HÁ 50 ANOS ENTRAVAM PARA A ETERNIDADE CARLOS LAMARCA E ZEQUINHA BARRETO, HERÓIS BRASILEIROS.

17/09/2021

Carlos Lamarca e Zequinha Barreto sofreram bastante nos últimos dias de suas vidas antes de 17 de setembro de 1971-data do martírio de ambos. A estátua localizada no distrito de Ibipetum, comunidade de Pintada, município de Ipupiara, no sertão baiano retrata bem o sacrifício desses seres humanos perseguidos arduamente pelas forças repressivas da ditadura por um único "crime":lutar pelo bem de todos. Zequinha carregava Lamarca nas costas. O que se passava na mente desses heróis do povo brasileiro nesses últimos dias de tanto sofrimento numa fuga por quilômetros sob um sol ardente? Só Deus sabe.

O dia 17 de setembro marca a passagem das mortes de dois brasileiros revolucionários, que lutaram até a morte por seus ideais socialistas e contra a ditadura civil- militar que assolou o Brasil por mais de 20 anos, entre 1964 e 1985.
No ano de 1971, um grupo do Exército, comandado pelo então major Nilton Cerqueira, e o delegado do Esquadrão da Morte paulista, Sérgio Paranhos Fleury, comandaram a chamada “Operação Pajuçara”, altamente secreta, que tinha por objetivo eliminar o capitão Carlos Lamarca e os últimos remanescentes de seu grupo guerrilheiro, do qual faziam parte Luiz Antônio Santa Bárbara, José Campos Barreto, Iara Iavelberg, entre outros. Na pequena cidade de Brotas de Macaúbas, juntaram-se ao grupo os irmãos de Zequinha, Otoniel e Olderico Campos Barreto.
A bela estátua em homenagem a Zequinha, carregando o capitão Lamarca em seus últimos dias.
Iara Iavelberg já havia sido morta em um cerco na cidade de Salvador, em 20 de agosto, quando uma semana depois, no dia 28, o cerco foi feito à casa dos Barreto, em Buriti Cristalino, vilarejo de Brotas de Macaúbas. Depois de breves tiroteios, estavam mortos Luiz Santa Bárbara e Otoniel Barreto, esse morto covardemente com um tiro nas costas.
O cerco a Lamarca e Zequinha foi mais complicado. Eles ouviram os tiros, a cerca de um quilometro e meio de distância, e se evadiram pelo sertão, com o Exército e Fleury nos seus encalços. A saga dos dois seguiu por quase 20 dias, e ambos ficavam cada vez mais enfraquecidos, castigados pelas condições do Sertão, sem alimentação ou água limpa para beber. O capitão Lamarca ficou tão desidratado, que teve de ser carregado às costas por Zequinha Barreto em algumas ocasiões.
Em reportagem a certa revista, de 25/04/1979, citada por Orlando Miranda em seu belo livro “Obscuros Heróis de Capricórnio” (Global Editora, 1987), durante a fuga, “Lamarca e Zequinha percorreram perto de trezentos quilômetros em suas últimas semanas de vida (…) vagaram desorientados em sua fuga. Foram vistos assim no Engenho Pau D’Arco, a doze quilômetros de Buriti, onde Lamarca disse a um grupo de trabalhadores: ‘Meu nome é Lamarca. Meu inimigo é o governo. Estou precisando de ajuda’. Os camponeses o ajudaram e, depois, passaram a informação à polícia. Seis quilômetros adiante, em Três Reses, descansaram numa propriedade dos avós de Zequinha. Vários dias depois, pediram e não obtiveram ajuda de um médico de Ibotirama, a cem quilômetros de distância. Foram vistos ainda, perto de Brejinhos: mais tarde, em Canabrava e, três dias antes de sua morte, estiveram em Carnaúba, situada a vinte e cinco quilômetros do local de onde partiram. A essa altura, atacado pela asma e debilitado pelo esforço, Lamarca era carregado às costas por Zequinha (…). Por fim, os dois seriam localizados em Pintada, perto de Carnaúba.
No dia 17 de setembro de 1971, as equipes ‘Charles’ e ‘Cão’, do grupo do major Nilton Cerqueira conseguem encontrar e encurralar o capitão Carlos Lamarca e José Campos Barreto, o Zequinha, na localidade de Pintada.
O capitão, deitado sob a sombra de um pé de baraúna, árvore típica do sertão, usava uma pedra como travesseiro. Zequinha montava guarda, mas nada pôde fazer. O cerco contava com dezenas de praças do Exército, armados com pistolas, fuzis e metralhadoras. Ambos receberam várias rajadas de tiros, e morreram no local.
Em 1973, afrontando a ditadura, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), realizou a leitura de um relatório – anônimo à época por questões de segurança – enfatizando o desrespeito do governo militar à Declaração Universal dos Direitos Humanos, e cita as torturas e assassinatos praticados pela ditadura. Entre os casos de “combatentes sumariamente executados”, o documento cita os nomes de Carlos Lamarca e José Campos Barreto.
