Indigência mental e falência moral

04/03/2021

Estupidez e imoralidade são contagiantes. O pensamento conservador brasileiro abdicou da inteligência e da ética. Substitui-as por dois simulacros: esperteza oportunista e culto da mentira.

 

Não é à toa que sua vitrine é o composto indigesto de uma salada lúgubre: um presidente miliciano que mente sem parar com sua família insana, militares de pijama ou de farda incompetentes, falaciosos ao extremo, além de viciados na “boquinha financeira” dos cargos governamentais, um aparato judiciário que atua sobre os escombros do Direito, parlamentares e outros políticos viciados em favores orçamentários, jornalistas e outros “influencers” que viralizam argumentos comprados no marketing das ideias fajutas, pastores e outros religiosos que se equiparam aos antigos vendilhões do templo, que Jesus expulsaria a chicotadas como consta na Bíblia que fez em Jerusalém, médicos e outros pseudo-agentes sanitários que alardeiam curas milagrosas, empresários e rentistas que se lixam para o país que os alimenta e enriquece, e por aí vai. E pior: vem.

Um dos objetivos dos golpes de estado deflagrados a partir de operações como a Lava-Jato, foi alijar as esquerdas do debate sobre políticas públicas nacionais. Este objetivo foi alcançado em parte. Não foi totalmente vitorioso graças à mídia alternativa. Esta, embora fragmentária, mantém um espaço aberto para a circulação de um ideário não ortodoxo de diferentes matizes. A mídia comercial, apesar de agora pretender ensaiar uma oposição ao ocupante do Palácio do Planalto e seu comportamento maníaco-obsessivo, mantém sua fidelidade ao ideário maníaco-depressivo do fundamentalismo econômico que governa seu desgoverno.

A vitória no afastamento das esquerdas teve um efeito paradoxal: o pensamento conservador triunfante ficou sem uma “referência oposta”, pois não consegue reconhecer pertinência num debate com ideias que não sejam as próprias.

O paradoxo está em que a vitória trouxe dois outros efeitos colaterais que se tornaram centrais nesta trajetória. O primeiro efeito colateral foi a substituição da disputa política por uma guerra de quadrilhas e quadrilheiros. Os próceres do pensamento conservador deixaram de apresentar projetos para o país. Em seu lugar passou-se a uma espécie de luta feroz pelo butim-Brasil, envolvendo desde milicianos paroquiais até cúpulas judiciais, militares, midiáticas e outras, passando por olavistas, pastores, beatos, carolas e anacrônicos militantes de uma fanada guerra-fria contra o comunismo.

O outro efeito colateral sobre o pensamento conservador foi a institucionalização da mentira deslavada como prática discursiva. Este segundo efeito traz um dano permanente: a mentira torna-se um Rubicão sem retorno, isto é, depois dele transposto, não há como voltar atrás. Deve-se mentir sempre mais e mais, pois institui-se entre o discursante e os discursados um pacto fantasioso que elide completamente qualquer senso de realidade.

Exemplos recentes: diz o ocupante do Palácio do Planalto que sobre a pandemia “não errou uma única vez”, ou algo parecido. Bom, eis uma mentira que é verdade: de fato, ele não errou uma única vez, ele errou todas as vezes que abriu a boca a respeito. Já a sua claque de basbaques aceita esta mentira como a mais absoluta e sagrada verdade verdadeira.

Há outras mentiras que vão se infiltrando por todos os lados e poros. Tornou-se comum e de bom tom, entre comentaristas que se acham conceituados, comparar o atual ocupante do Palácio do Planalto com Lula e Dilma, na base da crença de que no fim de contas os extremos se encontram porque são faces de uma mesma moeda, numa fantasia política. O equilíbrio estaria em outra fantasia, o “centro político”. Fantasia? Sim, fantasia, porque o que existe mesmo não é o centro, mas o “Centrão”.

Outra destas mentiras, que invade os discursos até mesmo de comentaristas que não se julgam conservadores: compara-se o atual ocupante do Palácio do Planalto com Hugo Chavez e Nicolás Maduro. Qual é o pano de fundo desta atitude mentirosa: é a descrença que exista algo chamado de “imperialismo norte-americano”, uma fantasia de grande calado. O desministro da deseconomia alardeia que ou se segue o mantra de seus desmandos ou o Brasil afunda. A verdade, que nem ele nem seus cúmplices podem aceitar é que o Brasil já afundou, graças a suas politiquices econômicas, e se esvai em pandemia, sangue e desemprego.

O ocupante do Itamaraty alardeia que sente orgulho em que o seu país esteja se tornando um pária internacional, como se isto fosse uma condecoração. Vai a Israel em busca de um spray milagroso que substitua a falida cloroquina. Ele e a ministra dos direitos desumanos comparecem a uma reunião da ONU para falarem sobre um país de fantasia que não existe a não ser talvez num planeta plano. Comparar esta turma com Pinóquio é um insulto ao boneco de pau.

Comentaristas que ajudaram a criar esta situação escabrosa hoje posam de democratas, tentando tapar suas vergonhas com uma peneira, pois sabem muito bem o que fizeram no verão passado.

