Crime da ditadura brasileira é investigado na Argentina

13/12/2021

Investigação recentemente aberta no país vizinho sobre sequestro e desaparecimento de brasileiro durante a ditadura pode incriminar militares

O sequestro e desaparecimento de Edmur Péricles Camargo está entre os crimes cometidos pela Operação Condor (Foto: CNV)

 

Uma investigação recentemente aberta na Justiça argentina para esclarecer o sequestro e desaparecimento do brasileiro Edmur Péricles Camargo, em junho de 1971, recoloca na pauta judicial abusos e violações que o governo militarizado do presidente Jair Bolsonaro nega: a execução planejada de militantes de esquerda banidos e aprisionados através da infiltração de agentes nas organizações de esquerda durante a ditadura brasileira. O processo argentino joga luzes também sobre a forte atuação do maior de todos os espiões infiltrados, o brasileiro naturalizado uruguaio Alberto Octávio Conrado Avegno, cuja atuação no Uruguai, Argentina, Chile, Cuba e Argélia ajudou a destroçar os grupos da esquerda armada que resistiram à ditadura e está ligada à morte de mais de 70 exilados desaparecidos, entre eles Camargo. 

Edmur Péricles Camargo, na época asilado no Chile, seguia para Montevidéu quando foi retirado clandestinamente de um avião da Lan-Chile que fez escala no Aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires, no dia 16 de junho de 1971. Levado para uma base da Força Aérea Argentina a 30 quilômetros, o Aeroparque, foi embarcado num avião da Força Aérea Brasileira (FAB) rumo ao Brasil no dia seguinte. Os últimos registros de Camargo em vida são o pouso do avião da FAB no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, na manhã de 17 de junho de 1971, e o testemunho de presos políticos que o viram ingressar no quartel do Exército da rua Barão de Mesquita, no Rio de Janeiro, famoso centro de tortura e execuções.

O presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos (MJDH), sediado em Porto Alegre, Jair Krischke, desarquivou os documentos secretos sobre a operação ilegal e, numa denúncia assinada também pelo ativista Adolfo Pérez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz, busca a responsabilização criminal dos militares brasileiros e argentinos na Justiça Federal de Lomas de Zamora, na região metropolitana de Buenos Aires. Lá, ao contrário da jurisprudência firmada pela Justiça brasileira, desaparecimento forçado é crime de lesa-humanidade e imprescritível, portanto punível com prisão. Os dois prestaram depoimento por videoconferência na semana passada, abrindo o processo e pedindo que a Justiça determine investigação para identificar os agentes argentinos. Os brasileiros citados na denúncia são o general da reserva Sebastião José Ramos de Castro, que foi chefe do SNI, coronel aviador Miguel Cunha Lana, e o diplomata Paulo Sérgio Nero, já falecido. É o único caso em andamento em que agentes livres da lei graças à complacência do Estado brasileiro com os crimes da ditadura podem acabar sendo punidos no exterior junto com agentes estrangeiros que colaboraram com a operação ilegal.

“Sinto inveja da Argentina porque ela fez uma transição correta da ditadura para a democracia, permitindo que centenas de agentes que torturaram, mataram e sumiram com oponentes sejam punidos. Lá o Videla [general Jorge Rafael Videla, ditador argentino] morreu na cadeia! Aqui não teve justiça de transição. O que houve foi uma transação, disse à Agência Pública o criador do Movimento Justiça e Direitos Humanos (MJDH), a mais antiga entidade de proteção a perseguidos políticos pós-golpe de 1964, sediado no Rio Grande do Sul. Ele diz que os militares se sentem tão à vontade que nunca se deram ao trabalho sequer de abrir os arquivos, que poderiam indicar onde foram parar os desaparecidos políticos.

Segundo o ativista, sob o governo do presidente Jair Bolsonaro, o que já era ruim ficou pior: os serviços de identificação das vítimas da ditadura e emissão de certidões de óbito apontando a violência do Estado como causa mortis foram paralisados. As comissões de Anistia e de Mortos e Desaparecidos Políticos, desvinculadas do Ministério da Justiça e transferidas para o Ministério da Mulher e dos Direitos Humanos, comandada por Damares Alves, têm negado todos os pedidos de reparação e, ainda, anulado outros que estavam em andamento. Para Krischke, uma clara tentativa de tentar recontar a história dos anos de chumbo aliviando os crimes da ditadura.