Zequinha Barreto faria 25 anos em 21 de outubro de 1971 (nasceu em 1946), sendo morto dias antes, ainda aos 24 anos completos, muito jovem para destino tão cruel, com toda uma vida de luta e resistência pela frente.
O capitão Lamarca, também muito jovem, faria aniversário no dia 23 de outubro (nascido em 1937), tendo 33 anos quando tombou pelas mãos do próprio Exército que serviu heroicamente, mas que abandonou ao ver as atrocidades praticadas contra os brasileiros, desde o Golpe de 1964.
As circunstâncias do cerco e morte de Carlos Lamarca e Zequinha Barreto permanecem obscuras. Em 1996, numa reportagem de um jornal, (08/07/1996), Emiliano José, autor do livro “Lamarca, o Capitão da Guerrilha”, disse ter certeza de que Lamarca e Zequinha foram vítimas de execução sumária. “O que dissemos no livro é que Lamarca era um homem marcado para morrer. A nossa base era o sentimento de ódio que a linha dura do regime militar cultivava em relação ao Lamarca”.
A reportagem fala com mais detalhes sobre as suspeitas de Emiliano José: “Segundo ele, os sete tiros descritos no laudo, sendo três pelas costas, comprovam que o grupo do major Nilton Cerqueira tinha a clara intenção de liquidar Lamarca e seu companheiro José Campos Barreto, o Zequinha. Na opinião do autor, a morte de Lamarca era a única forma, na visão dos militares da linha dura, de vingar a deserção do capitão em 1969 e o seu ingresso na luta armada”. E Emiliano conclui: “As mortes de Lamarca e Zequinha foram um duplo assassinato frio e deliberado. As fotos da autópsia de Lamarca confirmam o que já sabíamos pelos depoimentos das testemunhas”.
Os corpos de Zequinha e Lamarca, do local onde foram sumariamente executados, foram transferidos para Oliveira dos Brejinhos, e expostos como ‘troféus’ lembrando em muito a cena da morte do lendário comandante Ernesto Che Guevara, nas florestas da Bolívia, em 1967. A foto dos corpos, usada como propaganda da ditadura para aterrorizar seus opositores, tornou-se um símbolo da resistência de dois homens contra um Exército de ‘capitães do mato’, e da covardia de seus algozes, num efeito contrário ao desejado.
Em 17 de setembro de 2013, o bispo da Diocese de Barra, na Bahia, Dom Luiz Flávio Cappio, inaugurou o ‘Memorial dos Mártires’, idealizado por ele, em memória de Zequinha Barreto, Carlos Lamarca e seus companheiros que lutaram contra a ditadura e deram suas vidas por seus ideais. No local foi também colocada uma estátua que lembra os últimos momentos de Zequinha, carregando o capitão às costas, em sua fuga épica pelo sertão.
O monumento é cercado por uma praça, anfiteatro, cantina, playground e uma fonte luminosa, e está localizado no distrito de Ibipetum, comunidade de Pintada, município de Ipupiara, no sertão baiano, no local onde foram mortos em 17 de setembro de 1971.
Na época da inauguração, D. Cappio tinha planos de levar para o Memorial os restos mortais de todos os que lutaram ali e na região, em razão da resistência à ditadura, Lamarca, Zequinha e Otoniel Campos Barreto, e Luiz Antônio Santa Bárbara, além de outros líderes rurais de dos trabalhadores, mortos em conflitos fundiários na região.
José Campos Barreto nasceu em 21 de outubro de 1946, em Brotas de Macaúbas (BA), filho mais velho de uma família de 7 irmãos. Após completar 12 anos, por volta de 1959 foi enviado pelos pais a um Seminário em Garanhuns, Pernambuco, pois era desejo de seus pais que se tornasse padre. Após dois anos, foi transferido para Campina Grande, na Paraíba, e anualmente visitava os pais e irmãos nas férias. Após cerca de 5 anos no Seminário, decidiu abandonar a vida religiosa, e passou a trabalhar com mineração de cristais na região de Buriti Cristalino, junto a seu segundo irmão, Olderico.
Em 1964, já perto dos 18 anos, Zequinha decidiu mudar-se para São Paulo, fixando-se em Osasco, na casa de um tio. Naquele ano, alistou-se no Exército para o serviço militar obrigatório, e serviu no Quartel de Quitaúna, mesmo local onde o Capitão Carlos Lamarca era sediado. Chegou à patente de cabo, mas mesmo desejando a carreira militar, foi dispensado do Exército após o serviço obrigatório.
Em Osasco, Zequinha Barreto passou a militar nos movimentos operário e estudantil, entre 1965 e 1968, chegando a presidir o CEO – Círculo Estudantil Osasquense, e a participar ativamente da vida sindical. Trabalhou em várias indústrias de Osasco, entre as quais Lonaflex, Brown-Boveri, e finalmente na Braseixos.
Nas comemorações do 1º de Maio de 1968, Zequinha liderou um grupo de operários que foi à Praça da Sé e expulsou os sindicalistas pelegos e o governador biônico (nomeado pela ditadura) Abreu Sodré do palanque montado. Zequinha discursou, defendendo a luta armada contra o regime.
