Livro desfaz mito e revela ação efetiva do Itamaraty para derrubar Allende

05/02/2021

Com documentos e entrevistas, jornalista mostra ações consistentes da diplomacia brasileira para dar fim a governo socialista no Chile

Salvador Allende (1908-1973) em foto sem data; ditadura brasileira atuou de modo consistente para derrubar presidente chileno, revela livro de Roberto Simon - AFP

SÃO PAULO

Terceiro presidente da ditadura militar brasileira, Emílio Garrastazu Médici foi recebido com pompa pelo governo dos EUA em dezembro de 1971.

Durante um evento de gala na Casa Branca, logo após a apresentação de Itzhak Perlman, jovem violinista que se consagraria anos depois, o mandatário americano Richard Nixon ergueu a taça de vinho branco e fez um brinde a Médici: “Devemos trabalhar juntos para um grandioso futuro ao seu povo, ao nosso povo e a todos os povos das Américas”. O brasileiro respondeu com um sorriso.

O jantar precedeu a confabulação, como revela o jornalista e analista internacional Roberto Simon no livro recém-lançado “O Brasil contra a Democracia - A Ditadura, o Golpe no Chile e a Guerra Fria na América do Sul”.

Na sua última manhã em Washington, Médici se reuniu no Salão Oval com Nixon e o general Vernon Walters, um grande conhecedor dos assuntos brasileiros, que atuou como intérprete.

Longe do lirismo de Perlman, percorreram temas áridos da política e da economia da América do Sul até chegar ao Chile, país que, sob o comando do socialista Salvador Allende, preocupava os dois presidentes. Nixon perguntou: “O senhor acha que as Forças Armadas são capazes de derrubá-lo?”.

A resposta do brasileiro aparece em um documento do governo americano ao qual Simon teve acesso. “O presidente Médici disse pensar que [os militares do Chile] eram capazes, completando que o Brasil intercambiava muitos oficiais com os chilenos e deixou claro que o Brasil estava trabalhando para esse fim [um golpe no Chile].”

documento
Documento reproduz conversa entre Nixon e Médici, no livro ´O Brasil contra a Democracia - A Ditadura, o Golpe no Chile e a Guerra Fria na América do Sul´ - Divulgação

Allende havia sido escolhido pela população chilena em um processo democrático ao longo de setembro e outubro de 1970, assumindo a cadeira antes ocupada por Eduardo Frei, da Democracia Cristã.

 

Em 11 de setembro de 1973, menos de dois anos depois da conversa de Médici e Nixon, a cúpula militar chilena, com o general Augusto Pinochet à frente, deu um golpe, arrancando Allende do poder. Nesse mesmo dia, no Palácio de La Moneda, o líder socialista colocou entre seus joelhos o fuzil AK-47 (presente do amigo Fidel Castro), apontou a arma para o seu queixo e se matou.

Evidentemente a queda de Allende foi resultado, acima de tudo, de um movimento das Forças Armadas do país andino, com apoio de outros setores da sociedade. Mas, como mostra Simon por meio de arquivos (obtidos no Brasil, no Chile e nos EUA) e de dezenas de entrevistas, as ações da diplomacia brasileira para dar fim ao governo socialista foram sempre consistentes —e, muitas vezes, explícitas— ao longo dos 1.001 dias em que Allende esteve no cargo.

“No léxico do regime militar, o país que sempre fora um aliado brasileiro se metamorfoseara na ‘cabeça de ponte do comunismo internacional na América do Sul’”, escreve o autor, ex-colunista da Folha e ex-repórter do jornal O Estado de S. Paulo.

“A ditadura acreditava que, depois de Cuba, havia surgido um novo polo da subversão armada nas Américas.”

A motivação para que o Brasil buscasse obsessivamente a saída de Allende era principalmente geopolítica. As razões econômicas não tinham papel central. O comércio entre os países aumentou naqueles anos e, diferentemente do que aconteceu com os EUA, nenhuma empresa brasileira foi nacionalizada pela Unidade Popular, coalizão que comandava o Chile.

Simon narra em minúcias como Câmara Canto, embaixador brasileiro em Santiago, promovia articulações com os oficiais chilenos —a começar pela Marinha— pela queda de Allende.

Numa operação conduzida por Canto, acompanhada de perto pelo então ministro das Relações Exteriores, Gibson Barbosa, o governo brasileiro convidou para uma visita ao país e uma série de conversas o militar reformado Alberto Labbé, que ensaiava insurreição contra Allende.

Labbé, como logo se constatou, não tinha força suficiente para ameaçar o governo socialista, mas nem por isso deixou de ser festejado pelas autoridades brasileiras em meados de 1972.

data-srcset=

No ano seguinte, quando já estava consumada a derrota de Allende, em meio aos disparos de metralhadora em direção ao La Moneda, Canto dizia a todos que o telefonavam: “Ganhamos”.

