A tortura, essa praga que paira sobre nós

15/10/2020

Envelhecemos sim, mas não a ponto de esquecer que um dia entramos de capuz num dos Doicodis da vida e tivemos um Ustra pela frente. Ora, Mourão, cinismo não combina com verdade e História. Ustra e seu exército macabro violaram as leis e merecem repúdio. Tortura é crime inafiançável

Com o elogio da tortura e a reverência a seu principal praticante na ditadura, o general Hamilton Mourão, vice-presidente desta ofendida e resignada República, trouxe novamente à tona essa história de terror, assassinatos e desaparecimentos de pessoas que permanece insepulta. O coronel Brilhante Ustra foi um agente da morte e do Estado que cometeu crimes imprescritíveis. Chamá-lo de um homem honrado que respeitou os direitos humanos “constrange a Nação e desonra as Forças Armadas”. E, sobretudo, agride a dignidade e a memória dos que padecerem em suas mãos, como denunciou a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns.

Faço parte de uma geração que envelheceu com essas marcas no corpo e na alma. Talvez a primeira na história que tenha passado, em seu conjunto, por uma experiência desta magnitude na pátria amada e torturada Brasil. Centenas de jovens que um dia, no início dos anos 70, foram levados para quartéis militares com um capuz enfiado na cabeça. Enfrentaram a nudez e a solidão de uma sala onde não havia lei muito menos honra. Foram chantageados e torturados por homens fardados, empregados do Estado, que manejavam máquinas, fios, cavaletes, seus coturnos e outros instrumentos soturnos para provocar dor e obter uma confissão. Os “honrados” capatazes da família Ustra. Registro que não vi nem tive notícia de nenhuma mulher entre os seus integrantes.          

Os que sobreviveram, envelhecemos. Enlouqueceram alguns, o alcoolismo perturbou a vida de outros. Houve os que se mataram. Alguns morreram precocemente de câncer, enfrentaram o mal pelo Parkinson, o Alzheimer e um variado cortejo de sequelas e desajustes que incluem os amorosos, afetivos e filiais, na conturbada relação pais e filhos. Foram buscar apoio no consultório de um psicanalista.       

Envelhecemos sim, mas não a ponto de esquecer que um dia entramos de capuz num dos Doicodis da vida e tivemos um Ustra pela frente. Ora, Mourão, cinismo não combina com verdade e História. Ustra e seu exército macabro violaram as leis e merecem repúdio. Tortura é crime inafiançável.         

Num angustiado ensaio escrito em meio ao espanto e à indignação provocados pela revelação dos porões da guerra da Argélia, Sartre advertiu que “a tortura não é civil nem militar, nem tampouco especificamente francesa, mas uma praga que infecta toda nossa era”. Naquele momento, entre l957 e 1958, os franceses tomaram conhecimento de que o Exército francês e as forças policiais da colônia empregaram sistematicamente a tortura no enfrentamento aos rebeldes argelinos. Houve uma comoção. A França levantou-se, indignada.          

Não tivemos no Brasil essa comoção, um movimento de repúdio à praga da tortura, porque não se deu à opinião pública informações sobre a profundidade da infecção. A sociedade transitou da ditadura para a democracia mantendo em seus postos no executivo, legislativo e nas Forças Armadas os responsáveis o pelo regime de arbítrio, com a colaboração da imprensa, que silenciou e não assumiu suas responsabilidades. As bandeiras de denúncia, os cartazes com os mortos e desaparecidos, o grito de Tortura Nunca Mais, ficaram nas mãos de entidades de anistia, mães, avós, filhos e netos. A sociedade não discutiu o alcance da tortura, não passou a limpo a História. Por isso, a repete. 

A família Ustra no trabalho 

Cena 1 ‒ Durante os primeiros dias, Juliano viveu numa espécie de estado de coma permanente, como se estivesse numa Unidade de Tratamento Intensivo, torturado sem trégua o tempo todo. Perdeu os sentidos em diversos momentos, pensou que fosse morrer. Conheceu a perversão da tortura em seus mínimos detalhes. Viu despejarem baldes de água em seu corpo dependurado para aplicação de choques elétricos. E descobriu que havia uma sofisticação metodológica na aplicação dos choques. 