Em 16 de julho de 1968 Zequinha Barreto foi um dos líderes da grande Greve de Osasco, que culminou com a sua prisão e de dezenas de trabalhadores, além da intervenção no Sindicato dos Metalúrgicos, com presença na cidade do próprio Ministro do Trabalho, Jarbas Passarinho. Zequinha resistiu na fábrica da Cobrasma, ameaçando colocar fogo num tonel de gasolina, retardando a entrada do Exército no local, e colaborando para a fuga de centenas de companheiros. Mas foi preso e permaneceu por quase 100 dias na prisão, entre DOPS e até no Carandiru, sofrendo torturas e maus tratos. A ditadura já o considerava um ‘terrorista’, mas sem provas, Zequinha foi solto no dia 25 de outubro de 1968. Pouco depois sua prisão foi novamente decretada, mas ele já havia entrado para a clandestinidade.
Já na resistência à ditadura, Zequinha integrou a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), na região metropolitana de São Paulo. Posteriormente, teria integrado a VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária) no Rio de Janeiro, e o MR-8, sua última organização, já ao lado do lendário capitão Carlos Lamarca. Fugiu com Lamarca e um grupo guerrilheiro para o sertão da Bahia, na sua terra natal, onde foi morto pela repressão em 17 de setembro de 1971, aos 24 anos de idade. Foi enterrado no Cemitério do Campo Santo, em Salvador, no dia 23 de setembro, mas seus restos mortais foram retirados do local, e o corpo de Zequinha dado como desaparecido desde então.
Lamarca
Quem foi Carlos Lamarca
Carlos Lamarca nasceu em 23 de outubro de 1937 na cidade do Rio de Janeiro. Filho de família humilde, com 7 irmãos, viveu uma vida simples no Morro de São Carlos, bairro do Estácio, no subúrbio do Rio de Janeiro. Em 1955 ingressa na Escola Preparatória de Cadetes, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, transferindo-se em 1957 para Academia Militar de Agulhas Negras, em Resende-RJ.
Em 1960 Lamarca forma-se Aspirante a Oficial na AMAN, estabelecendo-se no 4º Regimento de Infantaria de Quitaúna, em Osasco, onde se destaca como um dos melhores atiradores do país.
Em 1962 foi convocado para as Forças de Paz na ONU, servindo no Canal do Suez, onde havia um conflito entre Israel, Palestina, Egito e outros países árabes. Volta ao Brasil em 1963, passando a servir em Porto Alegre (RS), vendo dali o golpe de 1964.
Em 1965 Lamarca volta ao forte de Quitaúna, em Osasco, onde permanece até iniciar uma vida dupla, integrando secretamente as fileiras de revolucionários contra a ditadura. Em 1967 chega à patente de capitão, e passa a planejar a deserção, juntamente com seu colega de farda, o sargento Darcy Rodrigues, que recrutava na tropa adeptos da resistência à ditadura. Em setembro de 1968 encontra-se com Carlos Marighela, da ALN (Aliança Libertadora Nacional).
No planejamento da fuga, Lamarca e seus companheiros, já integrando a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) planejaram pintar um caminhão com as cores do Exército e roubar o maior número possível de armas, explosivos e munições do forte de Quitaúna, para serem usados na guerrilha. Mas, no dia 23 de janeiro de 1969 a farsa foi descoberta, quando o caminhão foi apreendido em Itapecerica da Serra, e três ou quatro integrantes do grupo de Lamarca foram presos e torturados. O que mais sofreu e apanhou foi Pedro Lobo de Oliveira, ex-sargento da Força Pública. Na iminência de serem descobertos, Lamarca, Darcy, além do cabo José Mariani e o soldado Roberto Zanirato pintaram rapidamente uma VW Kombi com as cores do Exército e já no dia seguinte, 24 de janeiro, levaram do regimento de Infantaria de Osasco 63 fuzis FAL, três metralhadoras e munições.
Dali Lamarca entrou para a guerrilha como dirigente da VPR, atuou no Vale do Ribeira, passa a assaltar bancos para financiar a resistência à ditadura, participa da captura de autoridades para a troca por prisioneiros políticos, como o sequestro do embaixador suíço, Giovanni Bucher, em 7 de dezembro de 1970.
Em março de 1971, já na companhia de Zequinha Barreto, Lamarca passa a integrar o MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro), permanecendo algum tempo no Rio de Janeiro e Salvador, tendo também a companhia de Iara Iavelberg. A família de Lamarca – mulher e filhos – já haviam sido levados para Cuba quando ele desertou do Exército.
O capitão Lamarca, juntamente com Zequinha e alguns companheiros tentaram iniciar um projeto de guerrilha rural no sertão baiano, quando acabaram mortos em 17 de setembro de 1971, nas proximidades de Brotas de Macaúbas, terra natal de Zequinha.