“O Bolsonaro diz que a ditadura foi uma maravilha e que o Ustra [coronel Carlos Brilhante Ustra, apontado como um dos maiores torturadores] foi um santo. É uma mentira que nós, que temos responsabilidade com a verdade, não podemos aceitar. O direito a reparação está consagrado nas disposições transitórias da Constituição”, lembra, lamentando que nenhum governante civil do período democrático tenha tido a coragem de enfrentar os militares, como fez na Argentina o ex-presidente Raúl Alfonsín. Otimista, Krischke acha, no entanto, que a forte presença militar no governo Bolsonaro e, agora, a romaria de generais que ingressando na política em torno do ex-juiz Sergio Moro abrem um flanco para discutir as pendências da ditadura na campanha do ano que vem. “Eles [os militares] deixaram a bunda de fora”, alfineta. 

Krischke ressalta que até perícias que estavam em andamento para tentar identificar ossadas retiradas de uma vala clandestina do Cemitério de Perus, em São Paulo, e da região onde ocorreu a Guerrilha do Araguaia foram paralisadas. “É uma vergonha. Não se faz mais nada”, acusa o ativista, que considera o esclarecimento dos crimes da ditadura um imperativo humanitário. 

Aos 83 anos, 50 deles dedicados à proteção de perseguidos políticos e à busca de documentos das ditaduras do Cone-Sul, Kirschke é testemunha ocular e detentor de um dos maiores arquivos da América do Sul sobre os horrores dos anos de chumbo. As centenas de pastas com documentos variados ocupam prateleiras nas quatro paredes de uma sala com aproximadamente 16 metros quadrados na sede do MJDH. Criado logo depois do golpe, mas formalmente constituído em 1979, o movimento comandou operações que retiraram do país mais de 2 mil militantes perseguidos pelo regime militar, segundo anotou a Comissão Nacional da Verdade (CNV). “Foi um trabalho conjunto. O MJDH tem um conselho de dez integrantes. Eu sou só o porta-voz”, diz.

Comissão Nacional da Verdade 

Foi através do trabalho da entidade que a CNV chegou à operação clandestina que terminou com o desaparecimento de Edmur Péricles Camargo, em 1971, e colocou holofotes na Condor e seus tentáculos, que chegavam a seis países do continente bem antes de ela ser criada formalmente, em 1975. “A Condor foi criada pelos militares brasileiros logo depois do golpe de 1964. A Argentina sempre foi o maior parceiro”, sustenta o ativista. Para ele, as garras da Condor aparecem em documentos que indicam a existência de um forte processo de infiltração de arapongas treinados pela CIA nas organizações de esquerda e a cooptação de militantes de esquerda.

Dois personagens cumpriram esse papel: o então embaixador do Brasil no Uruguai Manuel Pio Corrêa, que transformou a diplomacia estatal numa azeitada máquina de espionagem do Centro de Informações no Exterior (Ciex), acoplado à estrutura do Itamaraty, e Conrado Avegno, araponga de envergadura de rapina. Antes de enveredar pelo mundo da espionagem política, em 1967 ele atuou como jornalista na redação do jornal Última Hora, no Rio de Janeiro, e de outras publicações do período.

Filho do diplomata Octávio Conrado, falecido, e de mãe uruguaia, Conrado Avegno era passageiro do mesmo avião da Lan-Chile em que Camargo, formalmente acolhido pelo governo chileno como banido, foi sequestrado na escala em Buenos Aires. A ilegalidade da ação era tão gritante que o adido militar que produziu os relatórios alertou: “Apesar das grandes dificuldades que se tem para acompanhar esse pessoal no Uruguai, no caso presente parece que a polícia argentina se precipitou um pouco, pois, no momento em que o fato venha a público, será difícil justificar a entrega e o recebimento de um banido”, escreveu no relatório resgatado por Krischke.