Com os socialistas fora do caminho, a adesão de Médici a Pinochet se tornou tão incondicional que o Itamaraty passou a fazer todas as manobras possíveis para dificultar a vida dos exilados brasileiros que corriam perigo em Santiago. O senador tucano José Serra e Marco Aurélio Garcia (1941-2017), assessor especial da Presidência no anos Lula, estavam entre as centenas de brasileiros que tiveram que buscar asilo em embaixadas de outros países.

“O Chile [dos anos Allende] representa o episódio mais nefasto da história da diplomacia brasileira nas últimas décadas. A diplomacia se confundiu totalmente com a repressão”, afirma o autor. “Em vez de oferecer proteção aos brasileiros, o consulado em Santiago era, na prática, um posto avançado de repressão.”

Ao expor esses modus operandi do Itamaraty diante das turbulências políticas no Chile, o jornalista desmonta um dos mitos que se perpetuaram desde então. Os próprios governos militares dos anos seguintes difundiram a versão de que, como Simon escreve, “‘excessos’ cometidos foram culpa de alguns radicais dentro do regime, pessoas que agiam isoladamente”.

O livro mostra que os atos de conspiração anti-Allende e, posteriormente, as iniciativas brasileiras pró-Pinochet obedeciam a uma cadeia de comando. Eram, afinal, política de Estado.

Outro mito ao qual o autor se contrapõe é o de que o país presidido por Médici atuava fortemente no Chile a serviço da potência de Nixon. “O Brasil agia por conta própria. Eram os interesses do governo do país e também da elite do empresariado e da imprensa, que eram profundamente contra o Allende”, ele diz.

“É claro que existia uma afinidade com os EUA, o encontro de Médici com Nixon em Washington demonstra isso. Mas o livro deixa claro que não houve uma operação conjunta dos dois países para derrubar Allende. Eles operaram cada um a seu modo, o Brasil não precisava seguir ordens dos EUA.”

Nem tão perto de Nixon, como se imaginava. E muito mais perto de Pinochet do que se acreditava.

O BRASIL CONTRA A DEMOCRACIA - A DITAD


Veja outros textos

Veja mais

Indigência mental e falência moral


COMISSÃO ARNS | NOTA PÚBLICA #30


Já pode chamar de regime militar?


Ministra Damares não calará a sociedade civil


DEMOCRACIA SITIADA


Os outros Daniéis Silveiras que ignoramos


Dois anos de maior acesso a armas reduziu violência como dizem bolsonaristas?


Raphael Martinelli


STF demora, e 3 acusados de assassinar Rubens Paiva morrem sem julgamento


Exonerado e perseguido por Bolsonaro, Ricardo Galvão ganha prêmio internacional de liberdade científica


NÚCLEO MEMÓRIA ingressa como “amicus curiae “ na ação popular contra a UNIÃO FEDERAL e o Ministro do Estado da Defesa Fernando Azevedo e Silva


MPF pede que STF rediscuta se Lei da Anistia é compatível com a Constituição, em ação sobre assassinato de deputado


A elite do atraso e suas mazelas


Especialistas em Direitos Humanos e Meio Ambiente dos EUA urgem Biden a se Posicionar em Prol da Justiça Social e Climática, do Estado de Direito, ao tratar de questões sobre o Brasil de Bolsonaro


Livro desfaz mito e revela ação efetiva do Itamaraty para derrubar Allende


Fachin: não aceitação do resultado eleitoral pode resultar em mortes e ditadura


Corte dos Direitos Humanos aceita como amicus curiae ação que denuncia Bolsonaro por descumprir sentença sobre Guerrilha do Araguaia


Denúncia à novos ataques ao Estado de Direito na Guatemala


Assassinatos de pessoas trans aumentaram 41% em 2020


BASTA!


A financeirização em números


Dois anos de desgoverno – três vezes destruição


Governo Bolsonaro é denunciado novamente à Corte Interamericana por insultar vítimas da ditadura


Um governo insano e genocida


Invasão do Capitólio – a face obscura da América


Pronunciamento público da Coalizão Internacional de Sítios de Consciência sobre os acontecimentos do dia 6 de janeiro em Washington


Tortura Nunca Mais Tortura é Crime


Democracia e desigualdade devem ocupar lugar central no debate político pós-pandemia


A força do autoritarismo


Anivaldo Padilha, integrante do Conselho de Administração do Núcleo Memória, recebe o Prêmio de Direito à Memória e à Verdade Alceri Maria Gomes da Silva.


Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018