Veja outros textos

Veja mais

Parlamento do Mercosul condena Bolsonaro por apoio às ditaduras na região


Rua em São Paulo troca nome de torturador por nome de torturado


O pior negacionismo


Pesquisa revela como a necropolítica e a pandemia afetam as favelas do Rio


Anistia Internacional Brasil aponta perda de direitos ao longo dos 1000 dias do governo Bolsonaro - Anistia Internacional


Paulo Freire - o combate ao analfabetismo social


Brasil se cala em reunião na ONU sobre justiça para vítimas da ditadura


Justiça condena União, Funai e MG por violações a indígenas na ditadura


HÁ 50 ANOS ENTRAVAM PARA A ETERNIDADE CARLOS LAMARCA E ZEQUINHA BARRETO, HERÓIS BRASILEIROS.


NÚCLEO MEMORIA É ACEITO COMO “Litisconsorte ativo” na Ação Civil Pública do DOI-Codi em São Paulo


O que fazer com o maior centro de tortura da ditadura?


Sábado Resistente: Direitos Humanos em Foco “A questão migratória e o fenômeno da xenofobia”


Pela criação de um Memorial no antigo DOI-CODI São Paulo


O viagra do Bozo


Jamil Chade - Lei de Anistia perpetua `cultura da impunidade` e será questionada na ONU


A destruição como estratégia


Contra deboche bolsonarista, juiz vai fazer audiência no DOI-Codi


A institucionalização do deboche


Entrego minha vida à minha classe, para que continuem a minha história


MPF oferece nova denúncia contra Major Curió, comandante de repressão à Guerrilha do Araguaia no PA durante a ditadura


A liberação do passado


Os índios não têm alma?


Circulação de armas aumenta e homicídios no Brasil voltam a crescer


Em defesa da democracia, Comissão Arns se posiciona sobre nota das Forças Armadas e reitera seu apoio à CPI da Covid, em curso no Senado


Camilo Vannuchi: A mentira está no DNA das Forças Armadas no Brasil


A Coalisão Internacional de Sítios de Consciência e a Rede Latino-Americana e Caribenha de Lugares de Memória exigem a proteção de civis no Haiti e o respeito ao Estado de Direito


Qual será o futuro do trabalho?


ONU tenta frear onda ultraconservadora liderada por Brasil


Pela reinterpretação da Lei de Anistia!


Mesa Redonda sobre comunidades indígenas e justiça transicional organizada pela Iniciativa Global para Justiça, Verdade e Reconciliação. (GITJR)


MPF obtém sentença histórica contra ex-agente da repressão por crime político na ditadura


Promotor Eduardo Valério vai à Justiça para transformar local de tortura de herói de Bolsonaro em Museu da Democracia


Barbárie, golpe e guerra civil


Carta aberta aos governadores


Da tortura à loucura: ditadura internou 24 presos políticos em manicômios


Na era bolsonarista, expor horrores da ditadura é tarefa cívica


RJ: Justiça destina à reforma agrária usina onde corpos foram incinerados na ditadura


MPF pede responsabilização civil de ex-agentes militares que atuaram na “Casa da Morte”


Brasil: Investigue Comando da Polícia do Rio por operação no Jacarezinho


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco - “Vitória da Classe Trabalhadora: A longa luta operária na VW Brasil”


Um retrato perturbador


Pela graça de Deus


Renunciar à Convenção 169 da OIT é condenar indígenas ao extermínio


O vírus mais contagiante


No limite


O que torna o filme Marighella tão atual e urgente no Brasil de 2021?