Um “terrorista” a ser eliminado

O informe sobre Edmur Péricles Camargo foi repassado por Conrado Avegno à embaixada brasileira em Montevidéu, que acionou a Polícia Federal argentina. Camargo não era um simples militante. Paulistano, originário do PCB, depois companheiro de Carlos Marighella na ALN, antes de ser preso em Porto Alegre tinha fundado uma organização radical, o M3G, e liderado pelo menos cinco assaltos a banco. Estava asilado no Chile, sob a proteção do governo de Salvador Allende, como um dos banidos trocados pela libertação do ex-embaixador da Suíça Giovanni Bucher, sequestrado pela esquerda armada em 1970. Aos olhos do regime militar, era um “terrorista” a ser eliminado. 

Quando foi tirado do avião, Edmur preparava-se para se juntar aos militantes que gravitavam em torno do ex-presidente João Goulart e ao ex-governador Leonel Brizola, no Uruguai. Camargo viajava com passaporte falso com o nome Enrique Villaça, e uma de suas missões era acertar contas justamente com o espião infiltrado que o delatou. Portava três cartas do almirante Cândido Aragão, destinadas ao ex-presidente João Goulart, uma das quais, pedindo ajuda para tratar um dos olhos, ferido nas sessões de tortura a que foi submetido. Aliado fiel de Goulart, Aragão fundou a Resistência Armada Nacionalista (RAN), grupo que apoiaria o enfrentamento à ditadura a partir do Uruguai, plano de Goulart e de Brizola que, agora se sabe, foi frustrado, entre outros motivos, pela infiltração de agentes duplos. 

Conrado Avegno ganhou a confiança de praticamente toda a esquerda. Aproximou-se tanto do almirante que atuou como secretário da RAN no Chile e no Uruguai. Com a função, passou a ter trânsito entre outras organizações, fazer viagens internacionais e se aproximar de militares oponentes à ditadura e de vários líderes civis banidos. “Ele só não conseguiu enganar o Brizola e o Jango. Os dois eram protegidos por forte aparato militar, que filtrava as tentativas de contato”, diz Krischke. 

Um conjunto de documentos descobertos em 2012 mostra que o espião se aproximou do coronel Jefferson Cardim de Alencar Osório, que em 1965, na primeira reação violenta ao regime militar, conhecida como Guerrilha de Três Passos, partiu do Uruguai e invadiu o Rio Grande do Sul liderando um grupo de 23 rebeldes. “Todo dia na minha casa e eu só fui saber disso 40 anos depois”, desabafou o filho do coronel, Jefferson Lopetegui Osório, num  depoimento inédito a Krischke e ao presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, Marcelo Chalréo, para a Comissão da Verdade, em 2013. Ele contou que Conrado Avegno se dizia de esquerda e viajou com seu pai para várias partes do mundo, participando de encontros com o ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, na Argélia, e com o ex-presidente do Chile Salvador Allende, em Cuba. Ao assumir o governo no Chile, Allende convidaria Cardim para ser seu assessor de segurança, proximidade que facilitaria a espionagem de seu “amigo” Conrado Avegno, que andava sempre a tiracolo.

 

Na Ilha, Conrado conheceria exilados como o ex-ministro José Dirceu, o ex-deputado Vladimir Palmeira e, no mesmo grupo, o marinheiro José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo, outro que também atuou como agente da repressão infiltrado na esquerda no mesmo período que Conrado. Embora não haja registros por enquanto, é provável que os dois tenham atuado em sintonia, já que por algum tempo conviveram com pessoas e ambientes comuns no Uruguai. Jair Krischke acredita que, como Conrado Avegno, Cabo Anselmo passou a colaborar com os militares já em 1964, e não a partir de uma suposta prisão, em 1970, como ele sustenta. Um dos indícios de que seria um agente duplo “antes mesmo da greve dos marinheiros”, segundo o ativista, está na presença de Anselmo junto com Carlos Galeão Camacho, um dos integrantes do grupo que invadiu a embaixada da antiga Tchecoslováquia em Montevidéu, em janeiro de 1967, para pedir asilo político. Os dois saíram juntos do Brasil, mas Anselmo não aparece entre os invasores. Krischke afirma que o verdadeiro motivo da invasão da embaixada era causar um incidente diplomático que levasse o governo uruguaio a expulsar o ex-presidente João Goulart, o ex-governador Leonel Brizola e centenas de perseguidos políticos lá refugiados. Ele diz ter ouvido diversos marinheiros que organizaram a greve em apoio a Goulart antes do golpe e afirma que nenhum deles reconheceu Cabo Anselmo como liderança. “Acho que ele já estava infiltrado”, diz.

