Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande

19/08/2020

O Núcleo Memória vem publicamente apoiar a NOTA no 24, de 17 de agosto de 2020, em repúdio ao despejo do Quilombo Campo Grande/MG produzida pela Comissão Arns. Leia a nota na íntegra

Foto: MST

Nota Pública # 24 – Sobre o despejo no Quilombo Campo Grande

17.08.2020

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem denunciar e levantar sua voz de indignação contra a violência que atingiu cerca de 450 famílias no Quilombo Campo Grande, em Minas Gerais, uma comunidade de mais de 2.000 pessoas, que utiliza a área há 23 anos para produção agroecológica e moradia, efetivando, assim, a função social da propriedade em gleba de uma usina falida.

Desde a última quarta-feira, dia 12, essa comunidade é alvo de uma questionável ação de reintegração de posse executada por 250 soldados da Polícia Militar, na fase mais aguda de uma pandemia que impõe o isolamento social como forma de proteger a vida de todos.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, já havia anunciado a suspensão do despejo, cedendo a pedidos de diálogo e intermediação que foram apresentados por autoridades religiosas, artistas, entidades da sociedade civil, bem como por instituições como o Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), a Defensoria Pública estadual e a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, neste caso, expressando uma frente de apoio parlamentar.

Apesar das tratativas, a palavra do governador foi descumprida, tendo prosseguido uma operação de despejo com intimidações, voos rasantes de helicóptero, demolição de uma escola por tratores, destruição de lavouras e produtos agrícolas, fogo no pasto seco para frear a resistência pacífica dos moradores, bombas de gás lacrimogêneo e pimenta, retirada de famílias e prisão de pelo menos quatro pessoas que resistiram aos ataques, visando a proteção de seus familiares e, em especial, das crianças.

O repúdio da Comissão Arns a esse tipo de grave violação dos direitos humanos torna-se ainda mais premente quando se leva em conta o cenário catastrófico da pandemia em nosso país, no qual o estado de Minas Gerais vem ostentando preocupante curva de elevação das contaminações e mortes por Covid-19, nos últimos dias.

Um ano atrás, a Comissão Arns endereçou mensagem comum a essas famílias e aos magistrados do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, conclamando as autoridades a decidir com alta sensibilidade perante as questões sociais envolvidas, uma vez que, havendo aparente conflito entre direitos fundamentais, direito à propriedade e direito à moradia, era preciso decidir com cautela e responsabilidade, utilizando-se os meios legais de mediação e conciliação em benefício da vida e do trabalho daquela coletividade. Assim, o TJ cassou a ordem de despejo de 1º grau.

Agora, em 2020, quando decretos, leis e decisões judiciais de âmbito federal e estadual convergem no reconhecimento do estado de calamidade pública, por força de uma crise sanitária e humanitária que já ceifou 100 mil vidas brasileiras, essa mesma sensibilidade precisa ser reiterada e confirmada – abandonada, jamais. O agravamento da violência, ao colocar mais vidas em risco, não interessa à democracia e aos direitos humanos.

Por isso, a Comissão Arns:

  1. Recomenda às autoridades públicas, judiciais e executivas que suspendam qualquer ação, seja fruto da iniciativa privada ou pública, respaldada em decisão judicial ou administrativa, que tenha como finalidade desabrigar famílias e comunidades durante o período de pandemia, respeitando as medidas de isolamento, higiene e assistência social, essenciais para conter o avanço da Covid-19.
  2. Recomenda às autoridades públicas que levem em conta os avanços e as experiências acumuladas nesse tipo de conflito, em especial a Recomendação nº 10, de 17/10/2018, do Conselho Nacional dos Direitos Humanos, que dispõe sobre soluções garantidoras de direitos humanos e medidas preventivas em situações de conflitos fundiários coletivos, rurais e urbanos, colocando-as em prática nessa situação;
  3. Manifesta sua expectativa otimista frente aos tribunais superiores de Brasília, para que decidam, com a máxima urgência, sobre a definitiva suspensão do despejo, inclusive com base em instrumento já interposto pelo ex-presidente do Conselho Federal da OAB, Cezar Brito.
  4. Convida a imprensa a dedicar a devida atenção aos episódios em curso, pois eles dizem respeito à efetivação dos direitos humanos no enfrentamento das desigualdades e da concentração de renda, no campo e na cidade.

Comissão Arns


Veja outros textos

Veja mais

ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018