Golpe civil-militar de 1964: uma breve introdução

01/07/2020

Breve história do golpe civil-militar no Brasil

Portão de entrada do antigo prédio do DOI-Codi/SP (Gravura)

Golpe civil-militar de 1964: uma breve introdução

 

Por: Luis Fernando de Carvalho Sousa

professor de história.

 

A história do golpe civil-militar no Brasil tem sido alvo de disputas narrativas de todas as espécies. Há a ala anticomunista, que alega que o Brasil foi salvo de uma ditadura comunista; já outros setores negam que houvesse essa ameaça e que, quem foi “golpeada” foi a democracia. Em meio a essa disputa há os fatos históricos que narram o que, de fato, aconteceu em abril de 1964 e que levou o Brasil há vinte anos de um processo cruel e violento.

 

Desde o início da década de 1950, houve um avanço dos movimentos sociais no Brasil e o surgimento de novos atores. Alguns setores, como o campo, que outrora haviam sido esquecidos pelos governos Getúlio Vargas, Dutra e Juscelino, começaram a se mobilizar, dando origem a um importante movimento do período, chamado Ligas Camponesas. Essas Ligas encontraram na liderança do advogado Francisco Julião apoio para suas reivindicações - isso em fins do governo Juscelino Kubistchek.

 

Jânio Quadros venceu as eleições do ano de 1960 tendo uma breve passagem pela presidência da república. Renunciou. Como seu vice João Goulart estava na China na ocasião da renuncia foi associado ao comunismo. Para impedir que Goulart assumisse com plenos poderes o Congresso Nacional alterou o regime do Brasil para o parlamentarismo, que durou dois anos. João Goulart (Jango) governou com essa alteração constitucional, mas o regime voltou a ser presidencialista.

 

 Foi durante o governo de Jango, os estudantes, por meio da UNE, também se mobilizavam e radicalizavam suas propostas de transformação, passando, inclusive, a intervir diretamente no jogo político. No que diz respeito à Igreja Católica (maior religião do país), mudanças significativas começaram a acontecer. Houve, nesse período, diversas posições tomadas pelos seus líderes, que iam desde o ultraconservadorismo às aberturas à esquerda, típicas da Juventude Universitária Católica (JUC). Entretanto, no cenário político, o que marcou o período foram algumas mudanças que ocorreram em relação às forças armadas.

 

A mudança consistiu na formulação de uma nova doutrina elaborada pelos militares com a Guerra Fria e que ganhou contornos mais nítidos após a Revolução Cubana. Havia interesse em conter as influências comunistas, por isso, surgiu a Doutrina da Segurança Nacional, que foi gerada na Escola Superior de Guerra.

 

O governo de João Goulart se desenvolveu com limitações devido ao sistema parlamentarista. Em janeiro de 1963, o sistema presidencialista voltara, e João Goulart assumia o governo como chefe de estado e chefe de governo. Suas medidas, que visavam a reformas nos mais diversos setores da sociedade brasileira, motivaram no ano seguinte um golpe liderado por militares apoiados por políticos conservadores.

 

O que algumas pessoas da classe política e setores da sociedade civil organizada não esperavam era que o mandato de Jango fosse golpeado. Não somente o governo de João Goulart foi golpeado, mas a própria democracia. Pois a política nacional se viu rendida frente aos interesses estrangeiros, que por meio de regimes autoritários repetiram o feito em diversos países latino-americanos.

 

Depois de alguns episódios como a revolta dos marinheiros, mobilizações sociais e discursos inflamados propondo reformas estruturais profundas na sociedade o governo Jango precisaria ser contido. Foi então que setores conservadores do empresariado brasileiro e a ala militar influenciada pelo governo estadunidense empreenderam em conluio o que ficou conhecido como golpe civil-militar. Conforme ressalta Gaspari:

 