Conrado Avegno usou pelo menos cinco nomes falsos e era tratado pelos órgãos de informação da ditadura como o agente YR-62. Ao acessar centenas de documentos militares que reproduzem informes do espião, o presidente do MJDH diz que Conrado foi o mais preparado agente de espionagem do regime militar no exterior e também o coração do esquema de infiltração na Operação Condor. Segundo ele, Conrado foi o agente duplo que mais mortes causou na esquerda. Ele teria trabalhado (remunerado) ao mesmo tempo para o Ciex, serviço secreto do Itamaraty montado por Pio Corrêa, e para o Centro de Informações da Marinha (Cenimar). Conseguiu enganar até os dirigentes tupamaros, que bancaram as despesas de sua viagem à Argélia, certos de que ele aproveitaria a ocasião para promover uma aproximação dos rebeldes uruguaios com o governo nacional-socialista daquele país. 

No Chile, sempre colado em Jefferson Cardim, Conrado aproximou-se do ex-ministro do Trabalho de Jango Almino Afonso, que, de volta do exílio, seria deputado federal e vice-governador de São Paulo. Sempre posando de esquerdista, fez amizade com outros militares ligados à RAN no Uruguai, como o coronel Emanuel Nicoll e o major Joaquim Pires Cerveira, sequestrado na Argentina em dezembro de 1973 (é o primeiro caso da Condor documentado), morto e supostamente esquartejado no quartel do Exército da rua Barão de Mesquita, no Rio de Janeiro.

Com a revelação da verdadeira atividade de Avegno, seu nome passou a ser associado a dezenas de assassinatos cometidos por agentes da Condor. Nessa lista estão Edmur Péricles Camargo, militares e praticamente todos os militantes da esquerda brasileira que desapareceram na Argentina, Uruguai e Chile. A ele são atribuídas também delações que resultaram em várias execuções ocorridas na fronteira do Cone-Sul e em São Paulo, com a colaboração de militantes de esquerda cooptados pelo próprio Conrado Avegno, em mais um de seus papéis. 

Um dos que trocaram de lado, sobre o qual há registros em informes do próprio espião, que o conheceu no Chile, seria Gilberto Faria Lima, o Zorro, militante da luta armada que atuou com o ex-capitão Carlos Lamarca na Guerrilha do Vale do Ribeira e chegou a ser condenado à pena de morte por assassinatos, mas acabou traindo a esquerda para se salvar. Com identidade falsa, estaria vivendo em algum país do Cone-Sul. Com as delações de Zorro, a polícia matou vários militantes na capital paulista e banidos que tentaram voltar ao Brasil. 

Jair Krischke conta que demorou pelo menos quatro anos para confirmar a identidade do espião, que no final da vida havia se convertido em pastor de uma igreja evangélica, a Centro El Shadday, criada por ele mesmo em Montevidéu. Jair Krischke disse que alertou a CNV sobre a importância do espião, mas que o caso acabou não sendo tratado com a agilidade necessária. Quando, finalmente, viajou a Montevidéu para tentar ouvi-lo, deparou-se com um anúncio fúnebre sobre seu falecimento, ocorrido em 10 de março de 2013, publicado no El País do Uruguai. Encerrava-se ali, sem repercussão, 13 anos de uma trajetória intensa de infiltração e cooptação que destroçou as organizações de esquerda e, de certa forma, ajudou a dar longevidade à ditadura.

