‘‘Acho fundamental que tenhamos referências históricas de pessoas que resistem aos golpes’’, diz James N. Green

22/08/2018

Autor do livro Revolucionário e Gay, uma biografia de Herbert Daniel, James N. Green conversou com o Núcleo Memória a respeito do seu novo livro, homofobia e as eleições presidenciais de 2018.

(Foto: Watson Institute for International and Public Affairs/ Brown University)

Por Bárbara Alves

 

Professor de História Latina Americana da Brown University, James Naylor Green

recebeu seu doutorado em História da América Latina em 1996 pela UCLA,

Universidade da Califórnia em Los Angeles. Atualmente é diretor da Brown Brazil

Iniciative da Brown University e professor visitante da Universidade Hebraica de

Jerusalém, em Israel.

 

Seu primeiro contato com a situação política do Brasil ocorreu em 1973 por meio de

um exilado político que estava fazendo uma campanha contra a tortura promovida

pelo regime militar. James colaborou com a campanha internacional contra a

ditadura, e logo após veio para o país, onde viveu cerca de 6 anos.

Recentemente, se juntou com outros acadêmicos internacionais e ativistas pela

democracia para denunciar o golpe parlamentar sofrido pela ex-presidente Dilma

Rousseff.

 

Autor do livro “Apesar de você: a oposição à ditadura militar nos EUA, 1964-85”,

‘Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX’ e

‘Revolucionário e Gay’, uma biografia de Herbert Daniel, cujo lançamento em São

Paulo será realizado no próximo Sábado Resistente, dia 25 de agosto, James

conversou com o Núcleo Memória durante a sua passagem pelo Brasil para divulgar

o seu novo livro ao público brasileiro.

 

Confira a seguir a entrevista realizado com o historiador:

 

Núcleo Memória: Quais os motivos que te levaram a escolher a vida de Herbert Daniel para escrever um livro e como foi o processo de escrita?

James N. Green: Considero que Herbert Daniel vivia uma vida extraordinária.

Quando ele voltou do exílio político em 1981 ele desenvolveu uma política que

ligava a questão da discriminação das pessoas LGBT com as lutas sociais para um

mundo melhor. Desenvolveu uma campanha eleitoral para deputado estadual

absolutamente original em 1986 e depois desenvolveu uma maneira de tratar as

pessoas vivendo com HIV/aids com compaixão e compreensão. Em 1989 quando

ele descobriu que era soropositivo, fundou PelaVidda, um ONG que enfrentou a

discriminação social e oferecia outra visão sobre a doença. Queria contar a história

da vida dele para novas gerações que não conheceu esta personagem incrível.

A minha produção acadêmica sempre teve dois objetivos: fazer um trabalho

historiográfico bem feito e usar a minha produção acadêmica para intervir

politicamente com o objetivo de transformar a realidade. Acho que as pessoas

LGBT não precisam de heróis, mas precisam de referências positivas, ou seja,

pessoas que sofreram a discriminação e a homofobia da sociedade e conseguiram

enfrentar e transformar a consciência de setores sociais. Acredito que é

fundamental compreender como as pessoas pensaram e implementaram a noção

de inteseccionalidade, uma ideia bastante presente na academia na atualidade. É

com esse intuito, que eu queria lançar o olhar para o cruzamento de vários tipos de

lutas pela justiça sócio-econômica e pela ampla democracia e inclusão social.

 

Levando em consideração a atual conjuntura política do Brasil, qual a

importância de escrever sobre um guerrilheiro homossexual?

James N. Green: E especialmente num momento onde a direita e a reação está

consolidando força internacionalmente, acho fundamental que tenhamos referências

históricas de pessoas que resistem aos golpes, ao nacionalismo reacionário, a

xenofobia, ao racismo, a misoginia e a todas as formas de discriminação e

repressão de pessoas LGBTT.

No seu momento, durante a ditadura militar, Herbert Daniel resolveu correr o risco

de morrer para enfrentar o regime e tentar de derrubá-lo. Depois reconheceu que a

estratégia que ele e outros escolheram não tomava em conta a realidade nacional,

especialmente uma expansão econômica entre 1968 e 1973, que reforçava uma

relação entre o governo autoritário e vários setores sociais. Conseguiu repensar

tudo quando morava no exílio e voltou ao Brasil com novas maneiras de pensar a

política e transformar o país.

 

A esquerda por muito tempo foi homofóbica. Quais os progressos que os

LGBT’s conquistaram dentro desse espaço?

James N. Green: Quando Daniel decidiu entrar numa organização revolucionária

em 1967 na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, ele

sentia a homofobia das esquerdas que tinha preconceitos contra a

homossexualidade. Ele já sentia desejos sexuais e afetivos por outros homens, mas

percebia que a organização ao qual ele fazia parte não aceitava pessoas

abertamente homossexuais nas suas fileiras.