O governo de João Goulart se desmanchara. Às quatro da tarde de 1° de abril de 1964, os cinco tanques M-41 do 1° Regimento de Reconhecimento Mecanizado, sob o comando do tenente Freddie Perdigão Pereira, fizeram o percurso emblemático das derrotas, indecisões e vitórias da jornada. A coluna de Perdigão guardava a entrada do parque Guinle, sobre o qual está encarapitado o palácio Laranjeiras. Tivera a soberba missão de proteger o presidente. Jango voara para Brasília, e o tenente vigiava um portão no caminho de um casarão vazio. Convidado a aderir ao levante por um major da ESCEME, Perdigão justificou-se: não o fizera ainda porque sua unidade continuava leal ao governo e também porque temia a reação dos quatro sargentos de seu pelotão. Mais tarde, chegou-se a um acordo. Os sargentos ficaram com um dos tanques e regressaram ao quartel, enquanto Perdigão saiu com os outros quatro, tripulados por cabos (GASPARI, 2002, p.110).

 

De acordo Marco Antônio Villa Jango era um homem pacífico e possuía poucas habilidades políticas. Embora tivesse sido incentivado por algumas pessoas a resistir e lutar pela constitucionalidade de seu mandato Jango preferiu ir para São Borja e da lá rumar para o exílio no Uruguai.

 

 Esse é a tese defendida em: Jango (1945-1964): um perfil (2004).Villa explora as contradições interiores de Jango e também as de seu governo. A obra é uma boa tentativa de desmistificar uma imagem construída de um político preparado e perspicaz. O historiador mostra a inabilidade política e a personalidade volátil daquele que para muitos foi um dos maiores presidentes brasileiros.

 

Villa assim descreve as últimas atitudes de Jango enquanto presidente do Brasil em face a  possibilidade de uma iminente resistência:

 

Preocupado, Jango apressou os preparativos para partir e não atendeu ao apelo da irmã, dona Neusa: “Janguito, não podemos abandonar essa gente assim no mais. Vamos ficar todos e resistir, para o que der e vier”. De nada adiantou o pedido da irmã, pois ele estava decidido a ir embora. Ao encontrar o tenente José Wilson Silva, disse, apontando para o cunhado: “Eu não sou revolucionário, o revolucionário é o Brizola aí. Vocês se acertem com ele”.Desde esse momento até julho de 1976 — cinco meses antes de morrer —, nunca mais conversou com o cunhado (VILLA, 2004, p. 156).

E assim efetivou-se o que passou a ser conhecido como golpe militar de 1964 que, além de ter ofuscado uma geração promissora de artistas, intelectuais e políticos impôs ao Brasil uma subserviência ao modelo desenvolvimentista estadunidense que, em suma, fazia com que o país fosse fornecedor de mão-de-obra barata para o desenvolvimento de interesses imperialistas.

 

Avaliando os fatos

 

Qual foi a dimensão do golpe?

 

O golpe civil-militar ocorrido em terras brasileiras serviu como modelo para os demais países latino-americanos como no Chile, por exemplo. René Dreifuss 1964: a conquista do Estado (1981) demonstra com bastante precisão a engenhosidade do golpe - com tons gramscianos - que se estabeleceu em terras brasileiras[1].

 

Vamos aos fatos. A constituição à época indicava que em caso de vacância da presidência o presidente da Câmara assumiria a cadeira. Élio Gaspari em sua célebre trilogia diz o seguinte:

 

Enquanto o presidente voava para o Rio Grande do Sul, Auro Moura de Andrade, baseado “nos fatos do regimento”, declarou vaga a Presidência da República e organizou uma cerimônia bizarra. No meio da madrugada, acompanhado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, rumou para o palácio do Planalto. Levava consigo o deputado Ranieri Mazzilli, que, como presidente da Câmara, seria o sucessor de Jango, caso a república ficasse acéfala. (GASPARI, 2002, p.111-112).

 

Alguns pontos:

 

1- O presidente se encontrava no Brasil;

2- A cerimônia foi feita improvisada (às pressas) na madrugada;

3- O STF assentiu à decisão golpista sem remeter-se à constituição.

 

Há uma corrente que afirma ser o golpe um processo que vinha sendo desenvolvido já na década de 1950 e que não se consumou devido ao modelo desenvolvimentista adotado por JK que, em suma, favorecia os interesses do capital. Jânio em seu governo confuso e Jango com suas propostas reformistas preocuparam os setores conservadores brasileiros, que em conluio com militares perpetraram o golpe.