A história do agente YR-62 será um dos capítulos da ação penal contra militares argentinos e brasileiros que serão julgados na Justiça de Lomas de Zamora pelo desaparecimento de Edmur Péricles Camargo. O veterano ativista Krischke acha que o processo será uma vergonha para o país que não pune seus criminosos políticos, um contundente contraponto ao negacionismo que une Bolsonaro e o novo militarismo na tentativa de maquiar a ditadura, escamoteando a verdade sobre crimes e horrores que, mais cedo ou mais tarde, serão tirados do armário. “É por isso que luto”, diz.

 


Veja outros textos

Veja mais

Visita Mediada ao ex Doi-Codi


O Brasil voltou à época dos mortos e desaparecidos políticos


Não é incompetência nem descaso, é método


Entidades pedem que Biden use encontro com Bolsonaro para defender a democracia e a causa ambiental


Indigenista brasileiro e repórter do The Guardian estão há mais de 24h desaparecidos no Vale do Javari, no Amazonas


Polícia Rodoviária Federal ontem e hoje


Tribunal dos Povos deve condenar Bolsonaro por crimes na pandemia


O exercício da vigilância


50 Anos da Primeira Greve de Fome de presos e presas políticos em São Paulo


Ditadura tentou censurar na Itália denúncias de tortura no Brasil


Os áudios do STM e a luta por verdade, justiça e memória no Brasil


Curta-metragem sobre Heleny Guariba recebe menção honrosa no festival “É Tudo Verdade”


Dra. Patrícia Vanzolini, presidente da OAB-SP, fala sobre o Memorial da Luta pela Justiça no programa “Entre Vistas”


Núcleo Memória lamenta morte do jurista Dalmo Dallari


Maurice Politi é convidado especial em diálogo com espectadores da peça “E nós que amávamos tanto a Revolução”


Jornalista Jamil Chade publica carta aberta ao Deputado Eduardo Bolsonaro


“Herança da ditadura tem de ser combatida com reforma no ensino militar”, diz Vannuchi


Golpe é golpe, tanto em 1964 quanto em 2016. Nada a comemorar


No Dia do Direito à Verdade, ONU fala da importância de reparar vítimas


Heleny Guariba, presente! Hoje e sempre!


RESLAC rejeita o cancelamento da concessão do Parque Cultural Valparaíso pelo governo cessante


`Não toquem em arquivos da Ditadura`: servidores relatam censura no Arquivo Nacional


Raphael Martinelli Presente


Em ação eleitoreira, governo Bolsonaro desfere um golpe baixo contra o setor cultural


O que fazer com as 1.049 ossadas descobertas na vala de Perus?


Múltiplos espancamentos de Moïse


Quer saber?


Opinião: Comissão Arns - Eny, coragem e doçura


Um novo bilionário surgiu a cada 26 horas desde o início da pandemia, aponta Oxfam


NOTA DE FALECIMENTO Dra. Eny Raimundo Moreira (1946 - 2022)


Caos, esperança e luz


Derrotar o fascismo e a política do ódio


A vitória de Gabriel Boric


Crime da ditadura brasileira é investigado na Argentina


Prefeitura celebra o Dia Internacional dos Direitos Humanos com entrega de prêmios


Em São Paulo, uma jornada cheia de armadilhas para o Memorial da Tortura


Maurice Politi recebe Prêmio Alceri Maria Gomes 2021 por defesa dos Direitos Humanos


Ato Solene na ALESP: Um Memorial pela Democracia


Ato Solene na Assembleia Legislativa de SP tem como objetivo transformar o antigo DOI-Codi em centro de memória e memorial às vítimas da ditadura


TRF-3 confirma decisão que mandou Secom se retratar por homenagem a Major Curió


Nota emitida pelo Relator Especial das Nações Unidas dirigida à Presidência da República sobre o ex DOI-Codi em São Paulo


Três culpas


Aos 52 anos do assassinato de Carlos Marighella, seu filho Carlinhos Marighella fala do filme que estreia hoje em todo o país