Um dos fios desencampados preso no dente e o outro amarrado no saco era o preferido do tenente Correia Lima. Mas havia uma modalidade pior, defendida pelo capitão Duque Estrada. Com os fios amarrados nos dois mindinhos, o choque é mais intenso, corre o corpo inteiro, ensinava o especialista em comportamento humano. Tinha razão o filho da puta. A descarga elétrica de mais de 100 volts transita instantaneamente por todos os nervos do corpo, dos pés à cabeça, provocando uma contração violenta e dolorosa.          

Cena 2 ‒ O capítão Gomes Carneiro despacha a testemunha. Apertando um lábio contra o outro, dá um soco na mesa, impaciente. Cobra de Santiago um nome, que ele volta a negar. Com a voz trêmula, explica que não sabia os nomes dos caras que ficaram em sua casa. Todos clandestinos. O capitão vira-se para um tenente da equipe e determina: “Traga a suíte quebra nozes! Vamos partir para os choques”.       

O estudante tremeu. O capitão deu uma gargalhada. “Vou te dar uma chance.” Puxou um maço de cigarros do bolso da camisa. Um maço vermelho, com tarjas em azul e branco, símbolo da aventura e do sucesso nos comerciais da década de 70. O tenente se adiantou para acender o Hollywood do chefe, que aspirou com vontade a fumaça da primeira tragada. E disse em tom de intimidação: “Assim que eu acabar de fumar este cigarro, você vai me revelar o paradeiro desse sargento que dormiu em sua casa. Ou volta para a porrada, te devolvo pro Zamith”.          

Santiago viu o cigarro queimar lentamente entre os dedos do oficial, a fumaça se espalhar em círculos em torno da mesa. Tentou entender que espécie de homem tinha à sua frente. De repente, beirou o absurdo ao desejar que o cigarro daquele filho da puta tivesse filtro. Pelo menos ia demorar um pouco mais para chegar ao fim.          

Cena 3 ‒ Nas madrugadas em que não tinham o que fazer, os oficiais divertiam-se com as prisioneiras. São machões, sádicos e misóginos. Chamam uma a uma para conversar, às vezes juntam duas ou até mais, formam um grupo. Numa noite, o capitão de cavalaria João Gomes Carneiro reclamou de Mariana, de seus gritos exagerados quando ela estava dependurada. Queria silêncio. Depois repreendeu e xingou Maruza, que não o avisou de que estava menstruada. Restos de sangue que ficaram na cadeira onde ela foi interrogada mancharam a capa do major de cabelos ruivos. Na fronteira de um mundo violento e sem lei, onde torturam e matam, ele se preocupa em preservar sua limpeza. Precisa sair limpo e imaculado para o jantar em casa com a família.

Cena 4 ‒ Novamente só neste cárcere, esfrego a mão sobre os olhos como se precisasse acordar, e sinto o tecido dolorido e inchado. Eis que de novo me sobressalto com o barulho do ferrolho da porta sendo retirado. São várias as vozes que ouço agora, vozes diferentes que determinam a colocação do capuz, que me empurram. Pressinto que esta não é uma visita de rotina, pode ser que agora o mistério se resolva. Uma voz mais forte, uma voz de comandante desta nave espacial, determina que levantem o meu capuz e eu me vejo frente a um homem alto e forte, de ombros largos, lábios grossos, que me olha com a autossatisfação de me ter sob seu inteiro domínio, tendo a seu lado uma meia dúzia de professores-torturadores subalternos. 

Ele move zombeteiramente os lábios grossos e pergunta, apontando para os meus olhos: “O que fizeram com este rapaz?” É ele mesmo que responde, já completando o sorriso sarcástico: “Ah, já sei, foi um Fenemê que passou sobre sua cabeça”. E o Fenemê faz uma rápida manobra, engrena uma primeira e segue com o seu sorriso zombeteiro, com seu poder absoluto, à procura de novas mutilações. O atropelado no caso sou eu mesmo e o homem-Fenemê é o general Adir Fiúza de Castro, então comandante do Codi, integrante da honrada família do coronel Brilhante Ustra. Os trechos em itálico foram tirados de meu livro Estação Doicodi, inédito.

por Álvaro Caldas

 
 

Veja outros textos

Veja mais

Judiciário precisa frear racismo nas abordagens policiais


A tortura, essa praga que paira sobre nós


Opiniões do General Mourão em entrevista dada ao jornalista ingles Tim Sebastián da Deutsche Welle geram aditamento à ação de incumprimento pelo Estado Brasileiro


Acordo de reparação com a Volkswagen é um marco histórico e grande conquista para a memória, verdade e justiça no Brasil


ONU quer enviar missão sobre ditadura, mas Brasil não responde desde abril


Nota sobre o despejo no Quilombo Campo Grande


Lógica de usar torturadores da ditadura no crime foi usada nas milícias


Militantes de esquerda recebem carta com ameaças junto com balas de revólver no interior de SP


Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade


O fenômeno do negacionismo histórico: breves considerações


Virada para “Qual democracia?”