 

No Brasil é comum se tramar golpes com as altas cúpulas. Foi assim na proclamação da República; foi assim na “revolução de 30” e no Estado Novo e não seria diferente em 1964. Havia uma rede de pessoas que, nos bastidores, já disputava o poder. Brigava-se entre os militares para saber quem iria comandar o que I, II e III exército, por exemplo, . Os políticos faziam o loteamento de cargos e assim foi.

 

A situação de João Goulart se agravou depois de um comício com discursos inflamados que prometiam mudança de rumos na política nacional. Alguns setores conservadores insuflados por representantes de interesses escusos fomentaram a saída de Jango. Ele recebeu a notícia. Foi chamado por Brizola, então governador do Rio Grande do Sul, a resistir. Mas não o fez.

 

Villa atesta o seguinte sobre a cautela dos militares: “Era claro o chamamento da derrubada do governo Goulart por meio de um golpe militar, mas as Forças Armadas evitaram dar o primeiro passo, temerosas de um novo fracasso, como em 1954, 1955 e 1961” (VILLA, 2004, p.145).

 

Villa parece ser simpático à tese de que o golpe já vinha sendo tramado desde a década anterior a sua efetivação. Os interesses do capital estrangeiros aliados ao atraso da burguesia nacional, que nunca se preocupou em desenvolver o mercado interno do país investindo em uma política nacionalista autônoma, assentiram à tomada de decisão por meio da ruptura democrática.

 

Como agiu a elite? Dreifuss nos explica.

 

“A elite orgânica empresarial se fez defensora e porta-voz dos pontos de vista moderados do centro, ampliando as perspectivas elitistas e consumistas das classes médias e fomentando o temor às massas. Revigorava a percepção solipisista das classes médias quanto à realidade social brasileira e as influencias contra o sistema político populista” (DREIFUSS, 1981, p.230).

 

Dreifuss comenta que Glycon de Paiva, um dos fomentadores do golpe defendeu a seguinte forma de ação:

 

Em sua opinião, a ação politica tinha de ser sigilosa. Suas recomendações envolviam a “criação de um caos econômico e político, o fomento à insatisfação e profundo temor do comunismo por patrões e empregados, o bloqueio de esforços da esquerda no Congresso, a organização de demonstrações de massa e comícios e até mesmo atos de terrorismo necessário” (DREIFUSS, 1981, p.230).

 

Como se pode observar foi um golpe meticuloso, inclusive com terror necessário para causar certa sensação de insegurança nacional e colocar a população ao lado de um regime que “estabelecesse a ordem”.

 

Ao contrário do que muitos pensam. O golpe militar não salvou o Brasil do comunismo. O governo Jango poderia ser qualquer outra coisa menos comunista. No máximo se tratava de um governo populista com ênfase reformista. Nada mais do que isso. Villa chega a colocar Jango como uma pessoal inábil pouco afeiçoada aos traquejos políticos. Isso fez com que o mesmo não resistisse ao golpe e migrasse rumo ao exílio para desespero de Leonel Brizola.

 

 

Carlos Alberto Brilhante Ustra em seu polêmico A verdade sufocada (2007) descreve assim a tomada de poder por parte dos militares. “As condições “objetivas e subjetivas” para a tomada do poder, sem nenhuma dúvida, estavam presentes. Bastava somente um fato, político ou não, para que as coisas se precipitassem. Era tudo questão de mais ou menos dia.” (USTRA, 2007, p.68).

 

Óbvio que se tinha condições. Até por que se não as tivessem poderiam ser criadas, como bem demonstrou Dreifuss quando investigou a atuação da burguesia e de setores da elite no engendramento do golpe. Tudo muito bem preparado com argumentos que até os dias de hoje seduzem os menos informados.

 

As origens do golpe datam, na verdade, da crise do populismo e da incapacidade política em lidar com as tais. A medida mais fácil e simples foi abrir a economia e fazer com que fossem abatidos impostos e taxas para investimentos estrangeiros. O que fazer?  A opção foi a mesma de outrora: submeter-se ao imperialismo. O que não se esperava era que o regime recrudesceria de tal maneira e duraria duas décadas. Foi um período bem difícil.

