Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais

16/10/2020

Modelo em prática no Brasil é carta branca para ações discriminatórias

Uma decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) pode mudar regras sobre abordagens policiais, que passam a ser consideradas arbitrárias caso não encontrem motivação em elementos objetivos e verificáveis aos olhos da Justiça.

A sentença contra o Estado argentino por duas diferentes detenções ilegais ocorridas em 1992 e 1998, em Buenos Aires, vale para todos os países sob a jurisdição do tribunal, incluindo o Brasil. O caso Fernández Prieto & Tumbeiro vs. Argentina, julgado no dia 1º de setembro, trata de abordagens policiais justificadas apenas por “atitude suspeita” (a “fundada suspeita” no Brasil).

Embora tenham sido encontradas drogas com ambos os acusados, suas detenções foram consideradas ilegais pela corte, o que se desdobra em nulidades processuais. O Estado argentino terá ainda de pagar a Carlos Alberto Fernández Prieto e a Carlos Alejandro Tumbeiro indenizações que equivalem a R$ 220 mil e R$ 168 mil, respectivamente.

Em junho, o IDDD (Instituto de Defesa do Direito de Defesa) foi admitido como amigo da corte no julgamento. Apresentamos informações sobre o contexto brasileiro e insistimos na necessidade de limites para o conceito de “fundada suspeita”, que hoje é carta branca para abordagens discriminatórias.

Somente em 2019, em São Paulo, foram mais de 15 milhões de abordagens, com menos de 1% delas resultando em prisões em flagrante. O procedimento tem como alvos preferenciais jovens negros e constitui prática de racismo institucional das polícias. Já a Justiça, que deveria exercer o controle constitucional das prisões após essas abordagens, tem feito o oposto e segue contribuindo para o problema.

A sentença da Corte IDH não deixa dúvida de que prisões sem ordens judiciais só podem acontecer mediante a existência de elementos objetivos, cumprindo os requisitos de finalidade legítima, idoneidade e proporcionalidade. O tribunal internacional dá uma lição às cortes brasileiras sobre como criar barreiras ao ciclo vicioso do racismo na Justiça criminal. Este se inicia nas ruas, assumindo a forma de “intuição”, “faro” ou “tirocínio” policiais, e termina em julgamentos que sacramentam tais detenções.

Para o Brasil, uma das principais consequências da condenação da Argentina é que a Corte IDH estabeleceu parâmetros para todos os países em sua jurisdição. Estes devem especificar as situações objetivas em que se justifica a busca pessoal e em veículos.

A decisão é uma vitória para o direito de defesa. Os tribunais brasileiros, valendo-se do precedente, precisam se posicionar com cada vez mais força, explicitando que as abordagens policiais, quando convertem-se em prática institucionalizada de discriminação, desrespeitam o princípio de igualdade perante a lei e não podem ser legitimadas pela Justiça. Ademais, extrapolando aspectos puramente legais, não se pode perder de vista o impacto perverso nas vidas de jovens negros, cotidianamente vigiadas, ameaçadas e violadas por um Estado policial.

 

 

Hugo Leonardo, Guilherme Carnelós e Marina Dias  
Presidente, diretor e diretora-executiva do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD)

Fonte: Folha de SP

<!-- [if gte mso 9]> <w:LsdException Locked=false Priority=52 Name=Gr

 

Veja outros textos

Veja mais

Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018