Parlamento do Mercosul condena Bolsonaro por apoio às ditaduras na região


Rua em São Paulo troca nome de torturador por nome de torturado


O pior negacionismo


Pesquisa revela como a necropolítica e a pandemia afetam as favelas do Rio


Anistia Internacional Brasil aponta perda de direitos ao longo dos 1000 dias do governo Bolsonaro - Anistia Internacional


Paulo Freire - o combate ao analfabetismo social


Brasil se cala em reunião na ONU sobre justiça para vítimas da ditadura


Justiça condena União, Funai e MG por violações a indígenas na ditadura


HÁ 50 ANOS ENTRAVAM PARA A ETERNIDADE CARLOS LAMARCA E ZEQUINHA BARRETO, HERÓIS BRASILEIROS.


NÚCLEO MEMORIA É ACEITO COMO “Litisconsorte ativo” na Ação Civil Pública do DOI-Codi em São Paulo


O que fazer com o maior centro de tortura da ditadura?


Sábado Resistente: Direitos Humanos em Foco “A questão migratória e o fenômeno da xenofobia”


Pela criação de um Memorial no antigo DOI-CODI São Paulo


O viagra do Bozo


Jamil Chade - Lei de Anistia perpetua `cultura da impunidade` e será questionada na ONU


A destruição como estratégia


Contra deboche bolsonarista, juiz vai fazer audiência no DOI-Codi


A institucionalização do deboche


Entrego minha vida à minha classe, para que continuem a minha história


MPF oferece nova denúncia contra Major Curió, comandante de repressão à Guerrilha do Araguaia no PA durante a ditadura


A liberação do passado


Os índios não têm alma?


Circulação de armas aumenta e homicídios no Brasil voltam a crescer


Em defesa da democracia, Comissão Arns se posiciona sobre nota das Forças Armadas e reitera seu apoio à CPI da Covid, em curso no Senado


Camilo Vannuchi: A mentira está no DNA das Forças Armadas no Brasil


A Coalisão Internacional de Sítios de Consciência e a Rede Latino-Americana e Caribenha de Lugares de Memória exigem a proteção de civis no Haiti e o respeito ao Estado de Direito


Qual será o futuro do trabalho?


ONU tenta frear onda ultraconservadora liderada por Brasil


Pela reinterpretação da Lei de Anistia!


Mesa Redonda sobre comunidades indígenas e justiça transicional organizada pela Iniciativa Global para Justiça, Verdade e Reconciliação. (GITJR)


MPF obtém sentença histórica contra ex-agente da repressão por crime político na ditadura


Promotor Eduardo Valério vai à Justiça para transformar local de tortura de herói de Bolsonaro em Museu da Democracia


Barbárie, golpe e guerra civil


Carta aberta aos governadores


Da tortura à loucura: ditadura internou 24 presos políticos em manicômios


Na era bolsonarista, expor horrores da ditadura é tarefa cívica


RJ: Justiça destina à reforma agrária usina onde corpos foram incinerados na ditadura


MPF pede responsabilização civil de ex-agentes militares que atuaram na “Casa da Morte”


Brasil: Investigue Comando da Polícia do Rio por operação no Jacarezinho


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco - “Vitória da Classe Trabalhadora: A longa luta operária na VW Brasil”


Um retrato perturbador


Pela graça de Deus


Renunciar à Convenção 169 da OIT é condenar indígenas ao extermínio


O vírus mais contagiante


No limite


O que torna o filme Marighella tão atual e urgente no Brasil de 2021?