 

Os setores médios e fomentadores de opinião aderiram a ideia de caos e logo a imprensa colocou-se contra Jango. Analisando o período depois de passados vinte anos Ustra reconheceu o apoio, mas criticou a posição tomada à época por parte da imprensa – estamos falando dos anos 1990 quando Ustra redige sua obra – vejamos suas palavras: “Essa imprensa que, em 1964, pedia a renúncia de Jango ou a ação imediata da sociedade brasileira para por fim à desordem, hoje é tomada por estranha amnésia, fruto, certamente, dos profissionais da esquerda, que povoam e dominam suas reações” (USTRA, 2007, p.82).

 

Ustra em seu livro criou um fantasma chamado: “esquerda” com que luta até as últimas páginas jurando fidelidade à constituição e defesa da ordem, da família e dos valores tradicionais. Com essa narrativa foi tecido o golpe militar de 1964 e até os dias de hoje encontra em pessoas sem o mínimo de sensibilidade guarida para ecoar e disseminar mentiras e ocultar fatos.

 

Curiosamente nas páginas finais do livro Ustra faz menção de uma pessoa que em sua visão seria o grande combatente e continuaria a luta contra o comunismo: o então deputado Jair Bolsonaro.

 

Ustra morreu em 2015 e não teve a oportunidade de ver aquele que continuaria o legado dos militares como presidente do Brasil. Em 2016 por acasião da votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff Bolsonaro enalteceu a figura de Ustra como “o terror de Dilma Rousseff”. Essas e outras atitudes como: criminalização dos movimentos sociais; depreciação da esquerda; desapreço pelos valores democráticos entre tantas outras coisas deixam a seguinte pergunta: o espectro da ditadura ainda ronda o Brasil?

 

Recomendo alguns livros para melhor conhecimento do assunto:

 

DREIFUSS, René. 1964: a conquista do Estado: ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis: Vozes, 1981.

GASPARI, Élio. A ditadura envergonhada. São Paulo: Cia das letras, 2002.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas: a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Editora Ática, 1987.

USTRA, Carlos Alberto Brilhante. A verdade sufocada. Brasília: Editora Ser, 2007.

VILLA, Marco Antônio. Jango: um perfil (1945-1964). São Paulo: Edições Globo, 2004.



[1] Pelo termo gramsciano deve se entender a ideia que é trabalhada pelo filósofo italiano, Antônio Gramsci, sobre a figura do intelectual orgânico, que se apresenta como uma espécie de organizador social em prol de uma mudança utilizando-se da produção das ideias sociais juntamente com as condições materiais em que são produzidas. No caso mostrado por Dreifuss trata da aplicação dessa fórmula num sentido inverso, ou seja, em favor de uma ditadura. Como demonstra o autor ao longo da obra.

Veja mais

Ciclo de Lives


EDITORIAL | JULHO DE 2020


Curso Intensivo de Educação em Direitos Humanos


Sábados Resistentes - Retomadas as atividades


Diálogos ao vivo sobre História e Memória


Curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil


Sábados Resistentes são retomados na modalidade virtual e ao vivo


Programa de Pesquisa


Golpe civil-militar de 1964: uma breve introdução


Entrevista com Mario Magalhães: Jornalismo investigativo


Direitos dos anistiados


Curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil - 2020


EDITORIAL


Retomada dos Sábados Resistentes


Vigília pela Democracia


Capacitação em comunicações estratégicas


Participação do Núcleo Memória em atividades diversas


Veto à História


Resultado da seleção para o curso Lugares de memória e Direitos Humanos - edição 1 - 2020


COMUNICADO À COMUNIDADE


Visita Mediada ao antigo DOI-Codi


Reunião com a OAK Foudation


Testemunho do professor Will Schmaltz


Sábado Resistente: Mulheres em Resistência


56 anos do golpe civil-militar que nos afeta até hoje


Debate Vigília Pela Democracia


24 de março - Dia Internacional do Direito à Verdade


Vigília pela Democracia e pelas Vítimas da Violência de Estado, de ontem e de hoje.