Todos os próceres deste pensamento conservador não se limitam a falar de um Brasil que não existe. Falam de um mundo que não existe. Colocam-se como arautos de uma modernidade triunfante que só existe na sua falta de imaginação contumaz e costumeira. O mundo inteiro está encharcado de pandemia e fracassos retumbantes do rentismo desenfreado que multiplicou a fortuna dos bilionários de sempre e de alguns novos, ao lado da multiplicação da miséria mais miserável da história humana, porque vivida numa época em que já temos recursos plenos para elimina-la ou pelo menos mitiga-la em grande parte. Este rosário de lágrimas de crocodilo não tem fim. Por isto paro por aqui. Ainda um último lembrete: tenho dito, para escândalo de alguns correligionários, que faz falta no Brasil um pensamento conservador coerente e consistente. Sua existência afiaria a força de debate das esquerdas.

Mas duvido que isto venha a acontecer, pelo menos no curto e médio prazo. O pensamento conservador afundou no pântano que inventou para si mesmo. As esquerdas terão de se virar por si mesmas para sair desta areia movediça.

Como de costume, as nossas “élites” (assim, escrito em francês pedante), continuam se mostrando capazes apenas de se oferecer aos grandes centros do capitalismo internacional como meras administradoras locais do seu poderio, dispostas a entregar os dedos para manter o privilégio dos seus anéis, às custas de seu país, que tratam como se ainda fosse uma capitania hereditária, e seu povo, por quem nutrem profundo e irremediável desprezo.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo),
Artigo reproduzido do site “A Terra é redonda



Veja outros textos

Veja mais

Camilo Vannuchi - O dia em que a Lei de Segurança Nacional foi condenada


Morre aos 89 anos Dr. Mario Sergio Duarte Garcia


Dois anos de desgoverno – como chegamos até aqui


Ato virtual Movimento Vozes do Silêncio | Denúncia do golpe civil militar de 1964


EUA sabiam da tortura na ditadura brasileira e poderiam intervir se quisessem


SR - Direitos humanos em foco


Os crimes cometidos pela Volkswagen na ditadura, segundo relatório do Ministério Público


Memória, impunidade e negacionismo: um país em busca de si próprio


31 de março/1º de abril de 1964


Live “Conhecendo Lugares de Memória: o Memorial da Luta Pela Justiça”


Reinterpreta Já STF


MPF recorre de acórdão do TRF3 que negou indenização à viúva de preso pela ditadura


O escândalo político acabou?


Nota sobre a decisão da Justiça em permitir a comemoração do golpe pelo Governo Federal


Justiça autoriza exército a comemorar o golpe militar de 64


Volks publica comunicado reconhecendo participação em prisões e torturas durante a ditadura


O povo não pode pagar com a própria vida!


A anulação das decisões de Moro e a sua suspeição no caso Lula: Savonarola vai a Roma.


A CIDH publica seu relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil e destaca os impactos dos processos históricos de discriminação e desigualdade estrutural no país


A consciência feminista


Intelectuais escrevem “carta aberta à humanidade” contra Bolsonaro


Democracia e estado de direito vivem `retrocessos` no Brasil, alerta CID


Indigência mental e falência moral


COMISSÃO ARNS | NOTA PÚBLICA #30


Já pode chamar de regime militar?


Ministra Damares não calará a sociedade civil


DEMOCRACIA SITIADA


Os outros Daniéis Silveiras que ignoramos


Dois anos de maior acesso a armas reduziu violência como dizem bolsonaristas?


Raphael Martinelli


STF demora, e 3 acusados de assassinar Rubens Paiva morrem sem julgamento


Exonerado e perseguido por Bolsonaro, Ricardo Galvão ganha prêmio internacional de liberdade científica


NÚCLEO MEMÓRIA ingressa como “amicus curiae “ na ação popular contra a UNIÃO FEDERAL e o Ministro do Estado da Defesa Fernando Azevedo e Silva


MPF pede que STF rediscuta se Lei da Anistia é compatível com a Constituição, em ação sobre assassinato de deputado


A elite do atraso e suas mazelas


Especialistas em Direitos Humanos e Meio Ambiente dos EUA urgem Biden a se Posicionar em Prol da Justiça Social e Climática, do Estado de Direito, ao tratar de questões sobre o Brasil de Bolsonaro


Livro desfaz mito e revela ação efetiva do Itamaraty para derrubar Allende


Fachin: não aceitação do resultado eleitoral pode resultar em mortes e ditadura


Corte dos Direitos Humanos aceita como amicus curiae ação que denuncia Bolsonaro por descumprir sentença sobre Guerrilha do Araguaia


Denúncia à novos ataques ao Estado de Direito na Guatemala


Assassinatos de pessoas trans aumentaram 41% em 2020


BASTA!


A financeirização em números


Dois anos de desgoverno – três vezes destruição


Governo Bolsonaro é denunciado novamente à Corte Interamericana por insultar vítimas da ditadura


Um governo insano e genocida


Invasão do Capitólio – a face obscura da América


Pronunciamento público da Coalizão Internacional de Sítios de Consciência sobre os acontecimentos do dia 6 de janeiro em Washington


Tortura Nunca Mais Tortura é Crime


Democracia e desigualdade devem ocupar lugar central no debate político pós-pandemia


A força do autoritarismo


Anivaldo Padilha, integrante do Conselho de Administração do Núcleo Memória, recebe o Prêmio de Direito à Memória e à Verdade Alceri Maria Gomes da Silva.


Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018