São vários fatores que explicam porque as esquerdas nos anos 60 e 70

incorporaram valores da sociedade brasileira a considerar a homossexualidade uma

aberração. Estas razões vão desde conceitos moralistas católicas embutidos na

cultura brasileira até noções médico-legais de gênero, bem tradicionais, que

consideravam um homem efeminado como uma pessoa doente e anormal,

certamente incapaz de possuir a virilidade masculina necessária para ser um bom

revolucionário e de guerrilha. Em vez de questionar estes valores, as esquerdas

incorporaram estas ideias dentro da sua perspectiva geral sobre a sociedade

brasileira e um futuro sociedade socialista.

Em 1967, quando ele entrou em uma pequena organização marxista em Belo

Horizonte, ele queria transformar o mundo. Infelizmente a esquerda brasileira,

refletindo o seu tempo e o seu momento, não tinha espaço para certas ideias

revolucionárias e Herbert não sabia como lutar tanto para os seus direitos sexuais

quanto para o fim da ditadura e por um mundo melhor. Tentou expressar os seus

sentimentos, mas o clima não permitiu a sua homossexualidade. Entrou no seu

primeiro exílio, interno, quando decidiu optar para a revolução e reprimir a sua

sexualidade o os seus sentimentos. O Brasil e o mundo tinham que mudar para

ajudar Daniel a mudar. No caminho ele enfrentou muitos obstáculos sociais e

culturais dos seus próprios companheiros e companheiras, embora também tinham

aliadas e alguns aliados no processo.

Os novos movimentos sociais e as contestações sociais-culturais, junto com a

abertura democrática dos anos 80 ofereceram novas oportunidades para ele

encontrar-se e para criar outras formas de fazer a política. Ao longo dos últimos

anos o Brasil mudou muito. Hoje em dia, todos as organizações das esquerdas tem

militantes LGBT participando ativamente nas suas fileiras. Fiquei contente de ver o

número de candidatos LGBT nesta eleições, desde pessoas pioneiros como Jean

Wyllys, que considero um dos herdeiros políticos de Herbert Daniel, e

especialmente um número de trans que são se postulando para ser eleito.

 

O movimento LGBT mundial descobriu uma coisa revolucionários nos últimos 50

anos: assumir a sua identidade e a sua sexualidade sem ser defensiva ou fazer

apologias. As paradas LGBT, por exemplo, servem para afirmar a

homossexualidade como uma sexualidade ou maneira de amor legítima e norma,

entre várias maneiras de amar. Pessoas assumidos estão ocupando espaços nas

universidades, no trabalho, na cultura, nas suas famílias e na sociedade que

provocam transformações sociais. Neste sentido Daniel foi um pioneiro e o seu

legado tem que ser reconhecido.

 

Como esse tema é recepcionado nos Estados Unidos?

James N. Green: Infelizmente, poucos norte-americanos sabem muito sobre o

Brasil, a sua história recente e a luta contra a ditadura militar. Neste sentido esta

biografia sobre Herbert Daniel, que terá uma circulação entre o meio acadêmico e

entre ativistas LGBT, vai revelar outras imagens e noções sobre o Brasil, sua cultura

e o seu passado. Infelizmente, em geral as ativistas LGBT nos Estados Unidos

tendem a preocupar-se mais para a realidade norte-americana e neste momento

estamos lutando contra um governo reacionário que se sustenta com apoio das

igrejas conservadores e moralistas e setores sociais que se opõem os movimentos

democráticos que conquistaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo e

outros direitos nos últimos anos. Nossa tarefa lá como aca é de lutar contra estas

forças reacionárias.

 

Quais as suas previsões para o futuro da política brasileira após as eleições

deste ano?

James N. Green: Ainda é difícil prever os resultados das eleições presidenciais,

que vão determinar o futuro imediata. Acho que as esquerdas ainda estão na

defensiva e as direitas estão tentando impor uma agenda reacionária que vai tentar

eliminar todos os avanços dos últimos anos no Brasil. É possível que os próximos

tempos são de resistência. Hoje estamos vivendo tempos difíceis no Brasil, nos

Estados Unidos, na Europa e em outras partes do mundo. Acho que podemos

aprender com Herbert Daniel, com sua energia, com sua visão, com suas

contradições, angústias e limitações. Como ele sempre dizia quando abraçou a sua

vivência com AIDS. “Vivia a vida.”

 

O lançamento do livro Revolucionário e Gay ocorrerá no próximo Sábado Resistente, dia 25.