A fúria transborda na Colômbia


Audiência Pública – Memorial da Luta pela Justiça


Live Conhecendo Lugares de Memória: Navio Raul Soares


Atentado do Riocentro golpeou autoridade de Figueiredo e completa 40 anos sem culpados


MPF ajuíza ação regressiva contra ex-delegado que matou militante político durante a ditadura militar


Pilha foi espancado e torturado na prisão


Homenagem a Alípio Freire


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco: Memória, Verdade e Justiça


Morre Alípio Raimundo Vianna Freire


Liberar as patentes para evitar uma catástrofe


Camilo Vannuchi - O dia em que a Lei de Segurança Nacional foi condenada


Morre aos 89 anos Dr. Mario Sergio Duarte Garcia


Dois anos de desgoverno – como chegamos até aqui


Ato virtual Movimento Vozes do Silêncio | Denúncia do golpe civil militar de 1964


EUA sabiam da tortura na ditadura brasileira e poderiam intervir se quisessem


SR - Direitos humanos em foco


Os crimes cometidos pela Volkswagen na ditadura, segundo relatório do Ministério Público


Memória, impunidade e negacionismo: um país em busca de si próprio


31 de março/1º de abril de 1964


Live “Conhecendo Lugares de Memória: o Memorial da Luta Pela Justiça”


Reinterpreta Já STF


MPF recorre de acórdão do TRF3 que negou indenização à viúva de preso pela ditadura


O escândalo político acabou?


Nota sobre a decisão da Justiça em permitir a comemoração do golpe pelo Governo Federal


Justiça autoriza exército a comemorar o golpe militar de 64


Volks publica comunicado reconhecendo participação em prisões e torturas durante a ditadura


O povo não pode pagar com a própria vida!


A anulação das decisões de Moro e a sua suspeição no caso Lula: Savonarola vai a Roma.


A CIDH publica seu relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil e destaca os impactos dos processos históricos de discriminação e desigualdade estrutural no país


A consciência feminista


Intelectuais escrevem “carta aberta à humanidade” contra Bolsonaro


Democracia e estado de direito vivem `retrocessos` no Brasil, alerta CID


Indigência mental e falência moral


COMISSÃO ARNS | NOTA PÚBLICA #30


Já pode chamar de regime militar?


Ministra Damares não calará a sociedade civil


DEMOCRACIA SITIADA


Os outros Daniéis Silveiras que ignoramos


Dois anos de maior acesso a armas reduziu violência como dizem bolsonaristas?


Raphael Martinelli


STF demora, e 3 acusados de assassinar Rubens Paiva morrem sem julgamento


Exonerado e perseguido por Bolsonaro, Ricardo Galvão ganha prêmio internacional de liberdade científica


NÚCLEO MEMÓRIA ingressa como “amicus curiae “ na ação popular contra a UNIÃO FEDERAL e o Ministro do Estado da Defesa Fernando Azevedo e Silva


MPF pede que STF rediscuta se Lei da Anistia é compatível com a Constituição, em ação sobre assassinato de deputado


A elite do atraso e suas mazelas


Especialistas em Direitos Humanos e Meio Ambiente dos EUA urgem Biden a se Posicionar em Prol da Justiça Social e Climática, do Estado de Direito, ao tratar de questões sobre o Brasil de Bolsonaro


Livro desfaz mito e revela ação efetiva do Itamaraty para derrubar Allende


Fachin: não aceitação do resultado eleitoral pode resultar em mortes e ditadura


Corte dos Direitos Humanos aceita como amicus curiae ação que denuncia Bolsonaro por descumprir sentença sobre Guerrilha do Araguaia


Denúncia à novos ataques ao Estado de Direito na Guatemala


Assassinatos de pessoas trans aumentaram 41% em 2020


BASTA!


A financeirização em números


Dois anos de desgoverno – três vezes destruição


Governo Bolsonaro é denunciado novamente à Corte Interamericana por insultar vítimas da ditadura


Um governo insano e genocida


Invasão do Capitólio – a face obscura da América


Pronunciamento público da Coalizão Internacional de Sítios de Consciência sobre os acontecimentos do dia 6 de janeiro em Washington


Tortura Nunca Mais Tortura é Crime


Democracia e desigualdade devem ocupar lugar central no debate político pós-pandemia


A força do autoritarismo


Anivaldo Padilha, integrante do Conselho de Administração do Núcleo Memória, recebe o Prêmio de Direito à Memória e à Verdade Alceri Maria Gomes da Silva.


Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018
icone do whatsapp, quando clicar ira iniciar o atendimento por whatsapp