Adiamento da II Caminhada do Silêncio pelas Vítimas da Violência de Estado e do Ato Unificado Ditadura Nunca Mais


Mulheres em Resistência


Programa Visita Mediada ao antigo DOI-Codi de São Paulo


RAPHAEL MARTINELLI


Falecimento do Companheiro Raphael Martinelli


Final de semana da Memória e Resistência Política


Afiliação suspendida do Centro Nacional de Memoria Histórica de Colombia


Visita Mediada ao antigo DOI-Codi de São Paulo


Bilionários têm mais riqueza que 60% da população mundial, indica relatório da Oxfam


Visita mediada ao antigo prédio do DOI-Codi de São Paulo


Visita ao futuro Memorial da Luta pela Justiça


10 episódios de violação à liberdade de expressão em 2019


Sábados Resistentes: Balanço da aplicabilidade das recomendações da Comissão Nacional da Verdade


Homenagem a Carlos Marighella


Ato na homenagem a Marighella na camara de São Paulo


Sábado Resistente discute os retrocessos em áreas de Direitos Humanos


Profunda rejeição à militarização da América Latina e Caribe


O Memorial da Resistência em parceria com o Núcleo Memória debate na programação dos SR os retrocessos em áreas sensíveis dos Direitos Humanos no país


Caos, massacre e miséria no Haiti


Debate: [IN]VISÍVEIS – POLACAS


Roda de Conversa com o diretor do Nucleo memória Maurice Politi


XII Encontro Anual da Rede Latino-Americana e Caribenha de Lugares de Memória


A RESLAC exige a retirada das forças armadasa e a vigência das garantias básico no Chile


Encerramento do curso `Lugares de Memória e Direitos Humanos No Brasil`


Projeto `Visita Mediada ao antigo DOI-Codi de São Paulo`


Novas aulas do curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil


INSCRIÇÕES ENCERRADAS - Visita Mediada ao antigo DOI-Codi de São Paulo


A Resistência da Sociedade Civil e a luta por democracia no Brasil


Sábado Resistente - Tributo ao Dom Paulo Evaristo Arns


Nota de Repúdio


Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados


Primeira aula do curso “Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil”


SELECIONADOS - Curso Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil


Nascida em 08 de março. Elza Joana, presente


Sábado Resistente: 50 anos do DOI-Codi


Núcleo memória participou do Projeto Dossiê História em Cruzeiro SP


30 de agosto, Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados


Luta e Verdade - Bolsonaro e o esquecimento forçado


Por Elas: memória e resistência. Entrevista com Maurice Politi


Sábado Resistente: DOI-CODI 50 anos


18 de julho - Dia Internacional de Nelson Mandela


Inscrições para o curso `Lugares de Memória e Direitos Humanos no Brasil`


Em breve abrirá o período para inscrição no curso “LUGARES DE MEMÓRIA E DIREITOS HUMANOS NO BRASIL


Morre Clemente, da ALN e sucessor de Marighella


Impunidade faz com que Estado brasileiro ainda faça uso da tortura


Vozes do Silêncio Contra a violência do Estado


Sábado Resistente debateu o filme `Nostalgia da Luz`


Sábado Resistente: Debate o filme `Nostalgia da Luz`


Seja um amigo e amiga do Núcleo Memória - Friends of the Núcleo Memória


Memorial das Lutas e Ligas Camponesas é o mais novo membro da RESLAC


Sábado Resistente: “As lutas sociais e o movimento da infância”


Assista ao vídeo da I Caminhada do Silêncio em São Paulo


Sábado Resistente: Cativeiro Sem Fim


Núcleo Memória participa da IV Semana `Conhecendo a Realidade Brasileira`


NM vê com preocupação o encerramento do grupo de trabalho de ossadas de Perus


17 Abril |Dia Internacional de Luta Camponesa


Sábado Resistente: Lançamento do Livro Cativeiro Sem Fim


Novos membros da Rede Latino Americana e Caribenha de Sítios de Memória (RESLAC)


