Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais

26/08/2019

Lembrando o dia internacional do detido-desaparecido no próximo dia 30 de agosto, a RESLAC (Rede Latino Americana e Caribenha de Lugares de Memória) lança uma campanha de comunicação sobre os desaparecimentos forçados ontem e hoje.

Onde estão os nossos desaparecidos? Lembre-se do ato dia 30 de agosto 18h no Ibirapuera

Lembrando o dia internacional do detido-desaparecido no próximo dia 30 de agosto, a RESLAC (REDE LATINO AMERICANA E CARIBENHA DE LUGARES DE MEMÓRIA) lança uma campanha de comunicação sobre os desaparecimentos forçados ontem e hoje. 

Acompanhe os vídeos lançados:

Vídeo 1 - https://www.youtube.com/watch?v=tCnWI4AOc24

Vídeo 2 - https://www.youtube.com/watch?v=_gQ2noTSSNw

Vídeo 3 - https://www.youtube.com/watch?v=cm-N6XXpXek

Vídeo 4 - https://www.youtube.com/watch?v=Fz-bPH7XP6E

Vídeo 5 - https://www.youtube.com/watch?v=Lg0QHfzFOww

Vídeo 6 - https://www.youtube.com/watch?v=VmS2rrAklxY

Vídeo 7 - https://www.youtube.com/watch?v=Fzcnlm6TWSg

 

A mensagem central é evidenciar que o desaparecimento forçado é uma prática sistemática e presente em toda a América Latina e Caribe. Do passado até o presente , em diversos contextos nacionais, o desaparecimento foi adotando distintas formas , produzindo-se , no entanto, sempre a partir da ação direta ou da inação dos Estados para sua erradicação.

Neste contexto, a RESLAC criou 10 vídeos , cada um de duração máxima de 2 minutos , a partir de material encontrado em arquivos nos países do continente, vídeos e imagens dos membros da Rede e algumas matérias de imprensa. Estes vídeos circularão durante todo o mês de agosto, a uma cadencia de dois vídeos por semana, pelas redes sociais da RESLAC e nos sitos web de seus membros.

 
O objetivo desta campanha é:

- Reunir e tornar visível a luta pelo esclarecimento do desaparecimento, através da força icônica da denúncia  social dos desaparecimentos e a reivindicação por Memória ,Verdade e Justiça. 

- Posicionar e reivindicar as práticas sociais de denúncia, protesto e memória das organizações.

-Denunciar a persistência do fenômeno em nossa região.

- Sensibilizar sobre o drama e tragédia dos desaparecimentos e a obrigação dos Estados na erradicação desta prática.

#desaparecimentosnuncamais

Membros brasileiros da RESLAC: Núcleo de Preservação da Memória Política, Memorial da Resistência de São Paulo, Casa do Povo, Museu da Imigração e Memorial das Ligas Camponesas (Paraíba)

 

_________________________________________________

Desde la Red Sitios de Memoria Latinoamericanos y Caribeños estamos impulsando una campaña de comunicación sobre desapariciones forzadas.

El mensaje central será evidenciar la desaparición forzada como una práctica sistemática y persistente en América Latina y el Caribe. Desde el pasado hasta el presente, en los distintos contextos nacionales, la desaparición forzada ha ido adoptando formas distintas, pero siempre se produce a partir de la acción directa o la inacción de los Estados para su erradicación.

 En este marco hemos creado 10 videos a partir de material de archivo histórico, videos e imágenes de las instituciones de la red, y algunos materiales de prensa. Estos videos circularán por las redes sociales de la RESLAC y de los sitios de la red, sin fines de lucro, a partir del mes próximo.

 El objetivo de la campaña es:

 • reunir y hacer visible esta lucha, a través de la fuerza icónica que recorre la denuncia social de las desapariciones y la demanda por memoria, verdad y justicia;

 • posicionar y reivindicar las prácticas sociales de denuncia, reclamo y evocación de las organizaciones;

 • denunciar la persistencia del fenómeno en nuestra región; y

• sensibilizar sobre el drama de las desapariciones y la obligación de los estados en su erradicación.

 Saludos y gracias!


Veja outros textos

Veja mais

Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018