sim oriundo de um processo deliberado, que configura uma verdadeira “arquitetura negacionista”, que legitima a barbárie como norma, e que encontra, por exemplo na prática sistemática das Fake News, seu alimento cotidiano.

A questão que emerge destas considerações iniciais é: como superar e realizar o enfrentamento do negacionismo histórico?

Resistir ao negacionismo histórico é uma tarefa de todos nós, em nome da Verdade, da Justiça e da Memória. Os lugares de memória (sítios de memória), têm essa função de espaços pedagógicos de resistência.

 


Veja outros textos

Veja mais

Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018