Cortes no orçamento de museus e programas culturais em São Paulo


Núcleo Memória participa de Roda de Conversa em Petrópolis


Curso Memória, Movimentos Sociais e Direitos Humanos


Núcleo Memória participa de eventos sobre Direitos Humanos no Rio de Janeiro


Mais de 500 pessoas no 6º Ato Ditadura Nunca Mais


Ato Ditadura Nunca Mais


Primeiro Sábado Resistente de 2019: O papel dos coletivos culturais na São Paulo de hoje


Criação da Rede Brasileira de Lugares de Memória - REBRALUME


Núcleo Memória envia representante a audiência da CIDH sobre lugares de memória


Novo site do Ministério Público sobre Justiça de Transição


Simpósio em SP marca 20 anos do Ministério Público Federal na promoção da justiça de transição


`Casa da morte` é declarada imóvel de utilidade pública


Vandalismo ao Monumento Marighella


Nota de Falecimento: Eunice Paiva


Memorial de direitos humanos é inaugurado em Minas Gerais


No dia 13 de dezembro de 1968, o presidente militar Arthur da Costa e Silva decreta o Ato Institucional n° 5


Nota de falecimento: Virgílio Lopes Enei


Comissão da Verdade na Colômbia é instaurada


Ivan Seixas lança livro em São Paulo


Dia Internacional dos Direitos Humanos


Último Sábado Resistente de 2018 lança o livro Hiatus: Arte, Memória e Direitos Humanos na América Latina


Livro Migração e Exílio é lançado no Museu da Imigração


Membros brasileiros da RESLAC entregam documento à Comissão Interamericana de Direitos Humanos


RESLAC lança nota sobre a visita da Comissão Interamericana de Direitos Humanos


Sábado Resistente lança o novo livro da jornalista Jan Rocha: Solidariedade não tem Fronteiras


Estudantes de Relações Internacionais da UNIFESP visitam o futuro Memoria da Luta por Justiça


Núcleo Memória participa do Seminário “Espaços de Exclusão: História e Memória” na USP


Maurice Politi é entrevistado pelo Canal Plus


RESLAC manifesta o seu apoio ao tombamento da Casa da Morte em Petrópolis, Rio de Janeiro


Pela primeira vez, Ministério Público Federal (MPF) denuncia membros da Justiça e do Ministério Público Militar por crime contra os direitos humanos cometidos durante a ditadura militar


Ato Herzog Vive


Roda de Conversa na EMEF Casa Blanca


SANTO DIAS, PRESENTE!


RESLAC saúda a anulação de perdão a Alberto Fujimori


Sábado Resistente comemora os 94 anos de Raphael Martinelli


Núcleo Memória participa do encontro internacional promovido pela RESLAC


Alunos da Escola Paulista de Sociologia visitam o futuro Memorial da Luta por Justiça


Pesquisadoras finalizam mais uma fase do projeto História Oral


Em dia de protestos em São Paulo, Núcleo Memória debate os 30 anos da Constituinte


Seminário na Universidade Presbiteriana Mackenzie conta com a participação do Núcleo Memória


4 anos do Massacre de Ayotzinapa


Roda de conversa no Colégio Santa Cruz


Memorial da Resistência debate os 30 anos da Assembleia Constituinte e os seus efeitos nos dias de hoje


Caso Vladimir Herzog: as implicações da condenação do Estado brasileiro na Corte Interamericana


Ativistas pelos Direitos Humanos do Rio de Janeiro lançam documento exigindo compromissos públicos dos candidatos à eleições de Outubro


Sábado Resistente debate sobre a abertura dos arquivos no Brasil e Paraguai e sua contribuição para o cumprimento das recomendações das Comissões da Verdade


47 anos da execução do Comandante Lamarca no Sertão da Bahia


Nota de empenho pelo cumprimento das resoluções da Comissão Nacional da Verdade


45 anos do golpe militar chileno


Incêndio no Museu Nacional: perda enorme para a história brasileira


Revolucionário e Gay: a vida extraordinária de Hebert Daniel.