Confirme a sua presença: https://goo.gl/Aie29N


Veja outros textos

Veja mais

Caso Vladimir Herzog: as implicações da condenação do Estado brasileiro na Corte Interamericana


Ativistas pelos Direitos Humanos do Rio de Janeiro lançam documento exigindo compromissos públicos dos candidatos à eleições de Outubro


Sábado Resistente debate sobre a abertura dos arquivos no Brasil e Paraguai e sua contribuição para o cumprimento das recomendações das Comissões da Verdade


47 anos da execução do Comandante Lamarca no Sertão da Bahia


Nota de empenho pelo cumprimento das resoluções da Comissão Nacional da Verdade


45 anos do golpe militar chileno


Incêndio no Museu Nacional: perda enorme para a história brasileira


Revolucionário e Gay: a vida extraordinária de Hebert Daniel.


Retomada das pesquisas nos arquivos da Justiça Militar


“Revolucionário e Gay”, novo livro de James Green é lançado em São Paulo


‘‘Acho fundamental que tenhamos referências históricas de pessoas que resistem aos golpes’’, diz James N. Green


Jornada do Patrimônio


Gegê Lemos visita o Núcleo Memória


Sábado Resistente: Movimento Custo de Vida


Visita escolar no futuro Memorial da Luta por Justiça


Memorial da Luta pela Justiça


Sábado Resistente: 50 anos de tropicalismo


26 de julho é dia de Combate a Tortura


Encerramento do curso Lugares de Memória


Exposição fotográfica: Ocupação Dom Paulo Evaristo Arns


Sexta aula do curso Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil


Lançamento brasileiro do livro “A experiência Tupamara`


Lançamento de livro sobre movimento dos Tupamaros no Sábado Resistente


Terceiro encontro do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Segunda aula do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Alunos da UNIFESP Visitam Memorial da Luta Pela Justiça


Primeira aula do curso `Lugares de Memória, ditaduras e direitos humanos no Brasil`


Alunos da UNIFESP visitam Memorial da Luta


Primeira aula publica no patio do antigo DOI-CODI


Sábado Resistente é palco da memória viva da luta operária contra ditadura


50 anos depois, “1968 operário” é lembrado em Sábado Resistente


Memorial da Luta sedia lançamento de livro sobre Paulo Fonteles


Papel de religião na resistência é lembrado em homenagem a Martin Luther King


Pesquisas para MLPJ são retomadas com entrevista com Marcia Bassetto


Nos 50 anos da morte de Martin Luther King, resistência negra é debatida em SR


Núcleo Memória participa do Global Reparations Summit, na Sérvia


Mais de 500 pessoas se reúnem para reivindicar a transformação do DOI-Codi em lugar de memória


Mulheres discutem as diferentes lutas feministas em Sábado Resistente


RESLAC manifesta sua preocupação com o assassinato da defensora dos DH do Rio e a crescente violência nessa cidade


5º Ato Unificado Ditadura Nunca Mais acontece no antigo DOI-Codi


Militantes se reúnem para debater resistência feminina intergeracional em SR


Amigos e companheiros de luta compartilham memórias de Honestino Guimarães em SR


Núcleo Memória participa de reunião sobre tombamento da Casa da Morte


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Atividades


Ato Ditadura Nunca Mais realiza arrecadação online Núcleo


Primeiro Sábado Resistente do ano lança livro sobre Honestino Guimarães


Nota de apoio ao Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP)


Secretaria de Direitos Humanos lança livro sobre lugares de memória de São Paulo em Sábado Resistente


Sábado Resistente reúne especialistas para debater retrocessos nos direitos humanos


Militantes de ontem e hoje se reúnem para homenagear Marighella


Núcleo Memória participa de conferência internacional em Lisboa


Sábado Resistente homenageia Fidel Castro no marco de um ano de sua morte


Vozes da Defesa tem duração estendida até 10 de novembro


Instituições se reúnem para I Seminário do Centro de Memória Sul Fluminense


RESLAC divulga informe a CIDH, com contribuição do Núcleo Memória


Sábado Resistente reúne artistas e militantes em debate sobre arte e memória


Para homenagear Guevara, Sábado Resistente fala sobre revolução nos dias de hoje


Núcleo Memória participa de reunião da CIDH


Memorial da Resistência debate Arte e Memória para marcar abertura da exposição “Hiatus”


Ivan Seixas concede entrevista ao NM sobre a fundação da instituição


Núcleo Memória realiza palestra em seminário de direitos humanos no Chile


`Ruas da Vergonha` ganha prêmio de publicidade mais importante da América Latina


Nos 50 anos da morte de Che Guevara, Sábado Resistente presta homenagem ao revolucionário


Núcleo Memória realiza primeiras entrevistas para construção de memória institucional


Colônia japonesa emociona com histórias de luta por justiça para seus desaparecidos


