Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura

07/02/2020

Lei contra os negacionistas da ditadura argentina se basearia na legislação francesa contra quem nega o Holocausto publicamente Imagem: Gonzalo Fuentes/Reuters

O presidente argentino, Alberto Fernández, ordenou avançar com uma legislação que penalize aqueles que negarem os crimes da ditadura militar argentina, seguindo o modelo francês que pune os que negarem o Holocausto publicamente. A postura é oposta à do governo brasileiro que nega a existência da ditadura. A proposta de uma lei que proíba e penalize quem negar ou minimizar os crimes da última ditadura militar (1976-1983) partiu de membros da Assembleia de Cidadãos Argentinos na França (ACAF), que reúne organizações argentinas de Direitos Humanos residentes na França com as quais o presidente argentino reuniu-se nesta quinta-feira (6) em Paris, antes de embarcar de volta a Buenos Aires.

Nunca pensei nisso antes. Avança, ordenou Alberto Fernández à sua ministra da Justiça e dos Direitos Humanos, Marcela Losardo, que também estava na reunião.

Após o encontro, a ministra emitiu uma nota na qual defende que não há outra forma de resolver a tragédia da Argentina se não for através da Memória, da Verdade e da Justiça. Losardo ressaltou a importância de cumprir com a totalidade dos tratados internacionais de Direitos Humanos aos quais a Argentina aderiu.

A eventual lei contra os negacionistas da ditadura argentina se basearia na legislação francesa contra aqueles que negam o Holocausto publicamente. Por essa legislação de 1990, o ex-presidente do Partido da Libertação Nacional, Jean Marie Le Pen, já teve de pagar multa de 30 mil euros por minimizar o extermínio contra os judeus. Foi um detalhe histórico, disse Le Pen, em 2016, em referência às câmaras de gás.

A lei francesa pune as expressões negacionistas fora do âmbito privado. A versão argentina apontaria para os crimes contra a ditadura militar, considerados crimes de lesa humanidade. Impediria que se questione o número de vítimas, mesmo em plataformas digitais. Também penalizaria a xenofobia.

Números questionados

Na Argentina, ao contrário do Brasil durante o atual governo de Jair Bolsonaro (sem partido), não é comum que se negue os crimes durante o último regime militar, mas tem-se tornado frequente questionar a cifra que as organizações de Direitos Humanos sempre defenderam, mesmo sem provas.

Segundo essas organizações, 30 mil pessoas morreram durante os sete anos de ditadura, muitas das quais permanecem desaparecidas. Porém, segundo dados oficiais de 2006, as vítimas totais são 8.368 entre mortos, desaparecidos e sequestrados.

Em 2016, o então ministro da Cultura de Buenos Aires, Darío Lopérfido, foi demitido do cargo por negar que a quantidade de mortos tivesse sido de 30 mil.

A ex-deputada Graciela Fernández Meijide, integrante da Comissão Nacional sobre o Desaparecimento de Pessoas (CONADEP) que serviu de base, em 1985, para o processo de julgamento dos máximos responsáveis pelos crimes da ditadura argentina, havia identificado 8.961 vítimas.

O jornalista Ceferino Reato, autor do livro Viva la sangre! que aborda o assunto, fez um levantamento a partir dos dados oficiais de 2006 e concluiu que houve 7.158 vítimas, das quais 6.415 desaparecidos e 743 mortos. Segundo Reato, o número de 30 mil foi inventado pelos exilados na Europa para poderem falar sobre genocídio e comoverem os europeus.

A Argentina é o país americano que mais condenou, com prisão perpétua, os crimes de lesa humanidade. Já foram condenadas cerca de 900 pessoas, incluindo os ex-ditadores Jorge Videla e Reynaldo Bignone. Cerca de 3 mil pessoas já foram indiciadas.

O presidente Alberto Fernández também se comprometeu com os organismos de Direitos Humanos a continuar a impulsionar os julgamentos contra os responsáveis pelo regime militar mais criminoso da América do Sul. O desafio da Justiça agora é julgar os responsáveis civis, empresários e grupos econômicos, ideólogos ou cúmplices dos militares.

No sentido oposto ao vizinho, ao longo do último ano, o governo brasileiro de Jair Bolsonaro começou a celebrar o dia do golpe militar, a reivindicar o regime autoritário e a negar que tenha havido uma ditadura no Brasil entre 1964 e 1985.

 

fonte: UOL


Veja outros textos

Veja mais

Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018