Retomada das pesquisas nos arquivos da Justiça Militar


“Revolucionário e Gay”, novo livro de James Green é lançado em São Paulo


‘‘Acho fundamental que tenhamos referências históricas de pessoas que resistem aos golpes’’, diz James N. Green


Jornada do Patrimônio


Gegê Lemos visita o Núcleo Memória


Sábado Resistente: Movimento Custo de Vida


Visita escolar no futuro Memorial da Luta por Justiça


Memorial da Luta pela Justiça


Sábado Resistente: 50 anos de tropicalismo


26 de julho é dia de Combate a Tortura


Encerramento do curso Lugares de Memória


Exposição fotográfica: Ocupação Dom Paulo Evaristo Arns


Sexta aula do curso Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil


Lançamento brasileiro do livro “A experiência Tupamara`


Lançamento de livro sobre movimento dos Tupamaros no Sábado Resistente


Terceiro encontro do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Segunda aula do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Alunos da UNIFESP Visitam Memorial da Luta Pela Justiça


Primeira aula do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Alunos da UNIFESP visitam Memorial da Luta


Primeira aula publica no patio do antigo DOI-CODI


Sábado Resistente é palco da memória viva da luta operária contra ditadura


50 anos depois, “1968 operário” é lembrado em Sábado Resistente


Memorial da Luta sedia lançamento de livro sobre Paulo Fonteles


Papel de religião na resistência é lembrado em homenagem a Martin Luther King


Pesquisas para MLPJ são retomadas com entrevista com Marcia Bassetto


Nos 50 anos da morte de Martin Luther King, resistência negra é debatida em SR


Núcleo Memória participa do Global Reparations Summit, na Sérvia


Mais de 500 pessoas se reúnem para reivindicar a transformação do DOI-Codi em lugar de memória


Mulheres discutem as diferentes lutas feministas em Sábado Resistente


RESLAC manifesta sua preocupação com o assassinato da defensora dos DH do Rio e a crescente violência nessa cidade


5º Ato Unificado Ditadura Nunca Mais acontece no antigo DOI-Codi


Militantes se reúnem para debater resistência feminina intergeracional em SR


Amigos e companheiros de luta compartilham memórias de Honestino Guimarães em SR


Núcleo Memória participa de reunião sobre tombamento da Casa da Morte


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Atividades


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Núcleo


Primeiro Sábado Resistente do ano lança livro sobre Honestino Guimarães


Nota de apoio ao Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP)


Secretaria de Direitos Humanos lança livro sobre lugares de memória de São Paulo em Sábado Resistente


Sábado Resistente reúne especialistas para debater retrocessos nos direitos humanos


Militantes de ontem e hoje se reúnem para homenagear Marighella


Núcleo Memória participa de conferência internacional em Lisboa


Sábado Resistente homenageia Fidel Castro no marco de um ano de sua morte


Vozes da Defesa tem duração estendida até 10 de novembro


Instituições se reúnem para I Seminário do Centro de Memória Sul Fluminense


RESLAC divulga informe a CIDH, com contribuição do Núcleo Memória


Sábado Resistente reúne artistas e militantes em debate sobre arte e memória


Para homenagear Guevara, Sábado Resistente fala sobre revolução nos dias de hoje


Núcleo Memória participa de reunião da CIDH


Memorial da Resistência debate Arte e Memória para marcar abertura da exposição “Hiatus”


Ivan Seixas concede entrevista ao NM sobre a fundação da instituição


Núcleo Memória realiza palestra em seminário de direitos humanos no Chile


`Ruas da Vergonha` ganha prêmio de publicidade mais importante da América Latina


Nos 50 anos da morte de Che Guevara, Sábado Resistente presta homenagem ao revolucionário


Núcleo Memória realiza primeiras entrevistas para construção de memória institucional


Colônia japonesa emociona com histórias de luta por justiça para seus desaparecidos


Com participação do Núcleo Memória, RESLAC elabora plano estratégico


Sábado Resistente lança livros com temática da ditadura civil-militar


Memorial da Resistência promove tarde de lançamento de livros


Levante Popular lota Sábado Resistente em lançamento de livro sobre escrachos realizados pelo grupo


Memorial da Luta pela Justiça abriga exposição “Vozes da Defesa”


Núcleo Memória participa da Jornada do Patrimônio 2017


Comunicado sobre aprobación unánime en el Bundestag y el rol del Estado chileno


Núcleo Memória, OAB/SP e STM inauguram exposição Vozes da Defesa


Perseguição à colônia japonesa nas ditaduras argentina e brasileira em debate no Memorial da Resistência


