"Casa da Morte", local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista

10/02/2020

Imóvel em Petrópolis (RJ), que foi centro de tortura na ditadura militar, pertenceu a espião nazista - Carolina Serpejante/UOL

Imóvel em Petrópolis (RJ), que foi centro de tortura na ditadura militar, pertenceu a espião nazista Imagem: Carolina Serpejante/UOL TAB

por: Vinicius Konchinski
Colaboração para o UOL, em Curitiba


O sobrado da rua Arthur Barbosa, em Petrópolis (RJ), é um local-chave para a história da ditadura militar. Conhecido como a Casa da Morte, o imóvel foi um centro de tortura de presos políticos durante a década de 1970.

Antes de servir ao regime militar, porém, o endereço foi usado por nazistas que atuaram no Brasil durante a 2ª Guerra Mundial. Isso é o que aponta um estudo que contou com a participação de um pesquisador sênior da CNV (Comissão Nacional da Verdade), o historiador Eduardo Schnorr.

De acordo com a pesquisa, que durou dois anos, o terreno onde foi construída a Casa da Morte pertenceu ao alemão Ricardo Lodders, preso por suspeitas de espionagem durante a guerra. Na área, existe uma outra casa, também de propriedade de Lodders. Nela, foram apreendidos um transmissor de rádio, além de material relacionado pela polícia à comunicação de espiões.

O terreno onde fica a ´Casa da Morte´ é alto, num local isolado. Serviu perfeitamente como ponto de comunicação para a rede de espiões nazistas que atou no Brasil durante a 2ª Guerra, disse Schnorr, em entrevista ao UOL.


Dono da casa fichado como agente nazista

A historiadora Fernanda Vinagre Ferreira também trabalhou no estudo sobre o passado nazista da Casa da Morte e deparou-se com uma série de documentos da década de 1940 sobre Lodders.

No Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, um relatório sobre atividades nazistas no Brasil cita o imigrante. Alemão Nazista. Oficial do exército alemão destacado no Brasil como orientador da milícia integralista, diz o documento.

Um relatório do Dops (Delegacia de Ordem Política e Social) do Rio de Janeiro disponível no mesmo arquivo também relaciona Lodders ao partido alemão.

São vários os indícios de que Lodders colaborava com os nazistas, complementou a historiadora Rachel Wider, que integrou a Comissão Municipal da Verdade de Petrópolis e a equipe de pesquisadores que levantou a história pré-ditadura militar da Casa da Morte.

Wider disse que Lodders foi preso pelo menos duas vezes durante a 2ª Guerra Mundial por suspeitas de espionagem. Apresentava-se como um discreto corretor de câmbio. Contudo, dava expediente na embaixada da Alemanha, que ficava no Rio, e foi cônsul honorário do país no Brasil.

Petrópolis abrigou nazistas na 2ª Guerra

Wider mora em Petrópolis. Ela disse que a cidade tem uma história marcada pela imigração alemã e simpatia ao nazismo. Segundo ela, não é uma coincidência que Lodders e uma rede de espionagem alemã tenham atuado ali.

Quando tinha 16 anos, uma professora me contou que conheceu rapazes que saíram de Petrópolis para lutar na guerra ao lado de Hitler, contou. Há fotos antigas de pessoas em Petrópolis comemorando o aniversário de Hitler.

A cidade teve uma unidade do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães. Em 1933, ela tinha 410 filiados.

Em 1937, o governo brasileiro proibiu a atuação de partidos e organizações estrangeiras no país. Apesar disso, nazistas continuaram mobilizados para apoiar a Alemanha em Petrópolis, o que facilitava o trabalho de espiões. Os simpatizantes os protegiam da polícia, disse a pesquisadora.

Nazismo inspirou ditadura na caça a comunistas, diz pesquisador

Eduardo Schnorr explicou que a perseguição aos nazistas no Brasil acabou com o fim da 2ª Guerra. Lodders foi solto após o fim do conflito e recuperou os direitos sobre seu imóvel de Petrópolis.

Naquela época, segundo Schnorr, a Guerra Fria ganhava força. O comunismo passou a ser visto como uma ameaça no Brasil. Isso serviu de pretexto para o Golpe de 1964 e fez com que membros das Forças Armadas revisitassem táticas nazistas de combate a inimigos internos.

A violência e perseguição de comunistas na ditadura remete ao nazismo, que também se opôs ao comunismo, disse o pesquisador. Quando a ditadura resolveu perseguir seus inimigos, acabou recorrendo a quem já tinha conhecimento nessa área, os nazistas.

Por conta dessa aproximação, Mario Lodders, filho de Ricardo Lodders, cedeu a Casa da Morte ao regime militar no início da década de 1970. Naquela época, Ricardo já havia falecido. Mario emprestou o sobrado, mas manteve a posse da segunda casa do terreno, a mais antiga. O herdeiro, aliás, frequentou a Casa da Morte, fato que despertou o interesse de Schnorr.

Num depoimento, Inês Etienne Romeu [ex-militante] disse que Mario Lodders lhe ofereceu chocolate enquanto ela estava presa na ´Casa da Morte´. Pensei: não é qualquer pessoa que entra num centro secreto de tortura, contou Schnorr. Resolvi pesquisar quem era Mario Lodders e acabei me deparando com a história de seu pai, Ricardo.

Tortura e morte no sobrado

Inês Etienne Romeu foi a única presa política da Casa da Morte a deixar o local viva. Ela permaneceu detida pela ditadura até 1979. Naquele mesmo ano, denunciou à OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) as sessões de tortura e as mortes ocorridas no local.

Fui várias vezes espancada e levava choques elétricos na cabeça, nos pés, nas mãos e nos seios. Estavam praticando o mais puro sadismo, disse ela, que morreu em 2015.

No ano anterior, o coronel reformado Paulo Malhães falou à Comissão Estadual da Verdade do Rio sobre a Casa da Morte. Ele foi encontrado morto em sua casa meses após seu depoimento.

Nós queríamos um lugar que fosse tranquilo, que fosse calmo. E a casa de Petrópolis era o ideal. Atrás tinha um alemão, lembrou. Ele tinha um relacionamento maravilhoso com a gente.

A Prefeitura de Petrópolis busca o tombamento do imóvel por sua importância histórica. A família que hoje detém a propriedade do local é contra. No final do ano passado, conseguiu anular o tombamento.

Segundo pesquisadores, Ricardo Lodders teve dois filhos. Ambos também já faleceram e não deixaram herdeiros. O *UOL* não encontrou ninguém da família Lodders para comentar a ligação de Ricardo Lodders com o nazismo.

A Embaixada da Alemanha no Brasil disse não manter arquivos da época da 2ª Guerra Mundial. Com essa justificativa, não comentou a relação de Lodders com o consulado do país no Brasil.


Veja outros textos

Veja mais

Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018