Com participação do Núcleo Memória, RESLAC elabora plano estratégico


Sábado Resistente lança livros com temática da ditadura civil-militar


Memorial da Resistência promove tarde de lançamento de livros


Levante Popular lota Sábado Resistente em lançamento de livro sobre escrachos realizados pelo grupo


Memorial da Luta pela Justiça abriga exposição “Vozes da Defesa”


Núcleo Memória participa da Jornada do Patrimônio 2017


Comunicado sobre aprobación unánime en el Bundestag y el rol del Estado chileno


Núcleo Memória, OAB/SP e STM inauguram exposição Vozes da Defesa


Perseguição à colônia japonesa nas ditaduras argentina e brasileira em debate no Memorial da Resistência


Sábado Resistente lança livro sobre escrachos aos torturadores da ditadura


Núcleo Memória entrega assinaturas da campanha Ruas da Vergonha à Prefeitura


Núcleo de Pesquisa recebe Leila Tavares que compartilha sua busca pelos arquivos da Justiça Militar


Sábado Resistente debate a Justiça no Brasil em lançamento de livro do MPF


Pesquisa no arquivo do STM - Jornal da Justiça


Sábado Resistente homenageia Dulce Maia de Souza, combatente da Resistência


Sábado Resistente lembra importância dos lugares de memória em lançamento de livro


Núcleo Memória convida todos para Assembleia Geral


Memorial da Resistência lança livro sobre a história do imóvel que abriga o museu


Colóquio de Direitos Humanos debate mudanças na segurança pública e no cárcere


MPF lança livro sobre crimes da ditadura civil-militar


Em maio, o Memorial da Resistência realiza debate sobre questão de gênero e violência contra a mulher no Sábado Resistente


Segurança pública e situação penitenciária em pauta no 2º dia do Colóquio de Direitos Humanos


No lançamento de “Calabouço”, um encontro entre os militantes de ontem e hoje


4º Ato Unificado Ditadura Nunca Mais


Dia Internacional pelo Direito à Verdade


Primeiro dia do Colóquio de Direitos Humanos discute fundamentos da intolerância religiosa no Brasil


Sábado Resistente estreia temporada de 2017 com plateia cheia para discutir resistência juvenil


Memorial da Luta pela Justiça promove debate sobre Intolerância Religiosa


RESLAC abre convocatória para consultores ou empresas de consultoria


Diretor do Núcleo Memória realiza visita com professores no Memorial da Resistência


Contra o desmonte da coordenadoria por Memória e Verdade do Rio de Janeiro


Apoio à atuação do Ministério Público Federal


Curso Ditadura: História Memória encerra sua 4ª edição, destinada a educadores populares


No Dia Internacional dos Direitos Humanos, II Ciclo de Cinema tem encerramento com debate sobre o tema


Último Sábado Resistente do ano recebe 90 pessoas para homenagear Sergio Motta


II Ciclo de Cinema recebe Manoel Cyrillo e Martim Sampaio


Às vésperas do dia da Consciência Negra, Sábado Resistente reúne especialistas para debater o tema


Diretor do Núcleo Memória da aula na Unifesp


Sábado Resistente emociona com homenagem ao militante Farid Helou


II Ciclo de Cinema exibe documentário sobre atuação de advogados na ditadura


Especialistas discutem a segurança pública durante e depois da ditadura em Sábado Resistente


Diretor do Núcleo fala à 80 alunos do fundamental sobre o golpe e a ditadura


Sábado Resistente tem exibição de curtas e debate sobre a tortura


II Ciclo de Cinema estreia com filme sobre a participação dos EUA na ditadura brasileira


II Ciclo de Cinema traz discussão sobre violações do Estado nos dias atuais


Antonio Espinosa participa de debate em Sábado Resistente


Núcleo Memória participa de encontro da regional de sítios de consciência


Com mais de cem pessoas, Sábado Resistente discute o papel das empresas na ditadura


Encerramento do Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Luis Nassif sobre Liberdade de Imprensa - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Sábado Resistente discute a tortura no passado e no presente


Padre Gianfranco Grazioloa sobre Cárcere - Projeto ocupe os Direitos Humanos


Jacqueline Sinhoretto sobre violência policial - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Memorial da Luta pela Justiça recebe visita da Clínica de Direitos Humanos da PUC


Franklin Felix sobre Comunidade LGBT - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Leonardo Duarte e Direito da Criança e do Adolescente - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Maurice Politi participa do Fórum Latino-Americano de Fotografia


Anivaldo Padilha sobre Justiça de Transição - Projeto Ocupe os Direitos Humanos


Sábado Resistente discute a importância dos lugares de memória


Núcleo marca presença na Mostra de Cinema e Direitos Humanos no Mundo da Universidade Metodista


Assine nossa newsletter

Siga-nos

           
todos direitos reservados ©2018