Sábado Resistente lança livro sobre escrachos aos torturadores da ditadura


Núcleo Memória entrega assinaturas da campanha Ruas da Vergonha à Prefeitura


Núcleo de Pesquisa recebe Leila Tavares que compartilha sua busca pelos arquivos da Justiça Militar


Sábado Resistente debate a Justiça no Brasil em lançamento de livro do MPF


Pesquisa no arquivo do STM - Jornal da Justiça


Sábado Resistente homenageia Dulce Maia de Souza, combatente da Resistência


Sábado Resistente lembra importância dos lugares de memória em lançamento de livro


Núcleo Memória convida todos para Assembleia Geral


Memorial da Resistência lança livro sobre a história do imóvel que abriga o museu


Colóquio de Direitos Humanos debate mudanças na segurança pública e no cárcere


MPF lança livro sobre crimes da ditadura civil-militar


Em maio, o Memorial da Resistência realiza debate sobre questão de gênero e violência contra a mulher no Sábado Resistente


Segurança pública e situação penitenciária em pauta no 2º dia do Colóquio de Direitos Humanos


No lançamento de “Calabouço”, um encontro entre os militantes de ontem e hoje


4º Ato Unificado Ditadura Nunca Mais


Dia Internacional pelo Direito à Verdade


Primeiro dia do Colóquio de Direitos Humanos discute fundamentos da intolerância religiosa no Brasil


Sábado Resistente estreia temporada de 2017 com plateia cheia para discutir resistência juvenil


Memorial da Luta pela Justiça promove debate sobre Intolerância Religiosa


RESLAC abre convocatória para consultores ou empresas de consultoria


Diretor do Núcleo Memória realiza visita com professores no Memorial da Resistência


Contra o desmonte da coordenadoria por Memória e Verdade do Rio de Janeiro


Apoio à atuação do Ministério Público Federal


Curso Ditadura: História Memória encerra sua 4ª edição, destinada a educadores populares


No Dia Internacional dos Direitos Humanos, II Ciclo de Cinema tem encerramento com debate sobre o tema


Último Sábado Resistente do ano recebe 90 pessoas para homenagear Sergio Motta


II Ciclo de Cinema recebe Manoel Cyrillo e Martim Sampaio


Às vésperas do dia da Consciência Negra, Sábado Resistente reúne especialistas para debater o tema


Diretor do Núcleo Memória da aula na Unifesp


Sábado Resistente emociona com homenagem ao militante Farid Helou


II Ciclo de Cinema exibe documentário sobre atuação de advogados na ditadura


Especialistas discutem a segurança pública durante e depois da ditadura em Sábado Resistente


Diretor do Núcleo fala à 80 alunos do fundamental sobre o golpe e a ditadura


Sábado Resistente tem exibição de curtas e debate sobre a tortura


II Ciclo de Cinema estreia com filme sobre a participação dos EUA na ditadura brasileira


II Ciclo de Cinema traz discussão sobre violações do Estado nos dias atuais


Antonio Espinosa participa de debate em Sábado Resistente


Núcleo Memória participa de encontro da regional de sítios de consciência


Com mais de cem pessoas, Sábado Resistente discute o papel das empresas na ditadura


Encerramento do Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Luis Nassif sobre Liberdade de Imprensa - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Sábado Resistente discute a tortura no passado e no presente


Padre Gianfranco Grazioloa sobre Cárcere - Projeto ocupe os Direitos Humanos


Jacqueline Sinhoretto sobre violência policial - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Memorial da Luta pela Justiça recebe visita da Clínica de Direitos Humanos da PUC


Franklin Felix sobre Comunidade LGBT - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Leonardo Duarte e Direito da Criança e do Adolescente - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Maurice Politi participa do Fórum Latino-Americano de Fotografia


Anivaldo Padilha sobre Justiça de Transição - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Sábado Resistente discute a importância dos lugares de memória


Núcleo marca presença na Mostra de Cinema e Direitos Humanos no Mundo da Universidade Metodista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018