A fúria transborda na Colômbia


Audiência Pública – Memorial da Luta pela Justiça


Live Conhecendo Lugares de Memória: Navio Raul Soares


Atentado do Riocentro golpeou autoridade de Figueiredo e completa 40 anos sem culpados


MPF ajuíza ação regressiva contra ex-delegado que matou militante político durante a ditadura militar


Pilha foi espancado e torturado na prisão


Homenagem a Alípio Freire


Sábado Resistente - Direitos Humanos em Foco: Memória, Verdade e Justiça


Morre Alípio Raimundo Vianna Freire


Liberar as patentes para evitar uma catástrofe


Camilo Vannuchi - O dia em que a Lei de Segurança Nacional foi condenada


Morre aos 89 anos Dr. Mario Sergio Duarte Garcia


Dois anos de desgoverno – como chegamos até aqui


Ato virtual Movimento Vozes do Silêncio | Denúncia do golpe civil militar de 1964


EUA sabiam da tortura na ditadura brasileira e poderiam intervir se quisessem


SR - Direitos humanos em foco


Os crimes cometidos pela Volkswagen na ditadura, segundo relatório do Ministério Público


Memória, impunidade e negacionismo: um país em busca de si próprio


31 de março/1º de abril de 1964


Live “Conhecendo Lugares de Memória: o Memorial da Luta Pela Justiça”


Reinterpreta Já STF


MPF recorre de acórdão do TRF3 que negou indenização à viúva de preso pela ditadura


O escândalo político acabou?


Nota sobre a decisão da Justiça em permitir a comemoração do golpe pelo Governo Federal


Justiça autoriza exército a comemorar o golpe militar de 64


Volks publica comunicado reconhecendo participação em prisões e torturas durante a ditadura


O povo não pode pagar com a própria vida!


A anulação das decisões de Moro e a sua suspeição no caso Lula: Savonarola vai a Roma.


A CIDH publica seu relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil e destaca os impactos dos processos históricos de discriminação e desigualdade estrutural no país


A consciência feminista


Intelectuais escrevem “carta aberta à humanidade” contra Bolsonaro


Democracia e estado de direito vivem `retrocessos` no Brasil, alerta CID


Indigência mental e falência moral


COMISSÃO ARNS | NOTA PÚBLICA #30


Já pode chamar de regime militar?


Ministra Damares não calará a sociedade civil


DEMOCRACIA SITIADA


Os outros Daniéis Silveiras que ignoramos


Dois anos de maior acesso a armas reduziu violência como dizem bolsonaristas?


Raphael Martinelli


STF demora, e 3 acusados de assassinar Rubens Paiva morrem sem julgamento


Exonerado e perseguido por Bolsonaro, Ricardo Galvão ganha prêmio internacional de liberdade científica


NÚCLEO MEMÓRIA ingressa como “amicus curiae “ na ação popular contra a UNIÃO FEDERAL e o Ministro do Estado da Defesa Fernando Azevedo e Silva


MPF pede que STF rediscuta se Lei da Anistia é compatível com a Constituição, em ação sobre assassinato de deputado


A elite do atraso e suas mazelas


Especialistas em Direitos Humanos e Meio Ambiente dos EUA urgem Biden a se Posicionar em Prol da Justiça Social e Climática, do Estado de Direito, ao tratar de questões sobre o Brasil de Bolsonaro


Livro desfaz mito e revela ação efetiva do Itamaraty para derrubar Allende


Fachin: não aceitação do resultado eleitoral pode resultar em mortes e ditadura


Corte dos Direitos Humanos aceita como amicus curiae ação que denuncia Bolsonaro por descumprir sentença sobre Guerrilha do Araguaia


Denúncia à novos ataques ao Estado de Direito na Guatemala


Assassinatos de pessoas trans aumentaram 41% em 2020


BASTA!


A financeirização em números


Dois anos de desgoverno – três vezes destruição


Governo Bolsonaro é denunciado novamente à Corte Interamericana por insultar vítimas da ditadura


Um governo insano e genocida


Invasão do Capitólio – a face obscura da América


Pronunciamento público da Coalizão Internacional de Sítios de Consciência sobre os acontecimentos do dia 6 de janeiro em Washington


Tortura Nunca Mais Tortura é Crime


Democracia e desigualdade devem ocupar lugar central no debate político pós-pandemia


A força do autoritarismo


Anivaldo Padilha, integrante do Conselho de Administração do Núcleo Memória, recebe o Prêmio de Direito à Memória e à Verdade Alceri Maria Gomes da Silva.


Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018
icone do whatsapp, quando clicar ira iniciar o atendimento por whatsapp