Experiência de participação da sociedade civil nas Comissões de Verdade da América Latina


ONU cobra respostas do Brasil sobre violência policial, milícia e Ditadura


Corte Interamericana acata denúncia contra governo Bolsonaro por insulto a vítimas da ditadura


Os crimes cometidos por Major Curió, torturador recebido por Bolsonaro no Planalto


PSOL e entidades de direitos humanos denunciam governo Bolsonaro à Corte Interamericana


RESLAC MANIFESTA SEU REPÚDIO À PRISÃO DOMICILIÁRIA DE REPRESSORES NO CHILE


Falando em liberdade


Fim de semana pela memória e resistência a favor da Democracia


Levantamento mostra piora na educação, saúde e social no 1º ano de Bolsonaro


Bolsonaro corta investimentos em Educação, Saúde e Segurança


`Casa da Morte`, local de tortura na ditadura, abrigou antes espião nazista


Anistiado no Brasil, gaúcho processado na Itália pode ser o primeiro condenado por crimes da ditadura militar brasileira


Argentina avalia criar lei que criminalize os negacionistas da ditadura


Governo de Rondônia censura Macunaíma e outros 42 livros e depois recua


Médica, ativistas e parlamentares repudiam fala de Bolsonaro de que pessoa com HIV é despesa para todos: “Absurda, preconceituosa, na contramão do mundo”


Homicídios caem, feminicídios sobem. E falta de dados atrasa políticas


O nazismo não é exclusivo aos judeus. Holocausto foi tragédia humana


As pensões vitalícias dos acusados de crimes na ditadura


A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio


Relatório da Human Rights Watch denuncia política desastrosa de Bolsonaro para direitos humanos


À ONU, Brasil esconde ditadura e fala em anistiar crimes de desaparecimento


Tribunal de Justiça anula decreto do prefeito que tombou a Casa da Morte


Ato Entrega Certidões de Óbito


AI-5 completa 51 anos e democracia segue em risco


Em celebração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Núcleo Memória realizou, no dia 10 de dezembro, mais uma ação do projeto “Visitas Mediadas ao ex DOI-Codi”.


Desigualdade: Brasil tem a 2ª maior concentração de renda do mundo


Jovens se penduram em paus de arara em ato de valorização da democracia na Praia de Copacabana


Galeria Prestes Maia, no centro de SP, vai virar Museu dos Direitos Humanos


Truculência nas ruas materializa autoritarismo nada gradual


Bolsonaro é alvo de denúncia no TPI


‘Sem violar direitos humanos, é impossível normalizar o país’, diz ex-ministro de Piñera


A revolução dos jovens do Chile contra o modelo social herdado de Pinochet


Instituto Vladimir Herzog , Nucleo Memória, Comissão Arns e outras 22 organizações da sociedade civil pedem que Alesp cancele evento em homenagem a Pinochet


ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia que deixaram ao menos 23 mortos


Esta cova em que estás


Campanha da RESLAC: Desaparecimentos forçados nunca mais


Nota de Repúdio aos comentários de Jair Bolsonaro


Nota de Pesar - Elzita Santos Cruz


El País: A perigosa miragem de uma solução militar para a crise do Brasil


UOL TAB: Gente branca


SP - Polícia mata mais negros e jovens, aponta estudo sobre letalidade do Estado


UOL: No rastro de um torturador


Hora do Povo: Mostra de João Goulart retrata sua luta para libertar o Brasil


EBC: Prédio onde funcionou Dops em BH dará lugar a memorial de Direitos Humanos


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Direitos Humanos


Núcleo Memória lança livro sobre o futuro Memorial da Luta pela Justiça


TV alemã lança filme sobre a Volkswagen e a ditadura brasileira; assista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018